A hora do carro robô

Menos poluentes, mais inteligentes e ultra conectados. Uma nova geração de carros promete revolucionar o trânsito.

Menos poluentes, mais inteligentes e ultra conectados. Uma nova geração de carros promete revolucionar o trânsito. Apesar da aura de ficção científica, a era dos automóveis autônomos está mais próxima do que imaginamos.

Em 1939, acontecia em Nova York a New York World’s Fair, que reunia as principais tendências tecnológicas de um futuro não muito distante: cerca de 20 anos. Entre as ideias apresentadas estava um modelo de trânsito com carros que dispensavam condutores e se mantinham a distâncias seguras, guiados por ondas de rádio. Bem, os anos 1960 chegaram e nada. No século XXI os motoristas ainda estão por trás dos volantes de carros. Mas veículos que andam sozinhos já existem por aí.

No começo do ano, a empresa francesa Induct colocou à venda o primeiro automóvel totalmente autônomo disponível no mercado. O Navia foi concebido para transportar pessoas em áreas fechadas por distâncias específicas – como campi de universidades e pátios de indústrias. Trata-se de um cruzamento entre carro de golfe e mini ônibus, com capacidade para oito pessoas, 100% elétrico e com velocidade máxima de 20 km/h, já em uso na Europa e na Ásia. 

No lugar do volante, há um tablet com tela sensível ao toque. O passageiro programa o trajeto, entra e o veículo anda sozinho. De acordo com a fabricante, também será possível configurá-lo por meio de smartphones e tablets pessoais. No caminho, um sistema de sensores a laser identifica obstáculos, incluindo os pedestres incautos, e evita colisões. O Navia passou em todos os testes e está funcionando bem.

Sem barulho e sem poluição

“Imagine uma cidade sem barulho e ônibus poluentes substituídos por veículos robóticos ecologicamente corretos comandados pelo seu celular”, propõe Pierre Lefevre, CEO da Induct. No lançamento do Navia, Lefevre destacou a preocupação ambiental e a incorporação de tecnologia de informação como as principais tendências da indústria. Cientes da necessidade de poluir menos, as empresas têm investido no desenvolvimento de motores elétricos e na digitalização dos veículos.  

A maioria dos protótipos, como o EN-V, da General Motors, tem como meta motores 100% elétricos. No entanto, na prática o desafi o é considerável. O badalado Toyota Prius, por exemplo, tem um motor híbrido, elétrico e à combustão. Ele é mais econômico e polui menos, mas é menos potente. Em fevereiro de 2014, a fabricante anunciou um recall global. Uma falha no sistema híbrido provoca perda de potência enquanto o carro está em movimento, colocando em risco os passageiros. 

Uma pesquisa recente conduzida pela consultoria Accenture em 12 países, entre eles o Brasil, revelou que a grande maioria das pessoas gostaria de contar com direção automática e com serviços de internet integrados aos carros, confortos que já são encontrados e que conquistam cada vez mais adeptos.

Piloto automático

Gradualmente, funções autônomas vêm sendo incorporadas aos automóveis disponíveis no mercado. Sistemas como o Brake PRE-SAFE, da Mercedes- Benz, são capazes de evitar colisões com o auxílio de sensores de radar e de velocidade. Na iminência de um choque, o carro freia sozinho e ajusta a tensão dos cintos de segurança. A evolução desse mecanismo vai permitir, por meio de conexões Wi-Fi, que os carros troquem informações entre si e previnam acidentes. Dessa maneira, quando um veículo percebe uma alteração repentina de velocidade no automóvel à frente, ele já se prepara para a frenagem. 

Outra tecnologia disponível e que deve se aprimorar é a do autoestacionamento, já presente em carros como o Toyota Prius. A operação ainda não é totalmente automática: o motorista precisa deixar o carro na posição conveniente, engatar as marchas e controlar o freio, mas a leitura do espaço e a manobra são feitas pela inteligência do veículo.  

Nos laboratórios das grandes montadoras já se veem carros 100% autônomos. Alguns já foram fl agrados em estradas, como a frota de dez Toyotas Prius do Google, equipada com câmeras externas, radares e sensores a laser, que já rodou cerca de 480 mil quilômetros na Califórnia sem incidentes. 

Desempenho similar teve o S-Class da Mercedes-Benz, com a vantagem de dispensar a parafernália requerida pelo protótipo do Google. O sistema da Mercedes é simples e está integrado à fuselagem do veículo. O S-Class percorreu com sucesso um trajeto complexo de 100 quilômetros na Alemanha, portando- se bem com pedestres, cruzamentos, semáforos, desvios e demais veículos. 

Marcha lenta

Se as previsões de Adam Jonas, analista da Morgan Stanley, se concretizarem, 2026 será o ano em que a transição para os veículos autônomos começará. Duas décadas depois, 100% dos automóveis no mercado serão capazes de guiarem-se sozinhos, o que geraria uma economia global de US$ 5,6 trilhões pela redução dos custos de infraestrutura e acidentes. 

Outros estudos divulgados no ano passado são mais cautelosos, mas preveem cenários parecidos. Para a consultoria Navigant Research, em 2035, 95 milhões de carros autônomos serão vendidos anualmente, representando 75% das vendas de veículos leves. A ABI Research, especializada em estudos do mercado de tecnologia, estima que em 2032 metade de todos os carros vendidos será autônoma.

Futurologia à parte, o fato é que grandes montadoras (GM, Toyota, Nissan, Honda, Volvo, Ford, Mercedes, Volkswagen) investem em linhas de pesquisas semelhantes e correm para emplacar um modelo que dispensa o motorista. Ao que tudo indica, os primeiros automóveis independentes devem ganhar as pistas na segunda década do século XXI. A Mercedes, que desenvolve um dos projetos mais avançados, pretende comercializar o S-Class por volta de 2020, mas admite a complexidade do processo.

“A direção autônoma vai se tornar realidade gradualmente. Há um aspecto legal que precisa ser resolvido. Existem leis internacionais que determinam que o motorista precisa estar o tempo todo no controle do veículo”, informou à reportagem da PLANETA a equipe de Pesquisa e Desenvolvimento da Daimler, empresa alemã que controla a Mercedes- Benz e a Chrysler. 

Outro desafi o é desenvolver um mecanismo totalmente seguro. “É essencial aprimorar ao máximo as capacidades de comunicação e a sensibilidade do sistema, que ainda não são 100% confiáveis, para oferecer aos usuários um produto seguro”, afi rmou Tomohiro Okada, coordenador- sênior de relações públicas da Honda Motor Co.

Melhor esperar pra ver. Até porque o principal objetivo dessa tecnologia é dar conforto aos motoristas e eliminar do trânsito a falha humana, responsável por 93% dos acidentes. 

Congestionamentos

Impossível ignorar nas projeções do futuro da indústria o que vai acontecer com o trânsito nas próximas décadas. Há um consenso de que o uso intensivo do carro é o principal responsável pelo caos no tráfego das cidades do século XXI. A cultura do automóvel individual não atrapalha apenas o fluxo das ruas, prejudica também a saúde, a economia, o meio ambiente e a vida.

No Brasil, os acidentes de trânsito causam 22,5 mortes a cada 100 mil pessoas, uma das taxas mais altas do mundo. De acordo com cálculos da Fundação Getulio Vargas, em 2012 a cidade de São Paulo deixou de ganhar cerca de R$ 40 bilhões enquanto os paulistanos estavam presos no congestionamento. 

Em 2011, 27 mil pessoas foram internadas na capital com problemas relacionados à poluição do ar. Do ponto de vista ambiental, o setor de transportes é um dos principais emissores de gases de efeito estufa do país, respondendo por 7% a 9% das emissões. Desse montante, 68% são emitidos por meios de transporte individuais.

Para reverter esse quadro caótico é preciso inverter a lógica que prioriza carros e motocicletas privados em lugar do transporte coletivo ou individual não motorizado (bicicletas). Não se trata de eliminar o automóvel da equação nem de demonizá-lo, mas de redistribuir o espaço das ruas. “O carro ocupa 85% das ruas e o ônibus, 15%. Se destinarmos 30% do espaço dos carros ao transporte coletivo, já sentiremos mudanças”, defende Eduardo Vasconcelos, sociólogo e engenheiro de trânsito da Associação Nacional de Transportes Públicos.

Ao menos no discurso, as montadoras parecem atentas à nova realidade. “Há uma tendência favorável à mobilidade individual com diferentes meios de transportes combinados: ônibus, trem, carro e bicicleta. Estamos virando não apenas fabricantes de carros, mas provedores de serviços de mobilidade”, afirma a equipe de Pesquisa e Desenvolvimento da Daimler. 

Projetos como os apresentados pela maioria das montadoras levam em consideração a nova necessidade. Resta saber quando e como sairão do papel. 

 

*****

BOX

 

Super Transporte Coletivo

Menos poluentes, mais inteligentes e ultra conectados. Uma nova geração de carros promete revolucionar o trânsito.

No século XIX, Nova York possuía uma frota de cavalos, para cavaleiros e carroças, calculada em 200 mil animais. A cidade fervia com acidentes, congestionamentos e poluição. Um estudo avaliou que o número de desastres fatais per capita causados por veículos equestres em 1900 era 75% maior que os provocados pelo trânsito atual. Além disso, havia graves problemas de saúde derivados do esterco lançado às ruas. A solução foram os automóveis, os atuais vilões do trânsito por motivos quase análogos. No século XXI, ônibus, metrô e bicicletas são a solução para o excesso da motorização individual e os acidentes decorrentes da alta velocidade. Já os ônibus carregam muita gente, mas emitem gases de efeito estufa. Veja alguns novos modelos elétricos amigáveis ao ambiente na Galeria de Fotos (acima).

COMPARTILHAR
blog comments powered by Disqus