Antártida: 200 anos de descoberta – e devastação

A descoberta do continente gelado, em novembro de 1820, significou também uma sentença de extermínio maciço de focas e baleias

Foca da região antártica na Geórgia do Sul: esses animais passaram s ser objeto de uma caça indiscriminada logo após a descoberta da Antártida. Crédito: Liam Quinn/Wikimedia

Duzentos anos atrás, em 17 de novembro, o capitão do navio de Connecticut (EUA) Nathaniel Palmer avistou o continente antártico, uma das três partes a fazer isso em 1820. Ao contrário dos exploradores Edward Bransfield e Fabian von Bellingshausen, Palmer era um caçador que rapidamente viu uma oportunidade econômica nas ricas áreas de focas na Península Antártica.

Nos dois séculos seguintes, a Antártida viu uma série de desenvolvimentos comerciais, científicos e diplomáticos. Enquanto alguns países tentaram reivindicar território no continente na primeira metade do século 20, hoje a região é governada pelo Sistema Internacional do Tratado da Antártida.

Embora o tratado afirme governar a Antártida no interesse de toda a “humanidade”, alguns países obtiveram maiores benefícios da região do que outros. Embora a mineração esteja atualmente proibida pelo Tratado da Antártida e os dias da caça a baleias e focas tenham acabado, os recursos vivos marinhos da Antártida ainda estão sendo explorados até hoje.

LEIA TAMBÉM:

Pele e gordura

Palmer foi seguido por uma corrida de outros navios de caçadores, principalmente dos Estados Unidos e da Grã-Bretanha, que metodicamente mataram focas ao longo das praias da Antártida, levando rapidamente as populações à beira da extinção. A pele de foca foi usada para roupas nos séculos 18 e 19 em muitas partes do mundo e foi uma parte importante do comércio dos EUA e da Europa com a China no século 19.

A foca tinha uma qualidade econômica real de expansão e contração. Uma vez que uma região era escolhida e explorada, os caçadores se moviam para terrenos mais férteis. Antes de 1833, pelo menos 7 milhões de focas foram mortas na Antártida e na região subantártica. Já em 1829, o naturalista britânico James Eights lamentou a perda do lobo-marinho na Península Antártica: “Este belo animalzinho já foi mais numeroso aqui”.

“O Açougueiro Antártico”, pintura de Standish Backus, 1956. Crédito: US Naval Art Collection

Elefantes-marinhos também eram caçados, mas por sua gordura, que podia ser convertida em óleo. Não era difícil para os caçadores conduzi-los até as praias, atirar lanças no coração (ou, mais tarde, no crânio), drenar seu sangue e remover sua gordura. “Deixamos as coisas mortas, cruas e carnudas, jogadas na praia”, disse um caçador. Os pássaros limpariam os esqueletos em poucos dias.

A caça de focas diminuiu rapidamente na década de 1960, devido a uma mistura de sentimentos culturais em evolução e disponibilidade em constante mudança de outros materiais, como plásticos, que poderiam ser transformados em roupas sintéticas quentes, e lubrificantes à base de petróleo.

Mudança de atitude

A transmissão de imagens mostrando focas canadenses no início dos anos 1960 escandalizou os cidadãos norte-americanos e europeus e provocou uma rápida mudança nas atitudes em relação a esses animais. A Convenção para a Conservação das Focas da Antártida foi assinada em 1972, regulamentando o abate em grande escala de focas para todas as nações da região. Hoje, a população de focas se recuperou, com uma colônia de mais de 5 milhões apenas na Geórgia do Sul, embora os números tenham diminuído desde 2000. Os elefantes-marinhos também se recuperaram amplamente, com uma população estável estimada de 650 mil desde meados da década de 1990.

Os locais de caça às baleias na Antártida eram tão ricos que atraíram frotas de muitas nações. Primeiramente vieram as empresas norueguesas e britânicas, a que se juntaram posteriormente outras da Alemanha, Rússia, Holanda e Japão. A caça à baleia ocorreu no Oceano Antártico no século 19, mas foi somente na primeira metade do século 20 que as baleias foram caçadas até quase a extinção lá.

No século 19, o óleo de baleia era usado principalmente como combustível para lâmpadas. Mas depois de 1910, novos usos foram encontrados para o óleo, incluindo lubrificantes industriais e gorduras comestíveis.

A caça às baleias tornou-se extremamente lucrativa para um pequeno grupo de empresas, incluindo a Unilever, cujas primeiras fortunas foram construídas com margarina feita com óleo de baleia.

Restos de estação baleeira nas Ilhas Shetland do Sul, perto da Península Antártica. Crédito: Liam Quinn/Wikimedia
Água vermelho-sangue

No início, as baleias mortas no mar tinham de ser levadas a uma estação costeira para serem processadas. Em 1925, um observador escreveu: “Que fedor terrível é… A água em que as baleias flutuam, e na qual nós também navegamos, é vermelho-sangue”. A partir do final da década de 1920, essas estações costeiras foram substituídas por estações baleeiras pelágicas, onde as baleias eram processadas com mais eficiência em navios-fábrica no mar.

Em 1946, alguns esforços internacionais foram feitos para proteger as baleias. O objetivo da Comissão Baleeira Internacional, criada naquele ano, era “providenciar a conservação adequada dos estoques de baleias e, assim, tornar possível o desenvolvimento ordenado da indústria baleeira”.

Mas, novamente na década de 1960, as atitudes públicas em relação às baleias, assim como às focas, começaram a mudar quando os ambientalistas revelaram que eram criaturas altamente inteligentes e sociáveis ​​que cantavam nas profundezas dos oceanos. A maioria das nações cessou a caça à baleia na Antártida no final da década de 1960 – por causa dessa consciência e também porque havia alternativas baratas aos produtos da baleia.

Pesca

A rica vida marinha da Antártida continua a ser explorada hoje. O krill e o bacalhau antártico começaram a ser pescados na década de 1970.

O krill, um pequeno crustáceo semelhante ao camarão, é usado em suplementos nutricionais e alimentos para animais de estimação. Noruega, China, Coreia do Sul e Chile são seus maiores coletores . O bacalhau antártico, que é comercializado como robalo chileno, está nos cardápios em todo o mundo.

Desde 1982, a Comissão para a Conservação dos Recursos Vivos Marinhos Antárticos administra esses pescados com o objetivo primordial de manter todo o ecossistema. Baleias, focas, pássaros e outros peixes dependem do krill, o que os torna essenciais para o ecossistema marinho da Antártida.

Embora o krill e o bacalhau antártico sejam abundantes no continente, não está claro o quanto a redução do gelo marinho e as mudanças nos padrões de migração dos predadores que se alimentam dessas espécies estão afetando suas populações.

Estabilidade ecológica minada

Histórica e atualmente, apenas um pequeno número de pessoas lucrou com os recursos vivos da Antártida, à custa das populações animais. Mesmo que a coleta sustentável seja possível agora, as mudanças climáticas estão minando rapidamente a estabilidade ecológica da Antártida.

Embora as principais campanhas ambientais tentem aumentar a conscientização sobre a fragilidade da Antártida, a maioria dos consumidores de seus produtos provavelmente nem conhece sua procedência. As populações de baleias e focas continuam a se recuperar da superexploração do passado. No entanto, os impactos futuros das práticas atuais de pesca e das mudanças climáticas são incertos.

 

* Daniella McCahey é professora assistente de História na Texas Tech University (EUA); Alessandro Antonello é pesquisador sênior em História na Universidade Flinders (Austrália).

** Este artigo foi republicado do site The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original aqui.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança