6 milhões de anos: Cientistas encontram as mais antigas pegadas conhecidas de hominídeos

6 milhões de anos: Cientistas encontram as mais antigas pegadas conhecidas de hominídeos
6 milhões de anos: Cientistas encontram as mais antigas pegadas conhecidas de hominídeos (Foto: Per Ahlberg Uppsala)

Cientistas confirmaram que as pegadas fossilizadas encontradas em uma praia em Creta são verdadeiras, e ainda acrescentaram que elas são ainda mais antigas do que relatado anteriormente, o que as torna a mais antiga evidência do bipedalismo em nossa ancestralidade.

Em 2017, evidências de ancestrais humanos caminhando eretos há 5,7 milhões de anos foram encontradas perto de Trachilos, Creta. A descoberta chocou os cientistas, pois levantou a possibilidade de um dos passos mais importantes na evolução humana ter ocorrido fora da África.

Partindo do princípio de que afirmações extraordinárias exigem provas extraordinárias, as pessoas questionaram se a data pode estar errada ou se as impressões podem ter sido causadas por caminhantes como os gorilas modernos. Um artigo na Scientific Reports contra-argumentou a segunda afirmação, reconhecendo a data original, mas apenas porque as pegadas foram feitas ainda mais cedo do que se pensava.

Por meio da polaridade magnética da camada em que as impressões foram encontradas e a abundância de espécies de organismos marinhos que os acompanham, o jornal estima que os rastros estão em sedimentos depositados 6,05 milhões de anos atrás.

Somente quando o material estava fresco ele seria macio o suficiente para manter as impressões com tanta clareza. Há uma pequena possibilidade de que as pegadas sejam ainda mais antigas, mas quase nenhuma de que sejam realmente mais jovens, concluíram os autores.

“As trilhas são quase 2,5 milhões de anos mais velhas do que as atribuídas ao Australopithecus afarensis (Lucy) de Laetoli, na Tanzânia”, disse o Dr. Uwe Kirscher, da Universidade de Tübingen, em um comunicado.

No entanto, isso não significa necessariamente que os hominídeos andavam eretos na Europa antes dos hominídeos na África. A espécie Orrorin tugenesis viveu no Quênia por volta da mesma época. Embora nem as pegadas nem os ossos dos pés tenham sido encontrados na região, a forma dos fêmures de Orrorin sugere que eles provavelmente andaram eretos.

A expansão temporária do Saara na época provavelmente impediu o intercâmbio entre a Europa e a maior parte da África, caso em que o andar ereto pode ter evoluído independentemente em ambos os lugares, ao invés de um semeando o outro.

Mas, se Kirscher e os coautores estiverem certos, o trabalho indica que o alcance sobre o qual as origens da bipedalidade humana estão sendo buscadas devem ser expandidas. Também diz algo sobre como nossos ancestrais fizeram a transição para a posição vertical.

“O pé humano mais antigo usado para andar ereto tinha uma bola, com um dedão do pé paralelo forte e dedos laterais sucessivamente mais curtos”, disse o co-autor, Professor Per Ahlberg, da Universidade de Uppsala. Todos são considerados traços distintivos dos hominídeos.

O macaco/hominídeo africano mais velho Sahelanthropus tchadensis foi proposto como bípede, mas os autores apontam evidências contra isso, o que tornaria as pegadas cretenses a mais antiga evidência forte de bipedalismo em nossa provável ancestralidade.

Saiba mais
+ Carolina Dieckmann pede R$ 9 milhões por mansão no Rio
+ IPVA 2022 SP: veja como consultar e pagar o imposto
+ Um gêmeo se tornou vegano, o outro comeu carne. Confira o resultado
+ Reencarnação na história: uma crença antiquíssima
+ O que se sabe sobre a flurona?
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua