A magnífica concha estrelada na Pequena Nuvem de Magalhães

No aglomerado estelar NGC 602, em uma das galáxias mais próximas da Terra, estrelas-bebês são responsáveis por uma impressionante escultura cósmica

No aglomerado estelar NGC 602, estrelas recém-formadas produzem um belíssimo espetáculo cósmico. Crédito: Nasa

Dentro do aglomerado de estrelas NGC 602, uma região de formação estelar na Pequena Nuvem de Magalhães, estrelas brilhantes, azuis e recém-formadas estão abrindo uma cavidade na nebulosa. Elas estão esculpindo a borda interna de suas porções externas, lentamente erodindo-as e corroendo o material além.

O alcance externo difuso da nebulosa evita que os fluxos energéticos fluam para longe do aglomerado. Pilares de poeira em forma de tromba de elefante apontam para as estrelas azuis quentes e são sinais reveladores de seu efeito de erosão.

A formação de estrelas começou no centro do aglomerado e se propagou para fora, com as estrelas mais jovens ainda se formando hoje ao longo das cristas de poeira.

A Pequena Nuvem de Magalhães (NGC 292) está a aproximadamente 200 mil anos-luz da Terra. É um dos vizinhos intergalácticos mais próximos da Via Láctea e um dos objetos mais distantes visíveis a olho nu.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança