Abelhas zangadas produzem veneno melhor

Veneno desses insetos é tratamento eficaz para doenças degenerativas e infecciosas

Abelha: até o veneno é útil para os humanos - e, se esses insetos estiverem irritados, ele funciona ainda melhor. Crédito: CC0: Public Domain

Pesquisadores da Universidade Curtin (Austrália) revelaram como fatores comportamentais e ecológicos influenciam a qualidade do veneno de abelha. Esse veneno é um produto amplamente conhecido por seu tratamento eficaz para doenças degenerativas e infecciosas, como Parkinson e osteoartrite.

O estudo analisou pela primeira vez a diversidade de proteínas no veneno de abelha produzida pela abelha ocidental no ecossistema da árvore marri, no sudoeste da Austrália. Os resultados foram publicados na revista PLOS ONE.

A pesquisadora principal, drª Daniela Scaccabarozzi, da Escola de Ciências Moleculares e da Vida da Universidade Curtin e consultora de pesquisa no ChemCentre, disse que a pesquisa seria um benefício substancial para a saúde humana e para o lucrativo negócio da apicultura, em que o veneno de abelha está sendo vendido por até US$ 300 por grama.

Potencial aumentado

“Descobrimos que existem 99 proteínas de veneno de abelha, das quais cerca de um terço foi identificada anteriormente. Quanto mais proteínas forem encontradas no veneno, maior será o potencial de qualidade e efeito”, disse a drª Scaccabarozzi.

“Para entender a diversidade de proteínas do veneno de abelha e descobrir quais condutores afetaram isso, a equipe de pesquisa multidisciplinar analisou uma série de fatores, incluindo os padrões de comportamento das abelhas”, prosseguiu ela. “Um fator comportamental interessante foi revelado pela associação entre abelhas dóceis e ativas. Curiosamente, descobrimos que as ‘abelhas zangadas’ que reagiam intensamente aos nossos dispositivos de estimulação produziam um veneno mais rico e denso em proteínas.”

“A quantidade total de veneno liberado pelas abelhas depende da secreção de feromônios de alarme que induz outras abelhas a reagir agressivamente por ferroada. Isso pode ser resultado de mudanças na genética que podem provocar agressão nas abelhas.”

Influência da temperatura

Scaccabarozzi afirmou que a equipe também confirmou que a temperatura impactou a composição proteica do veneno de abelha. “Altas temperaturas podem ser prejudiciais para a atividade das abelhas dentro e fora das colônias. Das 25 colmeias testadas, descobrimos que os locais com temperaturas mais altas registravam menor produção de veneno. Isso atendeu à nossa expectativa de que fatores sazonais causam uma mudança no perfil de proteína do veneno de abelha. O intervalo ideal para alta diversidade de proteínas varia de 33 a 36 graus Celsius.”

Outras descobertas também revelaram que a localização geográfica teve um impacto na composição do veneno das abelhas, bem como em qual estágio as flores estavam durante a colheita quando foram consumidas pelas abelhas.

Scaccabarozzi disse que novas pesquisas ajudariam os apicultores a coletar uma qualidade padronizada de veneno para atender à crescente demanda em campos clínicos e terapêuticos, bem como ajudar a projetar estratégias econômicas para a colheita de veneno de abelha para garantir sua posição no mercado global.

O veneno de abelha de abelhas domesticadas (Apis mellifera ligustica) foi coletado durante a estação de floração de Corymbia calophylla (marri) em 25 colmeias perto de Harvey, no sudoeste da Austrália.

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago