Abelhas usam a noite para polinizar planta e fugir de competidores

Atividade de espécies que polinizam o cambuci é maior 30 minutos antes do nascer do sol, resultado que ajuda a entender comportamento de grupo raro de abelhas

Abelha noturna da espécie Ptiloglossa latecalcarata visitando flor de cambuci (Campomanesia phaea). Crédito: Rodolfo Liporoni

A maioria das abelhas é ativa durante o dia, em condições ensolaradas. Mas cerca de 1% das espécies desses polinizadores visita flores à noite. É o caso de cinco abelhas estudadas por pesquisadores do Instituto de Biociências da USP. Elas utilizam o período antes do amanhecer para polinizar flores de cambuci, espécie frutífera da Mata Atlântica com interesse comercial no setor de alimentos. O estudo ajuda a entender quais fatores permitem que esses insetos se orientem em condições de baixa luminosidade.

O trabalho, feito em colaboração com pesquisadores da Universidade de Lund, na Suécia, e da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), está disponível gratuitamente e em inglês na página da revista científica “Scientific Reports”.

O voo noturno é uma atividade desafiadora para as abelhas. A quantidade de luz à noite chega a ser 100 milhões de vezes menor do que a disponível durante o dia, especialmente em áreas em que o céu fica escondido pela vegetação. Em um ambiente tão escuro, a visão das abelhas apresenta algumas limitações relacionadas ao funcionamento de seus olhos.

LEIA TAMBÉM: Descoberta abelha primitiva de 100 milhões de anos com pólen

Os olhos de abelhas são do tipo composto, formado por milhares de pequenas estruturas que captam a luz do ambiente, chamadas omatídeos. A luz recebida pela córnea de um omatídeo ativa apenas os fotorreceptores daquele omatídeo individual, em um arranjo de aposição. Isso gera uma imagem com alta nitidez, mas o aproveitamento da luz é baixo. Por isso, insetos com olhos desse tipo voam melhor em condições muito iluminadas.

Aproveitamento da luz

Como parte de superação desse problema, a maioria dos insetos noturnos, como mariposas e muitos besouros, têm omatídeos arranjados em superposição. Assim, a luz que entra por cada omatídeo pode ativar várias partes da camada de fotorreceptores. O resultado são imagens mais desfocadas, mas um aumento de 100 a 1.000 vezes no aproveitamento da luz disponível.

Interessados em saber como as abelhas noturnas superam esse desafio, os pesquisadores passaram dois meses em um pomar de cambuci no município de Mogi das Cruzes (SP). Entre quatro e sete horas da manhã, a equipe contou as visitas que cinco espécies de abelhas faziam às árvores e também mediu a quantidade de luz disponível no pomar, a temperatura e a umidade do ar, a velocidade do vento e a quantidade de flores de cambuci abertas em cada noite.

Espécies de abelhas noturnas que visitam flores de cambuci (Campomanesia phaea, Myrtaceae) no sudeste do Brasil. (A) Ptiloglossa latecalcarata (Colletidae); (B) Ptiloglossa sp. (Colletidae); (C) Megalopta sodalis (Halictidae); (D) Megommation insigne (Halictidae). Crédito: Rodolfo Liporoni/Scientific Reports (Creative Commons Attribution 4.0 International License)

Os resultados mostram que a luz é o principal fator que afeta a atividade das abelhas. Elas começam a visitar o cambuci mais cedo em noites mais iluminadas, como as noites claras e de lua cheia. À medida que o nascer do sol se aproxima, o número de abelhas ativas também aumenta e atinge o máximo 30 minutos antes de o sol aparecer. Depois disso, cada vez menos abelhas aparecem para visitar as flores. Aproximadamente 30 minutos depois do nascer do sol, quase todas já pararam as visitas ao cambuci.

Relógio biológico

Segundo Rodolfo Liporoni, biólogo que liderou o estudo, a explicação para esse comportamento pode passar tanto pela fisiologia quanto pela ecologia das espécies. Ele explica que as abelhas noturnas podem ter um relógio biológico interno, que indica a hora de começar e de encerrar as atividades, como acontece em outros animais, inclusive outras espécies de abelha.

Mas outra explicação passa pela vantagem de ser o primeiro a aproveitar recursos e evitar competidores. “As flores de cambuci abrem à noite, mas no começo da manhã já começam a ser visitadas por abelhas diurnas, como a [abelha] europeia Apis mellifera. Elas são espécies sociais, chegam em grande quantidade e dominam as flores, ao contrário das espécies solitárias que estudamos. Ao chegarem mais cedo, as abelhas noturnas conseguem aproveitar melhor os recursos florais, como o pólen recém-disponibilizado, e evitar a competição”, diz.

Os resultados da pesquisa são inéditos no Brasil e mostram que as abelhas noturnas dependem fortemente de uma quantidade mínima de luz para visitar as flores em busca de recurso. No caso das espécies polinizadoras do cambuci, esse limiar é alcançado mais de uma hora antes do nascer do sol. Os pesquisadores ressaltam que a ausência de efeitos de outros fatores ambientais, como temperatura e disponibilidade de flores, pode ser consequência de características da área de estudo.

Variações menos intensas

A pesquisa foi conduzida no Brasil, onde as variações de temperatura são menos intensas do que em outros países. “O crepúsculo matutino é o período do dia em que geralmente as temperaturas estão mais baixas. Nós também observamos esse padrão, mas no contexto de um país tropical as temperaturas não chegaram a ser tão baixas a ponto de limitar a atividade das abelhas, que, além disso, devem conseguir aumentar sua temperatura corporal pela vibração do tórax antes do voo”, explica Rodolfo.

Os pesquisadores ressaltam ainda que a área de estudo não reflete a distribuição da planta em ambientes naturais: o pomar representa uma condição artificial que concentra uma alta disponibilidade de pólen em uma área relativamente pequena. Rodolfo esclarece que, na Mata Atlântica, as árvores de cambuci são muito mais dispersas e a quantidade de flores disponíveis pode se revelar importante para a atividade das abelhas.

Os próximos passos da pesquisa incluem investigar outras plantas que são visitadas pelas abelhas noturnas e como esses animais integram visão e outros sentidos, como o olfato, na localização das flores. Os cientistas também pretendem analisar os ninhos encontrados no pomar de cambuci para entender como as abelhas se comportam em “sua casa” e como utilizam outros recursos florais.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança