Ambiente

Tapajós na mira

Um dos rios mais belos do país e seus afluentes correm o risco de serem barreados por 42 hidrelétricas, numa área ainda preservada da Amazônia. O governo argumenta que as usinas são a melhor opção para atender ao crescimento da demanda do país por via renovável e com baixo impacto ambiental. O plano, ainda pouco explicitado, é instalar “usinas-plataforma” construídas em outro lugar, eventualmente transportadas por helicópteros, que reduziriam o tamanho dos canteiros de obras e evitariam a atração de migrações internas. “Usina de plataforma é ficção”, diz Adalberto Veríssimo, pesquisador da ONG Imazon, para quem os projetos gerarão desmatamento e impactos negativos, inevitavelmente. A Empresa de Pesquisa Energética, vinculada ao governo, mapeou o potencial da bacia em 29.737 megawatts. O Plano Decenal de Expansão de Energia prevê a instalação de oito hidrelétricas até 2021. Mas a discussão não chegou à sociedade.

 

Área verde, mente sã

Morar próximo a áreas verdes faz bem à saúde mental, sugere um estudo feito pela Universidade de Exeter (Reino Unido). Os pesquisadores observaram 12 mil pessoas, entre 1991 e 2008, e perceberam que quem morava mais perto de zonas arborizadas em áreas urbanas era “mais feliz”. Pessoas que se mudaram para perto ou se afastaram de regiões verdes revelaram mudanças de comportamento. Quanto mais próximo de bosques e parques, menor eram os níveis de fadiga mental e maiores os índices de bem-estar físico e de satisfação com a vida. Os cientistas compararam essa felicidade às sensações de estar empregado ou casado. Alguns casamentos podem ser infelizes, mas, em geral, o efeito é benigno, indicam vários estudos. A expectativa da equipe que conduziu a pesquisa é que a descoberta influencie as políticas públicas, antes tarde do que nunca.

 

Empresas + verdes

Biosev

Empresa do grupo Louis Dreyfus, a Biosev inaugurou uma usina termelétrica movida a bagaço de cana-de-açúcar, em Mato Grosso. A Usina Passa Tempo, localizada em Rio Brilhante, gera 50 MW de energia, o suficiente para abastecer uma cidade de 300 mil habitantes, utilizando cana- de-açúcar renovável.

Braskem

Braskem e Tetrapak vão produzir embalagens cartonadas com plástico verde. O polietileno de baixa densidade produzido pela petroquímica usa etanol feito de cana-de-açúcar. A Tetrapak vai utilizar o plástico ecológico em 100% de suas embalagens em 2015. Na prática, serão 13 bilhões de recipientes com 82% dos materiais de fontes renováveis.

COMPARTILHAR