53 novas espécies encontradas em nova “mina” de fósseis na China

Milhares de fósseis já escavados ali datam da fase de expansão da diversidade da vida na Terra conhecida como explosão Cambriana

Qingjiang: "mina" de fósseis descoberta recentemente na China. (Crédito: Dong King Fu / Science / AAAS)

Um local chamado Qingjiang, recém-descoberto na China, concentra uma enorme variedade de fósseis que remonta a 518 milhões de anos, fase de enorme expansão na diversidade da vida na Terra conhecida como Explosão Cambriana. Os 4.351 fósseis escavados até agora pertencem a 101 espécies, 53 delas novas.

Esse acúmulo de registros do passado fica perto da junção dos rios Danshui e Qingjiang, na província de Hubei, no sul do país, e oferece uma fotografia de um ecossistema radicalmente diferente de organismos que viveram nessa época.

A descoberta é comparável a outros locais impressionantes como o Burgess Shale, nas Montanhas Rochosas do Canadá; Chengjiang, também na China, e Emu Bay Shale, na Austrália. Curiosamente, apenas 8% das espécies encontradas em Qingjiang e em Chengjiang (que fica a cerca de 1 mil km a nordeste dali) são as mesmas, o que prova que a diversidade foi generalizada após a Explosão Cambriana.

Além dos fósseis bem preservados, também há organismos primitivos de corpo mole. Fluxos de sedimentos no ambiente marinho enterraram rapidamente os fósseis, e a composição do sedimento e do ambiente manteve as criaturas de tecidos moles intactas.

Entre eles estão corais, esponjas, anêmonas do mar, medusas, geleias de pente, artrópodes e pequenos invertebrados chamados dragões de lama, bem como fósseis microscópicos.

COMPARTILHAR
blog comments powered by Disqus