Agricultura dos maias indica que o Antropoceno começou antes

Criação de áreas de cultivo bem mais extensas do que se conhecia implica emissões maiores de dióxido de carbono e metano

O antigo sistema de campos pantanosos maias de Birds of Paradise e partes dos locais maias próximos de Gran Cacao (canto inferior esquerdo) e Akab Muclil (canto superior esquerdo), no noroeste de Belize. Crédito: T. Beach et al./Universidade do Texas em Austin

Evidências encontradas em Belize (América Central) mostram que os antigos maias responderam a pressões populacionais e ambientais criando recursos agrícolas maciços em áreas úmidas, o que aumentou potencialmente a emissão de dióxido de carbono (CO2) e metano por meio de eventos de queimadas e agricultura. A pesquisa, realizada pela Universidade do Texas em Austin (EUA), foi publicada na revista “Proceedings of the National Academy of Sciences”.

Estudos anteriores propuseram que a infraestrutura urbana e rural avançada dos maias alterava os ecossistemas em florestas tropicais de importância global. Mas no primeiro trabalho a combinar imagens de lidar (detecção e alcance da luz) no ar com evidências de escavação e datação em áreas úmidas, os pesquisadores descobriram que o complexo de campos úmidos de Birds of Paradise é cinco vezes maior do que o descoberto anteriormente. Eles encontraram outro complexo de campos ainda maior em Belize.

O estudo mostra que os maias tiveram “impactos antropogênicos anteriores, mais intensivos e mais abrangentes” em florestas tropicais de importância global do que se sabia anteriormente, acrescentando evidências de um Antropoceno (o período em que a atividade humana começou a afetam o meio ambiente da Terra de modo mais intenso) inicial e mais prolongado.

LEIA TAMBÉM: Nova descoberta aumenta mistério sobre a civilização maia

“Agora estamos começando a entender a impressão humana completa do Antropoceno nas florestas tropicais”, disse Tim Beach, principal autor do estudo. “Essas grandes e complexas redes de áreas úmidas podem ter mudado o clima muito antes da industrialização, e essa pode ser a resposta à questão de longa data de como uma grande civilização da floresta tropical se alimentou.”

Cultura desenvolvida

A civilização maia começou há cerca de 4 mil anos. Suas terras cobriam partes do México moderno, Guatemala, Belize, Honduras e El Salvador. Eles tinham uma agricultura desenvolvida e construíram cidades com arquitetura monumental há cerca de 2.500 anos. A cultura maia se notabilizou por seu calendário, astronomia, matemática, arte e sistema complexo de escrita.

Essa civilização entrou em colapso em grande parte no século 9, mas durou de forma reduzida até a chegada dos espanhóis, que invadiram as terras maias entre 1521 e 1697.

A equipe de pesquisadores trabalhou com imagens a laser de alta precisão que cobrem 250 quilômetros quadrados de área para mapear o terreno sob a copa das árvores da floresta pantanosa. Ali se revelaram os extensos sistemas antigos de campos e canais de zonas úmidas em Belize dos quais os maias dependiam para agricultura e comércio durante períodos de mudanças populacionais, aumento do nível do mar e seca.

Pressões ambientais

As evidências mostraram que os maias enfrentaram pressões ambientais, incluindo o aumento do nível do mar nos períodos pré-clássico e clássico (entre 3 mil e mil anos atrás) e secas durante o períodos clássico tardio/terminal e o início do período pós-clássico (entre 1.200 e 900 anos atrás). Os maias reagiram a essas pressões convertendo florestas em complexos de campos alagados e canais de escavação para gerenciar a qualidade e quantidade da água.

“Esses pântanos perenes eram muito atraentes durante as severas secas, mas os maias também tinham que ter cuidado com a qualidade da água para manter a produtividade e a saúde humana”, disse Sheryl Luzzadder-Beach, coautora do estudo.

Da mesma forma, os pesquisadores afirmam que os maias responderam a grandes mudanças na população e à demanda crescente de produção de alimentos durante o pré-clássico tardio e o início do pós-clássico (cerca de 1.800 a 1.000 anos atrás) expandindo sua rede de campos e canais em áreas acessíveis por canoa para outras áreas da civilização maia. Dentro dos campos, os pesquisadores descobriram evidências de várias espécies de alimentos antigos, como milho, bem como conchas e ossos de animais, indicando a colheita generalizada de proteínas.

Gases-estufa

Os pesquisadores levantaram a hipótese de que a expansão dos complexos de áreas úmidas adicionava gases do efeito estufa à atmosfera: CO2, por meio de queimadas, e metano, por meio da criação da agricultura em áreas úmidas. De fato, o maior aumento pré-moderno de metano, de 2 mil a mil anos atrás, coincide com o aumento das redes de áreas úmidas maias, bem como na América do Sul e na China.

“Mesmo essas pequenas mudanças podem ter aquecido o planeta, o que fornece uma perspectiva preocupante para mudanças de ordem de magnitude maiores ao longo do século passado que estão se acelerando no futuro”, disse Beach.

Os pesquisadores levantam a hipótese de que a pegada das zonas úmidas maias poderia ser ainda maior e indiscernível se fossem empregados métodos modernos para lavrar, aplainar e drenar a terra. Pesquisas adicionais sobre a região e seus arredores já estão revelando a extensão das redes de zonas úmidas e como os maias as usavam, mostrando uma imagem maior do possível papel global desse povo no início do Antropoceno.

“Compreender a subsistência agrícola é vital para entender as sociedades complexas do passado e como elas afetaram o mundo em que vivemos hoje”, disse Beach. “Nossas descobertas aumentam a evidência de impactos humanos iniciais e extensos nos trópicos globais, e hipotetizamos o aumento de dióxido de carbono atmosférico e metano da queima, preparando e mantendo esses sistemas de campo contribuídos para o Antropoceno Primitivo.”