• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Assine
Revista Planeta
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Astronomia
  • Arqueologia
  • Ciência
  • Viagem
  • Espiritualidade
  • Siga-nos:Facebook
Arqueologia02/05/2022

Adagas da Idade do Bronze indicavam status? Novo método revela que não

Adaga da Idade do bronze do acervo do Museu Arqueológico de La Valleta, em Malta: finalidade desses objetos enfim foi descoberta. Crédito: amanderson2/Flickr

02/05/22 - 11h41min

A análise de adagas da Idade do Bronze mostrou que elas eram usadas para processar carcaças de animais e não como símbolos não funcionais de identidade e status, como se pensava anteriormente.

Surgidas pela primeira vez no início do quarto milênio antes de Cristo, as adagas de liga de cobre foram difundidas na Europa da Idade do Bronze, incluindo a Grã-Bretanha e a Irlanda. No entanto, os arqueólogos há muito debatem qual era a finalidade desses objetos.

Como as adagas são frequentemente encontradas em enterros masculinos com abundância de armas, ou “sepulturas de guerreiros”, muitos pesquisadores especularam que eram principalmente objetos cerimoniais usados ​​em funerais pré-históricos para marcar a identidade e o status do falecido. Outros sugeriram que elas podem ter sido usadas ​​como armas ou ferramentas para artesanato.

No entanto, a falta de um método de análise direcionado para metais de liga de cobre, como os disponíveis para artefatos de cerâmica, pedra e conchas, deixou esse problema sem solução.

Método revolucionário

Um novo e revolucionário método, elaborado por uma equipe de pesquisa internacional liderada pela Universidade de Newcastle (Reino Unido), permitiu a primeira extração mundial de resíduos orgânicos de dez adagas de liga de cobre escavadas em 2017 em Pragatto, um assentamento da Idade do Bronze na Itália. O novo método revela, pela primeira vez, como esses objetos foram usados, para quais tarefas e em quais materiais. O estudo sobre as descobertas foi publicado na revista Scientific Reports.

A equipe do projeto, liderada pelos doutores Andrea Dolfini e Isabella Caricola, ambos da Universidade de Newcastle, desenvolveu uma técnica que usou a solução Picro-Sirius Red (PSR) para manchar resíduos orgânicos nas adagas. Os resíduos foram então observados em vários tipos de microscópios ópticos, digitais e eletrônicos de varredura. Isso permitiu que a equipe identificasse microrresíduos de colágeno e fibras ósseas, musculares e de tendões associadas, sugerindo que as adagas entraram em contato com vários tecidos animais e foram usadas para processar vários tipos de carcaças de animais. Os usos parecem ter incluído o abate de gado, o retalhamento de carcaças e a retirada da carne do osso.

A equipe do projeto então realizou experimentos abrangentes com réplicas das adagas que haviam sido criadas por um especialista em bronze. Isso mostrou que esse tipo de punhal era adequado para o processamento de carcaças de animais. Os resíduos extraídos das adagas experimentais também foram analisados ​​como parte da pesquisa e coincidiram com os observados nas adagas arqueológicas.

Segundo o professor Andrea Dolfini, catedrático de arqueologia da Universidade de Newcastle, “a pesquisa revelou que é possível extrair e caracterizar resíduos orgânicos de metais antigos, ampliando a gama de materiais que podem ser analisados ​​dessa maneira. Este é um avanço significativo já que o novo método permite a análise de uma ampla variedade de ferramentas e armas de liga de cobre de qualquer lugar do mundo. As possibilidades são infinitas, assim como as respostas que o novo método pode e fornecerá no futuro”.

Saiba mais
+ Carolina Dieckmann pede R$ 9 milhões por mansão no Rio
+ IPVA 2022 SP: veja como consultar e pagar o imposto
+ Um gêmeo se tornou vegano, o outro comeu carne. Confira o resultado
+ Reencarnação na história: uma crença antiquíssima
+ O que se sabe sobre a flurona?
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua

adaga