• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Assine
Revista Planeta
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Astronomia
  • Arqueologia
  • Ciência
  • Viagem
  • Espiritualidade
  • Siga-nos:Facebook
Ciência27/06/2022

Amigos à primeira cheirada: pessoas são atraídas por quem cheira como elas

Crédito: Pxfuel

27/06/22 - 09h52min - Atualizado em 27/06/22 - 09h53min

Pesquisadores do Instituto de Ciências Weizmann (Israel) descobriram que as pessoas podem ter uma tendência a fazer amizade com indivíduos que têm um odor corporal semelhante. Os pesquisadores foram capazes de prever a qualidade das interações sociais entre completos estranhos, primeiramente “cheirando-os” com um dispositivo conhecido como nariz eletrônico, ou eNose.

Essas descobertas, publicadas na revista Science Advances, sugerem que o olfato pode desempenhar um papel maior nas interações sociais humanas do que se pensava anteriormente.

Qualquer um que já tenha passeado com um cachorro sabe que ele geralmente pode dizer a alguma distância se um cachorro que se aproxima é amigo ou inimigo. Em caso de dúvida, ao se encontrarem, os dois cães podem se cheirar cuidadosa e explicitamente antes de decidir se vão mergulhar em uma sessão de brincadeiras ou em uma guerra total.

Comparações subliminares

Esse papel dominante desempenhado pelo olfato nas interações sociais foi amplamente documentado em todos os mamíferos terrestres, exceto nos humanos. Isso ocorre porque os humanos não usam seus narizes em ambientes sociais como todos os outros mamíferos terrestres fazem? Ou esse comportamento é encoberto, em vez de aberto, em humanos?

Inbal Ravreby, graduanda no laboratório do professor Noam Sobel no Departamento de Ciências do Cérebro do Instituto de Ciências Weizmann, levantou a hipótese de que a última alternativa é o caso. Ela se baseou em duas observações anteriores.

Em primeiro lugar, várias linhas de evidência sugerem que os humanos estão constantemente, embora na maior parte das vezes inconscientemente, cheirando a si mesmos. Em segundo lugar, os humanos muitas vezes cheiram subconscientemente outras pessoas. Além disso, sabe-se que as pessoas tendem a se tornar amigas de outras que se assemelham a si mesmas em aparência, formação, valores e até em medidas como atividade cerebral. Ravreby levantou a hipótese de que, ao cheirar subconscientemente a si mesmas e aos outros, as pessoas podem estar fazendo comparações subliminares e que podem gravitar em direção àqueles cujo cheiro é semelhante ao seu.

Para testar sua hipótese, Ravreby recrutou pares de “amigos de cliques”: amigos não românticos do mesmo sexo cujas amizades haviam se formado muito rapidamente. Ela levantou a hipótese de que, como essas amizades surgem antes de um conhecimento profundo, elas podem ser particularmente influenciadas por traços fisiológicos, como o odor corporal.

Causa ou consequência

Ela então coletou amostras de odor corporal desses amigos e conduziu dois conjuntos de experimentos para comparar as amostras com as coletadas de pares aleatórios de indivíduos. Em um conjunto de experimentos, ela realizou a comparação usando o eNose, que avaliou as assinaturas químicas dos odores. No outro, ela pediu a voluntários que cheirassem os dois grupos de amostras de odor corporal para avaliar as semelhanças medidas pela percepção humana.

Em ambos os tipos de experimentos, descobriu-se que os amigos de cliques cheiravam significativamente mais parecidos uns com os outros do que os indivíduos nos pares aleatórios.

Em seguida, Ravreby quis descartar a possibilidade de que a semelhança do odor corporal fosse uma consequência de amizades de cliques, em vez de uma causa contribuinte.

Por exemplo, e se os amigos tivessem um cheiro semelhante porque comeram os mesmos tipos de comida ou compartilharam outras experiências de vida que influenciam o odor corporal? Para resolver esse problema, Ravreby realizou um conjunto adicional de experimentos, nos quais usou um eNose para “cheirar” vários voluntários que eram completos estranhos um para o outro e, em seguida, pediu-lhes que se envolvessem em interações sociais não verbais em pares. Após cada interação estruturada, os participantes avaliaram o outro indivíduo em termos de quanto gostavam dessa pessoa e qual a probabilidade de se tornarem amigos.

Química na química social

Análises subsequentes revelaram que os indivíduos que tiveram interações mais positivas de fato cheiravam mais uns aos outros, conforme determinado pelo eNose. De fato, quando Ravreby e o estatístico dr. Kobi Snitz inseriram os dados em um modelo computacional, puderam prever com 71% de precisão que dois indivíduos teriam uma interação social positiva, com base apenas nos dados do eNose. Em outras palavras, o odor corporal parece conter informações que podem prever a qualidade das interações sociais entre estranhos.

“Esses resultados implicam que, como diz o ditado, há química na química social”, conclui Ravreby.

Sobel foi cauteloso quanto aos resultados: “Isso não quer dizer que agimos como cabras ou musaranhos – os humanos provavelmente confiam em outras pistas muito mais dominantes em sua tomada de decisão social. No entanto, os resultados de nosso estudo sugerem que nosso nariz desempenha um papel maior do que se pensava anteriormente em nossa escolha de amigos”.

Saiba mais

+ CPF do remetente deverá constar nas encomendas enviadas pelos Correios
+ Por que Saturno é tão temido?
+ Astrônomos chegam a consenso sobre a idade do universo
+ Fã ‘faz diagnóstico’ de hérnia em Rafa Kalimann, que confirma
+ Corpo de responsável por câmeras de clube onde petista foi assassinado é encontrado no Paraná
+ Por que Saturno é tão temido?
+ Veja objetos, símbolos e amuletos que atraem riqueza
+ Anitta conta o que a levou a fazer tatuagem no ânus
+ Ancestral humano desconhecido deixou pegadas estranhas na África


amizade