Abacate desenvolve capacidade de concentração em adultos acima do peso

Ainda não se sabe ao certo qual ou quais nutrientes do abacate conseguem esse efeito

Abacate: o consumo diário ajuda pessoas com sobrepeso ou obesas a se concentrarem mais. Crédito: Charles Rondeau/Public Domain

Uma dieta que inclui o consumo diário de abacate melhora a capacidade de concentração em adultos cujas medidas de altura e peso são categorizadas como sobrepeso ou obesidade, segundo um novo estudo de 12 semanas realizado por pesquisadores da Universidade de Illinois em Urbana-Champaign (EUA). Os resultados foram publicados na revista “International Journal of Psychophysiology”.

“Trabalhos anteriores mostraram que indivíduos com sobrepeso e obesidade têm maior risco de declínio cognitivo e demência em idades mais avançadas”, disse Naiman Khan, professor de cinesiologia e saúde comunitária da universidade, que liderou o estudo. “Estamos interessados ​​em saber se as abordagens alimentares podem ter benefícios para a saúde cognitiva, especialmente na meia-idade.”

Os abacates são ricos em luteína, um componente alimentar associado a benefícios cognitivos. Embora os benefícios do consumo de abacate tenham sido estudados em adultos e crianças mais velhos, nenhum estudo controlado randomizado estudou seus efeitos cognitivos em adultos com sobrepeso ou obesidade, apesar de 70% da população adulta americana se enquadrar nessa categoria, afirmou a aluna Caitlyn Edwards, primeira autora do estudo.

LEIA TAMBÉM: Estresse intenso e estilo de vida permitem prever quanto tempo vivemos

No trabalho, os pesquisadores forneceram 12 semanas de refeições diárias para 84 adultos com sobrepeso ou obesidade. As refeições eram idênticas em calorias e macronutrientes, mas as refeições de um grupo incluíam um abacate fresco todos os dias, enquanto o grupo de controle não tinha abacate nas refeições.

Níveis de luteína

No início e no final do estudo, os participantes completaram três testes cognitivos para medir a atenção e a inibição. Além disso, os pesquisadores mediram os níveis de luteína no soro dos participantes e em suas retinas, o que está associado à concentração de luteína no cérebro.

Eles descobriram que os participantes cujas dietas incluíam abacates melhoraram seu desempenho em um dos testes cognitivos, chamado tarefa Flanker, que mede a inibição atencional – a capacidade de manter o foco na tarefa em questão, mesmo diante de distrações. No entanto, não houve diferença nos outros dois testes cognitivos.

“Pode ser que os nutrientes dos abacates tenham uma ação específica no cérebro que apoie a capacidade de realizar essa tarefa em particular, ou podem ser mais benéficos para certas habilidades cognitivas do que outras”, disse Khan. “Também é possível que, com um estudo mais longo ou com testes diferentes, possamos ver outros efeitos. Outros estudos encontraram efeitos mais amplos em outras populações, por isso é interessante ver um benefício mais específico para essa população.”

Outra descoberta inesperada foi a de que, embora os participantes que ingeriram abacate apresentavam níveis mais altos de luteína no final do estudo, as alterações nos níveis de luteína não estavam correlacionadas com as alterações cognitivas.

Benefícios cognitivos

“O abacate também é rico em fibras e gorduras monoinsaturadas. É possível que esses outros nutrientes tenham desempenhado um papel nos efeitos cognitivos que vimos, mas nos concentramos na luteína em nossas análises”, disse Edwards. “Análises futuras podem se concentrar em outros nutrientes encontrados em abacates, ou no impacto do consumo de abacate em outras medidas, como status de peso, inflamação e possíveis alterações no microbioma.”

Embora este estudo tenha se concentrado no abacate, outras fontes alimentares de luteína, fibras e gorduras insaturadas – como vegetais de folhas verdes ou ovos – também apresentam potenciais benefícios cognitivos e à saúde. Segundo os pesquisadores, seu estudo mostra que pequenas mudanças na dieta, como comer abacates, podem ter impactos mensuráveis ​​no desempenho cognitivo, mesmo quando outros comportamentos de saúde permanecem os mesmos.

“Nossa missão é dar opções às pessoas. Existem várias maneiras pelas quais as pessoas podem comer para otimizar a saúde do cérebro”, disse Khan. “O que estamos aprendendo é que o abacate pode ser uma daquelas frutas que podem ser neuroprotetoras de certas maneiras. Este trabalho fornece algumas evidências por trás de uma opção que as pessoas têm de uma infinidade de alimentos saudáveis ​​que podemos consumir.”