A misteriosa viagem de um crânio em uma caverna na Itália

Um crânio solitário de cerca de 3500 a.C. encontrado em uma caverna no norte da Itália levou a uma investigação arqueológica inusitada

O crânio no topo do poço e Lucia Castagna, a jovem arqueóloga que o recuperou (Arquivo SABAP-BO/GSB-USB, ph. F. Grazioli). Crédito: Belcastro et al, 2021, PLOS ONE (CC-BY 4.0, creativecommons.org/licenses/by/4.0/)

Um crânio solitário acabou em uma caverna italiana depois de ser arrastado para longe de seu cemitério original. As conclusões são de um estudo de Maria Giovanna Belcastro, da Universidade de Bolonha (Itália), e colegas publicado na revista de acesso aberto “PLOS ONE”.

Em 2015, arqueólogos descobriram um crânio humano sem mandíbula inferior em uma caverna de gesso no norte da Itália chamada Marcel Loubens. As cavernas são conhecidas por terem sido usadas para práticas funerárias na Itália antiga. No entanto, o fato de não haver outros restos humanos nessa caverna levantou questões sobre como o crânio foi parar lá. Isso inspirou os pesquisadores a realizar uma análise detalhada nos ossos.

A estrutura do crânio indica que ele pertencia a uma mulher com idade entre 24 e 35 anos no momento da morte. A datação por carbono localizou os vestígios entre 3630-3380 a.C., durante a Idade do Cobre. Várias lesões nos ossos parecem ser danos causados ​​durante a remoção de tecidos moles após a morte como parte de um rito funerário. Por outro lado, outros danos e sedimentos incrustados nos ossos são evidências de que o crânio foi movido por processos naturais pouco tempo depois.

Tratamento funerário

Com essas evidências, os pesquisadores reconstruíram a jornada do crânio. Depois de ser tratado e colocado para descansar em um local de sepultamento, o crânio desse cadáver rolou, provavelmente movido por água e lama. Assim, ele desceu a encosta de um sumidouro e entrou na caverna. Mais tarde, a atividade contínua do sumidouro criou a estrutura moderna da caverna, com esse crânio ainda preservado dentro.

Além de revelar essa história fascinante, esse espécime provavelmente também representa a evidência do tratamento funerário de um cadáver na Itália durante esse período.

O crânio nas vistas frontal (a), superior (b), esquerda (c), posterior (d), inferior (e) e direita (f). As áreas salientadas indicam as zonas (AM) com as lesões na parte externa do crânio. Crédito: Belcastro et al, 2021, PLOS ONE (CC-BY 4.0, creativecommons.org/licenses/by/4.0/)

Os autores acrescentam: “Um caso de arquivo morto arqueológico intrigante: um crânio humano isolado foi encontrado na caverna natural de gesso Marcel Loubens (área de Bolonha, norte da Itália) no topo de um poço vertical, alcançado por uma escalada técnica artificial de 12 metros. Como e quando chegou lá? De quem era? (…) O cadáver (ou cabeça) de uma jovem do início da Idade do Cobre foi provavelmente manipulado e desmembrado em um contexto funerário ou ritual e o crânio, após um longo e turbulento passeio, acidentalmente acabou na caverna na posição em que foi encontrado!”

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança