• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Assine
Revista Planeta
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Astronomia
  • Arqueologia
  • Ciência
  • Viagem
  • Espiritualidade
  • Siga-nos:Facebook
Arqueologia23/06/2022

Antes de se tornarem comida humana, galinhas eram consideradas animais exóticos

Um galo moderno com plumagem diferenciada. Crédito: Robert May, https://robertmay.photography/; foto fornecida pelas autoras

23/06/22 - 13h31min

Há mais galinhas do que qualquer outra espécie de ave no planeta. Com três galinhas para cada ser humano, elas são um alimento básico para milhões de pessoas em todo o mundo. Mas uma nova pesquisa mostra que as galinhas foram domesticadas há relativamente pouco tempo e já foram reverenciadas.

A questão de onde as galinhas vêm e como os humanos interagiram com elas ao longo do tempo nos iludiu por décadas, até agora. Para muitas pessoas, é difícil pensar nas galinhas como outra coisa que não seja comida. Mas dois novos estudos estão mudando nossa compreensão das relações homem-galinha.

Amostras antigas e modernas. Crédito: Jonathan Rees/Universidade de Cardiff, foto fornecida pelas autoras

Chegada recente

Um de nossos novos estudos datou por radiocarbono ossos de 23 das supostamente mais antigas galinhas encontradas na Europa e noroeste da África, para testar sua idade. Ao confirmar quais galinhas são realmente antigas, temos uma visão mais clara de quando elas chegaram a essas áreas e como as pessoas interagiram com elas. Apenas cinco espécimes correspondiam às datas que os arqueólogos lhes haviam atribuído anteriormente. Os outros 18 eram muito mais recentes do que se pensava anteriormente, às vezes em milhares de anos.

Hipóteses anteriores, que baseavam suas datas em pistas contextuais, como onde esses ossos estavam localizados e com quais outros artefatos foram encontrados, sugeriam que as galinhas estavam presentes na Europa até 7 mil anos atrás. Mas nossos resultados mostram que elas não foram introduzidos até cerca de 800 a.C. (2.800 anos atrás). Isso revela que as galinhas tiveram uma chegada bastante recente à Europa, em comparação com o gado doméstico, porcos e ovelhas que chegaram à Grã-Bretanha há cerca de 6 mil anos. A nova datação também sugere que em muitos locais houve um lapso de tempo de várias centenas de anos desde que as galinhas foram introduzidas pela primeira vez em uma área, até que elas realmente fossem consideradas comida.

Muitas das primeiras galinhas identificadas por nossa datação por radiocarbono são esqueletos completos ou quase completos. Na Grã-Bretanha, nenhum dos esqueletos mais antigos mostra evidências de que foram massacrados para consumo humano. Eram muitas vezes animais mais velhos, enterrados sozinhos em covas. Um espécime ainda tinha uma fratura na perna bem curada, indicando cuidados humanos. Ela também era capaz de botar ovos: ela possuía uma substância chamada osso medular dentro de seu esqueleto, que é formada durante a produção de ovos.

Ossos de esqueleto de galinha da Idade do Ferro de Weston Down, Inglaterra. Crédito: Julia Best e Grace Clark

Espécie exótica

Essas pistas sugerem que, em vez de serem considerados uma fonte de alimento, essas primeiras chegadas ao norte da Europa provavelmente eram consideradas espécies exóticas, particularmente devido ao pequeno tamanho da população na época.

Em alguns locais, logo após a introdução das galinhas, nós as encontramos enterradas com humanos. Uma nova pesquisa sobre os enterros britânicos da Idade do Ferro e romanos que continham galinhas indica que esses ritos funerários eram frequentemente de gênero: homens eram enterrados com galos e mulheres, com galinhas. As galinhas podem ter sido incluídas em sepulturas humanas como “psicopompos”, cujo papel era levar as almas humanas à vida após a morte. Tal papel estaria de acordo com sua associação com Mercúrio (o deus romano da comunicação e das viagens). Grandes quantidades de galos foram sacrificadas a Mercúrio em templos como Uley, Gloucestershire. Em outros casos, as galinhas nas sepulturas eram uma oferenda de comida. Essa é uma prática que se tornou mais comum na Grã-Bretanha durante o período romano.

É claro que as relações homem-galinha eram complexas e sobre mais do que apenas comida por algum tempo, mesmo depois que começaram a se aventurar na mesa de jantar.

Então, de onde vieram esses pássaros especiais?

Da selva para os campos

Análises recentes de DNA confirmaram que as galinhas foram domesticadas a partir de uma subespécie de ave selvagem chamada Gallus gallus spadiceus, que vivia no sul ou sudeste da Ásia. Isso implicaria que as galinhas foram domesticadas dentro dessa ampla região.

Até agora, havia três hipóteses principais sobre localização e tempo. O primeiro coloca a domesticação há cerca de 4 mil anos no Vale do Indo. O segundo argumenta que aconteceu no sudeste da Ásia há mais de 8 mil anos. O terceiro vê suas origens no norte da China há 10 mil anos.

Mas essas teorias não levam em conta fatores cruciais. Estes incluem: incertezas de datação, semelhanças esqueléticas entre galinhas e outras espécies selvagens locais e o contexto cultural e ambiental mais amplo.

No segundo novo estudo, nossa equipe reavaliou a identificação da espécie, o status doméstico e a datação dos ossos de galinha mais antigos relatados em mais de 600 sítios arqueológicos em 89 países, em quatro continentes. Descobrimos que todas as três hipóteses estão erradas. Os ossos mais antigos agora atribuídos com confiança a galinhas domésticas vêm do sítio neolítico de Ban Non Wat, no centro da Tailândia, e datam de cerca de 3.500 anos atrás – muito mais tarde do que se pensava anteriormente.

Galo refazendo os passos de seu ancestral, o galo vermelho. Crédito: Nikolas Noonan/ Unsplash.com, foto fornecida pelas autoras

Aproximação pelo arroz

Embora permaneça a incerteza sobre por que as galinhas foram domesticadas, uma coisa parece ter aproximado esses animais e as pessoas: o arroz. A introdução do cultivo de arroz seco no centro da Tailândia coincide com a data dos restos de frango mais antigos. Isso sugere que o novo tipo de agricultura pode ter sido um catalisador para o processo de domesticação.

A limpeza da selva para o cultivo de cereais teria criado um ambiente confortável para as aves silvestres vermelhas. Simultaneamente, o arroz recém-cultivado, juntamente com o milheto, teria atraído as aves selvagens das florestas para um contato próximo com os humanos, desencadeando o processo de domesticação, após o qual suas descendentes se dispersaram pelo mundo com as sociedades humanas.

* Julia Best é professora de arqueologia na Universidade de Cardiff (Reino Unido); Ophélie Lebrasseur é pesquisadora na Universidade de Toulouse III – Paul Sabatier (França).

** Este artigo foi republicado do site The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original aqui.

Saiba mais
+ Carolina Dieckmann pede R$ 9 milhões por mansão no Rio
+ IPVA 2022 SP: veja como consultar e pagar o imposto
+ Um gêmeo se tornou vegano, o outro comeu carne. Confira o resultado
+ Reencarnação na história: uma crença antiquíssima
+ O que se sabe sobre a flurona?
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua

alimento