Amazônia: desmatamento é maior do que capacidade de recuperação da floresta

Floresta secundária não consegue absorver carbono. Foto: Agência Brasil/Op VERDE BRASIL/17

Por conta do desmatamento na Amazônia, as chamadas “florestas secundárias” – que nasceram em áreas que já foram desmatadas – não são suficientes para absorver significativamente o carbono que vem do desmatamento e ajudar no controle das mudanças climáticas.

De acordo com cientistas brasileiros e britânicos, que publicaram estudo na revista científica Global Change Biology, as florestas secundárias absorvem menos de 10% do carbono emitido por conta dos desmatamentos que aconteceram nos últimos 30 anos.

Segundo a pesquisa, existem dois grandes motivos para que isso aconteça. O primeiro são as altas taxas de desmatamento que faz com que as derrubadas avancem muito mais rápido do que a capacidade de recuperação da mata. O segundo é que as florestas secundárias também acabam sendo derrubadas e mortas ainda muito jovens.

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago


COMPARTILHAR