Abaixo o relógio: ilha norueguesa quer ser primeira zona livre do tempo

Seus 300 moradores esperam ficar livres dos tradicionais horários comerciais de funcionamento e introduzir flexibilidade nas escolas e nos turnos de trabalho

Ilha norueguesa quer ser o primeiro lugar do mundo a se ver livre do relógio durante o verão. (Crédito: Goran Mikkelsen)

Uma ilha do norte da Noruega, Sommarøy – nome que significa “Ilha de Verão” – quer se libertar das amarras do tempo convencionado pelo ser humano. Nesta ilha na região de West Tromsø, ao norte do Círculo Ártico, o sol não se põe de 18 de maio a 26 de julho, um total de 69 dias.

A vida nessa época foge completamente ao ritmo dos segundos, minutos, horas e padrões de mercado do mundo atual. “Sempre há luz do dia e agimos de acordo com isso”, diz o ilhéu Kjell Ove Hveding em um comunicado, segundo a CNN. “No meio da noite, que o povo da cidade pode chamar de ‘2 da manhã’, você pode ver crianças jogando futebol, pessoas pintando suas casas ou cortando grama, e adolescentes nadando.”

Os ilhéus esperam estar livres dos tradicionais horários comerciais de funcionamento e introduzir flexibilidade nas escolas e nos turnos de trabalho. Agora eles querem tornar oficial essa questão cultural. “Para muitos de nós, conseguir isso por escrito significaria simplesmente formalizar algo que praticamos há gerações”, afirma.

A campanha de Sommarøy para trocar seus relógios por guirlandas de flores e se declarar a primeira zona livre do tempo do mundo durante o verão já está trazendo retorno em visibilidade para a cidade no setor de turismo. A pesca e o turismo são as principais indústrias desta ilha com uma população de pouco mais de 300 pessoas.

Além disso, Hveding comenta que pescadores e mulheres locais costumam passar dias no oceano, com pouca atenção ao relógio. Já no inverno, quando o sol não aparece, os habitantes locais também vivem fora das horas convencionais, ao suportar uma longa noite polar contínua de novembro a janeiro.

Uma reunião realizada pelos moradores da cidade com a prefeitura gerou uma petição para uma zona livre de tempo, entregue em 13 de junho, por Hveding a um membro do parlamento norueguês. Na ocasião, eles também discutiram os desafios práticos e legais da iniciativa.

Os ilhéus e o conselho de turismo norueguês estão, sem dúvida, contando com mais turistas atraídos pelo apelo peculiar de um país das maravilhas nórdicas de verão sem fim. A ponte que liga a ilha com o continente já é coberta de relógios, preparando os visitantes para entrar na terra do tempo esquecido.