Achados no Quênia ossos de Homo erectus de quase 2 milhões de anos

Descoberta é provavelmente a primeira de ossos abaixo da cabeça desse hominídeo

Parte da pelve de um dos dois novos espécimes de hominídeo, encontrada no sítio de Turkana Oriental, no Quênia. Crédito: A. Hammond/AMNH

Um novo estudo verificou a idade e a origem de um dos espécimes mais antigos do Homo erectus – um ser humano primitivo muito bem-sucedido que vagou pelo mundo por quase 2 milhões de anos. Ao fazerem isso, os pesquisadores também encontraram dois novos espécimes no local. São provavelmente as primeiras peças de esqueleto do Homo erectus já descobertas. Os detalhes foram publicados na revista “Nature Communications”.

“O Homo erectus é o primeiro hominídeo que conhecemos que tem um plano corporal mais parecido com o nosso e parecia estar a caminho de se tornar mais humano”, disse Ashley Hammond, curadora assistente da Divisão de Antropologia do Museu Americano de História Natural (EUA) e autora principal do novo estudo. “Ele tinha membros inferiores mais longos do que membros superiores, um torso mais parecido com o nosso, uma capacidade craniana maior do que a dos hominíneos anteriores e está associado a uma indústria de ferramentas – é um hominíneo mais rápido e inteligente do que o Australopithecus e o Homo mais antigo.”

Trabalho de detetive

Em 1974, cientistas encontraram no sítio de Turkana Oriental, no Quênia, uma das evidências mais antigas de H. erectus: um pequeno fragmento de crânio que data de 1,9 milhão de anos. O espécime de Turkana Oriental só é ultrapassado em idade por um espécime de crânio de 2 milhões de anos na África do Sul. Mas alguns pesquisadores argumentaram que o espécime de Turkana Oriental pode ter vindo de um depósito fóssil mais jovem e foi possivelmente movido pela água ou pelo vento para o local onde foi encontrado. Para identificarem o lugar, os pesquisadores confiaram em materiais de arquivo e levantamentos geológicos.

Silindokuhle Mavuso (à esquerda), geólogo da Universidade de Witwatersrand, e a autora principal do estudo, Ashley Hammond, no sítio de Turkana Oriental, no Quênia. Crédito: A. Hammond/AMNH

“Foi um trabalho 100% de detetive”, disse Dan Palcu, geocientista da Universidade de São Paulo (USP) e da Universidade de Utrecht (Holanda) que coordenou o trabalho geológico. “Imagine a reinvestigação de um ‘caso arquivado’ em um filme de detetive. Tivemos de percorrer centenas de páginas de relatórios antigos e pesquisas publicadas, reavaliando as evidências iniciais e em busca de novas pistas. Também tivemos de usar dados de satélite e imagens aéreas para descobrir onde os fósseis foram descobertos, recriar a ‘cena’ e colocá-la em um contexto mais amplo para encontrar as pistas certas a fim de determinar a idade dos fósseis.”

Embora localizado em uma área de coleta de Turkana Oriental diferente da relatada inicialmente, o espécime de crânio foi encontrado em um local que não tinha evidências de um afloramento de fósseis mais novo que possa ter sofrido a ação da água. Isso apoia a idade original dada ao fóssil.

Ambiente árido

A 50 metros desse local reconstruído, os pesquisadores encontraram dois novos espécimes de hominídeo: uma pelve parcial e um osso do pé. Embora os pesquisadores digam que podem ser do mesmo indivíduo, não há como provar isso depois que os fósseis foram separados por tanto tempo. Mas podem ser os primeiros espécimes de pós-crânios (“abaixo da cabeça”) já descobertos de H. erectus.

Os cientistas também coletaram dentes fossilizados de outros tipos de vertebrados, principalmente mamíferos, da área. Do esmalte, eles coletaram e analisaram dados de isótopos para pintar uma imagem melhor do ambiente em que o indivíduo H. erectus vivia.

“Nossos novos dados de isótopos de carbono do esmalte fóssil nos dizem que os mamíferos encontrados em associação com os fósseis de Homo na área estavam todos pastando gramíneas”, disse Kevin Uno, paleoecologista do Observatório Terrestre Lamont-Doherty, da Universidade de Columbia  (EUA). “Os dados de isótopos de oxigênio do esmalte sugerem que era um habitat relativamente árido, com base em comparações com outros dados de esmalte dessa área.”

O trabalho sugere que esse H. erectus inicial foi encontrado em um paleoambiente que incluía principalmente pastores que preferiam ambientes abertos a áreas de floresta e estava perto de um corpo de água estável, como documentado por esponjas de água doce preservadas nas rochas.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança