Edição 469

    NESTA EDIÇÃO

    Uma nova geração de chips neurossinápticos, inspirados no funcionamento das sinapses neuronais, encurta o caminho para o dia em que teremos computadores capazes de aprender com a experiência.

    Dono de um vasto litoral, o Brasil começa – tardiamente – a pesquisar o leito marinho sob sua jurisdição, de olho nos recursos minerais.

    Assim como nós, humanos, e os demais animais, as plantas são seres vivos complexos que lutam pela sobrevivência. Mas por que é tão difícil incluí-las na esfera moral?

    Com a economia aquecida, o Brasil sofre com um grave déficit de engenheiros, uma profissão de futuro promissor na qual está em jogo a continuidade do desenvolvimento do país.

    Após décadas de progresso acentuado, Portugal enfrenta, desde 2008, uma das mais sérias crises econômicas de sua história.

    Israel possui uma das maiores reservas de xisto betuminoso da Terra, e a quantidade de petróleo extraível do querogênio existente nessas rochas praticamente rivaliza com a da Arábia Saudita.

    O nascimento é uma operação simples nos países com menores taxas de mortalidade e de complicações pós-parto, como Japão, Holanda, Inglaterra e Suécia.

    Criada há 40 anos pelo músico austríaco Reinhard Flatischler, a taketina utiliza a execução simultânea de vários ritmos para produzir mudanças em funções essenciais do corpo humano.

    Na costa oriental da África, Madagascar é uma ilha com fartura de recursos ecológicos singulares, mas seus habitantes estão entre os mais pobres do planeta.

    O país que abriga os Jogos Pan-Americanos de Guadalajara também é berço dos melhores corredores de megamaratonas do mundo, os índios tarahumaras.

    <b>Joias universais</b> – Com as 25 novas inserções aprovadas este ano, a Lista do Patrimônio Mundial agora inclui 936 sítios inestimáveis ao redor do planeta.

    Em uma sociedade de consumidores cada vez mais críticos e conscientes, a indústria da moda não pode ficar de fora das mudanças sociais.

    Em 21 de agosto, o fotógrafo espanhol Juan Carlos Casado tirou esta foto rara da aurora boreal em uma expedição na Groenlândia.

    COMPARTILHAR
    Notícia anteriorEdição 468
    Próxima notíciaEdição 470
    blog comments powered by Disqus