No passo dos elefantes

No extremo norte da Tailândia, na mítica região do Triângulo Dourado, PLANETA foi conhecer uma experiência de convívio harmônico entre homens e elefantes

Shutterstock

Chiang Rai é uma cidade da Tailândia perto da fronteira do país com Myanmar e Laos,­ no Sudeste da Ásia, e cortada pelo rio Mekong, o mais importante dessa região do continente. Diferentemente da vibrante Chiang Mai, segunda maior cidade tailandesa, com 2 milhões de habitantes, em Chiang Rai, a 250 km de distância, vivem menos de 200 mil pessoas e a atmosfera é bem mais rural. Chiang Mai tem um turismo muito mais desenvolvido e é um destino quase inevitável para quem viaja à Tailândia.

Já a sempre quente (a temperatura ali não raro chega aos 40°C) Chiang Rai permanece pouco conhecida e menos visitada. Mas essa situação está gradualmente mudando. Antes uma região perigosa para visitantes estrangeiros, o Triângulo Dourado – nome de uma área de 950 mil quilômetros quadrados que contém a fronteira comum entre Tailândia, Myanmar e Laos – está ficando cada vez mais conhecido no mundo como lar de elefantes.


Wat Rong Khum, o Templo Branco, uma das atrações turísticas de Chiang Rai

O Triângulo Dourado compõe uma antiga e extensa região produtora de ópio. Durante décadas, o cultivo da papoula e a produção de ópio, derivado dessa planta, movimentaram rios de dinheiro e determinaram o estilo de vida local, já que quase toda a atividade econômica girava direta ou indiretamente em torno da droga. Enquanto o governo militar de Myanmar praticamente erradicou a papoula, no Laos ela ainda é produzida aqui e ali, para consumo próprio e para o tráfico de pequenas proporções.

Na Tailândia, durante as décadas de 1950 e 60, a mãe do rei Bhumibol percorreu com o Exército centenas de comunidades tribais nas montanhas do norte, onde durante séculos se plantou a papoula, e levou aos camponeses uma mensagem alarmante: o que eles cultivavam vinha causando, para muito além das fronteiras do país, devastação e infortúnio. Era hora de abandonar tais práticas. Mas o plantio da papoula rendia muito mais dinheiro do que o milho e outros cultivos lícitos.

Em troca de estímulos econômicos e incentivos, como fornecimento de sementes, facilitação de acesso, uso e propriedade de terras e a proteção do Exército contra represálias dos produtores e traficantes da droga, a produção de ópio começou a declinar e, após muitos anos, erradicou-se a papoula da Tailândia. É fato, porém, que de alguns lugares do Triângulo Dourado continua saindo parte do ópio consumido mundo afora, embora esse volume tenha sido superado há um bom tempo pelo Afeganistão, onde o Talebã controla a produção e o tráfico.

Símbolo nacional

A Tailândia tem uma tradição milenar de manejo de elefantes, o animal símbolo do país. Ele está na mitologia, na religião, na história e no cotidiano local. É muito comum o uso desses animais para trabalho pesado e transporte, sobretudo nas áreas rurais do país.

Embora o animal seja um patrimônio nacional, pouco se faz na Tailândia para protegê-lo. Como consequência, dos cerca de 100 mil elefantes existentes em 1850 no país (naquela época denominado Reino do Sião), hoje restam apenas cerca de 3 mil vivendo livremente, nas florestas e colinas, e outros 3 mil domesticados.

As ameaças à sua sobrevivência têm origem unicamente no ser humano. Embora capturar ou prender elefantes seja crime na Tailândia, passível de dez anos de prisão, os riscos mais flagrantes são a caça clandestina, em busca de marfim e de filhotes, e o uso de elefantes para o corte ilegal de madeira ou para pedir esmola nas cidades. O desmatamento voltado para o agronegócio, a construção de represas ou estradas e a comercialização de áreas de reservas florestais também são ameaças.


No mapa, a área ocupada pelo Triângulo Dourado, no Sudeste de Ásia

Desses problemas, o mais acentuado é o dos caçadores. Eles têm invadido áreas protegidas para capturar filhotes e vendê-los ao mercado negro, que encontra clientes no crescente mercado de turismo do país. Pegar os filhotes significa abater as mães. Estima-se que um filhote de elefante seja comercializado por algo em torno de € 26 mil.

Há no país empresas-reservas em que os elefantes fazem shows para as pessoas, jogam futebol, pintam quadros e exibem sua força. Embora esses animais vivam melhor nas reservas do que antes de chegar lá, esses espetáculos parecem atrair cada vez menos gente. Não há como esquecer que, nesse aprendizado, os animais são submetidos a estresse e, inevitavelmente, sofrem para aprender.

Existem, porém, outras formas de manejo muito mais harmônicas. A mais conhecida delas ocorre nos arredores de Chiang Mai. Um hotel adquiriu ali uma área de 125 hectares, criou nela uma reserva particular e vem conduzindo uma interessante experiên­cia de manejo e convívio entre pessoas e elefantes, que fomos conhecer.

Reabilitação cuidadosa

Todos os 26 animais lá abrigados desde 2003 chegaram à reserva com históricos problemáticos e recorrentes: trabalho excessivo, desnutrição, problemas físicos e psicológicos causados por maus-tratos e abandono. Uma equipe formada por mahuts (tratadores de animais que convivem com eles durante anos), veterinários e zoólogos especializados em elefantes cuida dos animais.

Nesse processo de reabilitação, pouco a pouco os mahuts vão conquistando a confiança dos elefantes, que se tornam mais calmos e sociáveis. Há dois anos chegou à reserva uma elefanta grávida, e seu filhote, Suki, hoje com cerca de 2 anos, é a sensação do momento no local.


À esquerda, visitantes e hóspedes do hotel-reserva saem com os elefantes para um passeio matinal pelo campo; à direita, grupo de mahuts, os tratadores dos animais

A veterinária australiana Sophie Bergin, que vive há quatro anos na reserva, é a responsável pela equipe. Simpática e atenciosa, ela nos explica uma série de pormenores sobre a vida dos elefantes e fala sobre alguns espécimes que chegaram à reserva com problemas e passaram longos períodos de recuperação e adaptação.

“Elefantes que nasceram e cresceram sob manejo precisam ser manejados durante toda a vida”, comenta. “Não há como reintegrá-los à natureza deixando os animais soltos por sua própria conta, mesmo que haja fartura de alimentos, sem dispor de vastas áreas controladas. Machos disputam brutalmente grandes extensões de território e fêmeas.

Animais de origens familiares distintas, frequentemente com históricos de vida difíceis, jamais formarão um novo bando com estrutura hierárquica semelhante à de elefantes na natureza. Um macho adulto, com seu grupo de fêmeas, precisa ser constantemente apartado dos outros machos, pois não há como construir uma separação natural na área da reserva.”


À esquerda, um mahut demonstra sua familiaridade com um elefante. Ao centro, tecelã de pashmina (tipo de lã de caxemira); à direita, manuseio de ervas medicinais, na área de Chiang Rai

O trabalho é incessante. Uma vez reabilitados, os elefantes voltam a viver em grupos e a interagir, de forma monitorada, com os visitantes. Não fazem show algum, não trabalham, alimentam-se fartamente de vegetais e cana-de-açúcar e pastam livremente. Pela manhã, as pessoas vestem um uniforme leve e folgado. Seu dia de trabalho é longo, convivendo com poeira e barro e molhando-se sob um sol escaldante.

A montaria é feita diretamente na nuca do animal, sem arreios, amarrações ou incômodos assentos de madeira, comuns nos passeios turísticos de elefantes. Os mahuts conduzem o grupo calmamente pelas pastagens. Por alguns dias, os visitantes acompanham os animais e podem dar-lhes banhos de mangueira, alimentá-los e comunicar-se com eles através de alguns comandos de voz, ditos sempre em voz baixa.

Além de muito inteligentes, os elefantes possuem uma memória privilegiada. Os mahuts se comunicam com eles por meio de quase 90 diferentes comandos de voz. Conviver com esses magníficos e sensíveis animais é uma experiência decididamente marcante.

—–

Museu do ópio

O magnífico Opium Hall, um enorme museu do ópio em Chiang Rai, é um testemunho da força do antigo motor da economia local. As instalações são novas e oferecem um percurso através de um grande número de ambientes. Painéis, fotografias, esculturas, ambientes temáticos, luzes, cenários de época e audiovisuais formam um acervo amplo que proporciona aos visitantes uma interessante imersão no mundo do ópio.

—–

Laos chinês

Numa tarde, após a experiência com os elefantes, saímos de barco pelo barrento Mekong para uma incursão de poucas horas em Donsao, uma paupérrima vila do Laos coalhada de barracas com toda sorte de quinquilharias, artesanato barato e bolsas falsificadas de marcas famosas. É desconcertante a quantidade de garrafas de uma bebida amarela que eles chamam de “whiskey”, com escorpiões enormes e serpentes curtidos dentro das garrafas. Donsao, segundo soube, significa apenas “vila nº 20”, um entre diversos nomes meramente burocráticos que o governo do Laos deu a sucessivas vilas situadas às margens do Mekong. Ainda por cima, curiosamente a região é arrendada à China – então quando desembarcamos, os locais dizem, ironicamente, “welcome to China”.

COMPARTILHAR
blog comments powered by Disqus