A natureza encolhe

O planeta já perdeu mais da metade de suas espécies animais, devido à mudança climática e à exploração de recursos naturais, que reduzem habitats e degradam o meio ambiente. Ações de contenção têm surtido efeito, mas ainda aquém da urgência necessária

(Foto: iStockphotos)

Ao longo da evolução da vida em nosso planeta, muitas espécies animais foram extintas, numa conta que pode ser atribuída à natureza – por exemplo, a partir de aquecimentos globais, glaciações, alterações ambientais abruptas causadas por inundações ou grandes erupções vulcânicas. Outro processo do gênero está em curso atualmente, mas agora com características diferentes: a população de certas espécies está encolhendo em velocidade muito maior que a natural e animais bem conhecidos figuram na lista, como elefantes, girafas e abelhas.

O mais amplo e recente alarme foi dado pela organização World Wildlife Fund (WWF) e a Zoological Society of London (ZSL), em um relatório no qual indicam que mudanças climáticas, atividades agropecuárias e de extração de recursos naturais e a caça ilegal estão dizimando populações de mamíferos, pássaros, peixes, anfíbios e répteis. De acordo com o documento, a população dessas espécies sofreu uma baixa de 58% desde os anos 1970. A média de redução anual entre os animais, de 2% ao ano, tende a se manter ou a piorar. Nesse ritmo, as perdas podem chegar a 67% até 2020.

O mico-leão-dourado, um dos símbolos maiores da enorme devastação da Mata Atlântica (Foto: iStockphotos)
O mico-leão-dourado, um dos símbolos maiores da enorme devastação da Mata Atlântica (Foto: iStockphotos)

A mais recente inclusão na categoria de espécies em perigo é o guepardo (chita), o mamífero mais rápido do mundo. A World Conservation Society (WCS) e a ZSL calculam que restam pouco mais de 7 mil indivíduos na natureza, ocupando hoje somente 9% do seu território original nas savanas da África. Apenas no Zimbábue, a queda registrada no número de guepardos é de 85% num período de 10 anos. As girafas seguem o mesmo caminho, tendo perdido 40% da sua população nos últimos 30 anos.

Rinocerontes e elefantes também estão em situação bastante vulnerável e suas populações vão minguando em território africano, encurraladas pela redução progressiva de seu habitat natural. Além disso, eles são vítimas da caça ilegal. Os caçadores abatem os gigantes africanos de olho em seus chifres de marfim, que, de acordo com a medicina oriental, teriam poderes curativos. O abate de elefantes chegou à escala absurda de cem por dia durante o período mais crítico (entre 2010 e 2011), e o de rinocerontes registrou um salto de 9.000% entre 2007 e 2014, de acordo com relatório do WWF.

Biomas sob risco

No Brasil, a Mata Atlântica foi o primeiro bioma a sofrer os efeitos da urbanização e do descaso ambiental, e a redução de sua área (hoje equivalente a 7% do original) foi um grande golpe na preservação de espécies como o mico-leão-dourado. Mariana Napolitano, diretora do WWF Brasil, chama a atenção também para outros dois biomas sob risco, o Cerrado e a Caatinga.

Em relação aos seres aquáticos, as ameaças também são uma constante, a começar pela pesca. Não só aquela ilegal e desordenada, mas também a chamada pesca fantasma, quando pescadores abandonam suas redes que, à deriva, continuam capturando animais, os quais acabam por morrer. A lista inclui ainda a poluição das águas com rejeitos industriais químicos e outros efeitos da mudança climática, como o aquecimento dos mares, fato que turbina o processo de dizimação de diferentes espécies que lá vivem, como os corais.

O uso de agrotóxicos é um dos obstáculos à sobrevivência dos animais polinizadores, em especial as abelhas (Foto: iStockphotos)
O uso de agrotóxicos é um dos obstáculos à sobrevivência dos animais polinizadores, em especial as abelhas (Foto: iStockphotos)

Saber o tamanho do problema é o primeiro passo para começar a resolvê-lo. Um dos termômetros consagrados para isso é a Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas, elaborada pela União Internacional para Conservação da Natureza (IUCN, na sigla em inglês). A ferramenta cataloga espécies e as monitora com base em indicadores científicos. Até hoje, a IUCN tem cerca de 80 mil espécies identificadas e catalogadas, número que projeta dobrar até 2020.

Ainda assim, a lista não representa 10% das espécies que existem no planeta. E, das 80 mil avaliadas, 24 mil enfrentam algum grau de ameaça. “Os dados da IUCN são muito pequenos ainda perto do universo que temos; por isso, pode estar havendo extinções que nem conhecemos”, diz Carlos Duringan, diretor do WCS no Brasil e membro do grupo de pesquisadores do IUCN. “O desaparecimento de espécies é um indicador de que estamos degradando o ambiente e, com o tempo, isso vai chegar até o homem. Não é algo simples, estamos falando da conservação de vida no planeta”, alerta ele.

Prejuízos em série

Crises ambientais certamente geram crises econômicas. A situação dos polinizadores, especialmente as abelhas, é um bom exemplo. Eles não têm vez com a escalada da produção agrícola e o uso indiscriminado de agrotóxicos. Com a queda de população polinizadora, os setores agrícola, alimentício, cosmético e medicinal são prejudicados. Estima-se que as abelhas respondam por dois terços do que consumimos e ajudem a gerar, só em nosso país, uma riqueza equivalente a US$ 12 bilhões.

O Ministério do Meio Ambiente do Brasil lançou no ano passado o Livro Vermelho da Fauna Ameaçada de Extinção, contendo um novo levantamento das espécies ameaçadas, com mais de 12 mil espécies analisadas – um dos maiores esforços globais de avaliação. A partir da metodologia da IUCN, detectou-se que 1.173 espécies estão sob ameaça em território brasileiro. “Nosso conhecimento melhorou muito no Brasil nos últimos 10 a 15 anos”, diz Mariana. “Essa última avaliação mostra uma evolução e uma seriedade em relação a esse processo. Quando a gente fala que uma espécie está ameaçada, tem que ter certeza do que está falando, e esse processo melhorou muito.”

Crueldade dos caçadores: essa fêmea de rinoceronte teve seu chifre cortado e foi deixada para morrer (Foto: Environment Africa)
Crueldade dos caçadores: essa fêmea de rinoceronte teve seu chifre cortado e foi deixada para morrer (Foto: Environment Africa)

A velocidade das ações para conter a dizimação de espécies não acompanha o ritmo de avanço do problema. Mas esforços feitos ao redor do mundo por governos e ONGs mostram que agir faz efeito. Uma das medidas mais eficazes para conter a perda de habitat natural (uma das grandes responsáveis pela perda de espécies) é a criação ou o aumento de áreas de proteção. As lutas do WCS incluem derrubar o conceito de que áreas protegidas atrapalham o desenvolvimento (como alegam alguns setores da sociedade) e concentrar-se em mostrar que hoje essa agenda não está à margem do desenvolvimento econômico.

Os trabalhos desenvolvidos com pandas, por exemplo (veja ao final da reportagem em “Trabalho de formiga”), mostram que ampliar áreas protegidas é uma luta que vale a pena enfrentar. Duringan ressalta que as áreas para conservação não são isentas de uso. Elas possuem graus de utilização e, de forma planejada, é possível desenvolver atividades econômicas em paralelo.

Zoológicos do bem

A atuação de cativeiros e de zoológicos comprometidos com pesquisa e conservação de espécie é outra frente de atuação com resultados animadores, de acordo com o WCS e a ZSL. Centros de conservação e estudo de espécies demandam investimento e trabalho monitorado no cativeiro, com esforços para a reabilitação e reintrodução­ das espécies no meio ambiente.

“Hoje, é patente o trabalho de zoológicos e aquários no mundo”, afirma Duringan, ressaltando que existem zoológicos lidando com espécies que não têm mais seu habitat. Os orangotangos são o principal caso, pois tiveram uma perda drástica de habitat e praticamente todas as ações de conservação realizadas hoje acontecem em cativeiro.

Elefante em área de proteção, um dos recursos para a defesa dos animais (Foto: iStockphotos)
Elefante em área de proteção, um dos recursos para a defesa dos animais (Foto: iStockphotos)

Os zoológicos também possuem apoios específicos para cada espécie e participam de programas globais de conservação dos habitats em 40 países nos cinco continentes. Além disso, trabalham na captação de recursos financeiros e em campanhas de sensibilização.

Para celebrar essas conquistas, a Zoological Society of London promoveu em abril um seminário dedicado ao otimismo com que conservacionistas querem tratar o tema, o Conservation Optimism Summit. A entidade acredita que as notícias negativas dominam o noticiário de uma forma que leva a consciência coletiva a interpretar a questão como encerrada. A ideia é chamar a atenção para as conquistas de suas iniciativas.

Coral branqueado pelo aquecimento do mar (Foto: iStockphotos)
Coral branqueado pelo aquecimento do mar (Foto: iStockphotos)

Se não fossem os esforços para criação de áreas protegidas, convenções sobre comércio internacional de espécies ameaçadas ou ações anticaça ilegal, por exemplo, o problema poderia ser ainda maior. “Precisamos criar uma visão positiva de futuro, focar nas soluções e inspirar a sociedade a tomar uma atitude. Precisamos celebrar o sucesso, identificar o que está funcionando e aplicar em maior escala”, afirmou Jonathan Baillie, diretor da ZSL, na divulgação do evento para a imprensa.

“Todas as ações combinadas têm algum êxito, diminuem o grau de ameaça às espécies, mas, como a ameaça é um fato contínuo, muitas vezes damos dois passos e voltamos um”, lamenta Duringan. Para exemplificar isso, em março, um tribunal da África do Sul revogou a proibição que vigorava no país ao comércio de chifres de rinoceronte. É preciso mais trabalho para manter o otimismo.

13_PL530_extincao3


Velhos conhecidos sob ameaça

ABELHA:

13_PL530_extincao8

Principais polinizadores, as abelhas têm desaparecido gradualmente do planeta em razão do uso indiscriminado de pesticidas para a agricultura e da perda de habitat. Esses fatores também têm afetado a população de outros polinizadores, como borboletas, morcegos, pássaros, moscas, besouros, lagartos e pequenos mamíferos. Um estudo da ONU de 2015 revelou que a população de abelhas na Europa havia caído 37%.

ELEFANTE:

13_PL530_extincao9

Um censo divulgado em 2016 revelou que há pouco mais de 352 mil elefantes-da-savana da África hoje – eram 1,3 milhão em 1979. Com a atual queda de 8% ao ano, a extinção será certa em 2025, quando restarem 170 mil exemplares. Outro grupo do continente, o do elefante-da-floresta, encolheu 65% entre 2002 e 2013, segundo um estudo também divulgado em 2016. A caça clandestina é o principal problema.

GRANDES PRIMATAS:

13_PL530_extincao10

Quatro de seis espécies de grandes primatas estão criticamente ameaçadas: o gorila-do-oriente (habitante de terras da República Democrática do Congo e de Uganda), o gorila-do-ocidente (encontrado no Gabão, em Camarões e no Congo), o orangotango-de-bornéu e o orangotango-de-sumatra (moradores da Indonésia). A população do gorila-do-oriente, o maior primata terrestre, encolheu 70% nas últimas duas décadas.

GIRAFA:

13_PL530_extincao11

O mais alto mamífero da Terra entrou para a lista dos animais ameaçados em dezembro de 2016, depois de se observar que sua população caiu 40% nos últimos 30 anos. As razões para isso incluem mudanças no seu habitat – as savanas africanas – causadas por fatores como expansão de cidades e áreas agrícolas, desmatamento e caça ilegal (a cauda desse animal é usada como bracelete e sua carne é consumida).

GUEPARDO:

13_PL530_extincao12

Segundo a Sociedade Zoológica de Londres, hoje existem na natureza cerca de 7.100 desses felinos, 50% da população de 1975. A pele e a carne do guepardo interessam aos caçadores clandestinos. Símbolos de status, os filhotes são vendidos por traficantes no Oriente Médio. Hoje, esse animal ocupa apenas 9% do seu território original na África.

RINOCERONTE-BRANCO DO NORTE:

13_PL530_extincao13

Até 1960, havia mais de 2 mil rinocerontes-brancos do norte na natureza, mas a caça clandestina – o pó de chifre do animal é remédio na medicina oriental – devastou a população. Hoje restam apenas três exemplares, duas fêmeas e um macho, em um parque nacional no Quênia.


Trabalho de formiga

Frear e reverter a perda de fauna é trabalhoso e exige persistência, mas algumas iniciativas mais recentes ou de maior repercussão indicam que dão resultado. Confira algumas dessas iniciativas a seguir.

• Mico-leão-dourado – É um dos casos mais emblemáticos no Brasil. Campanhas de conscientização com forte estratégia de divulgação e esforços em delimitar e proteger seu habitat tiraram esse pequeno primata do nível de “criticamente em perigo” nos anos 1970 (menos de 150 indivíduos na Mata Atlântica) para “em perigo” atualmente (população de 3.200).

• Arara-azul-de-lear – Essa espécie endêmica da caatinga baiana entrou para a lista dos ameaçados de extinção, com uma população de apenas 1.358 exemplares na natureza. Uma das ações para conter a perda foi repatriar um indivíduo macho apreendido na Argentina. O pássaro chegou no início de abril e, após uma quarentena, segue para criadouro em Minas Gerais, onde será agrupado com outras três fêmeas para aumentar as chances de reprodução.

• Panda gigante – Depois de atingir o nível de quase extinto, essa espécie saiu da categoria “ameaçada” para “vulnerável” após ambientalistas concentrarem esforços na expansão de florestas de bambus – seu habitat natural e essencial para a alimentação dos pandas –, além de reprodução em cativeiro.

13_PL530_extincao14


Enquanto isso, o mamute-lanoso…

13_PL530_extincao15

Desaparecido da face da Terra há cerca de 4 mil anos, o mamute-lanoso poderá estar de volta ao planeta por meio da engenharia genética, afirmam cientistas americanos. Quem está conduzindo a experiência é uma equipe da Universidade Harvard, que planeja criar um embrião híbrido no qual um elefante-asiático seja programado com características do animal desaparecido. Em palestra realizada em fevereiro, na reunião anual da Associação Americana para o Avanço da Ciência (AAAS, na sigla em inglês), George Church, líder dos pesquisadores, afirmou que sua equipe está a dois anos de atingir esse objetivo. “Nossa meta é produzir um embrião de elefante-mamute híbrido. Na verdade, seria mais como um elefante com um grande número de características de mamute”, declarou.

Os cientistas estão usando a técnica de edição genética Crispr (ver a esse respeito a matéria “DNA em obras”, em PLANETA 528, de fevereiro/março de 2017) para inserir os genes de mamute. Pelas previsões, as características mais nítidas dos mamutes no “mamufante” seriam pequenas orelhas, gordura subcutânea, pelos longos e desgrenhados e sangue adaptado ao frio. Até se chegar a ele, porém, muitos anos se passarão, advertem os pesquisadores.

COMPARTILHAR
blog comments powered by Disqus