• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Assine
Revista Planeta
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Astronomia
  • Arqueologia
  • Ciência
  • Viagem
  • Espiritualidade
  • Siga-nos:Facebook
Arqueologia24/06/2022

Antigos egípcios estavam preocupados com mais do que apenas a morte

Crédito: Pixabay/CC0 Public Domain

24/06/22 - 08h57min

Quando pensamos no Egito antigo, as primeiras coisas que vêm à mente são geralmente múmias e sarcófagos. Segundo a pesquisadora e curadora do Rijksmuseum van Oudheden (museu arqueológico nacional da Holanda), Lara Weiss, essa impressão é injustificada. Ela fez uma turnê de áudio para o Rijksmuseum van Oudheden que se concentra em egípcios vivos e sua relação com a morte e os mortos.

“Se você investe tanto tempo e esforço para poder viver na vida após a morte, isso é um sinal claro de que você tem um apreço real pela vida”, disse Weiss. “O fato de sempre falarmos sobre a morte no antigo Egito se deve principalmente à forma como as coleções surgiram.”

Weiss preferiria se concentrar nas vidas dos antigos egípcios, mas mesmo no caso dela, a morte nunca está longe. Seu projeto VIDI (visita autoguiada), The Walking Dead at Saqqara, é centrado na vida e nos rituais da Cidade Egípcia dos Mortos, Saqqara.

“Por causa de filmes como A Múmia, há uma concepção errada de que lá é muito assustador ou estranho, mas os antigos egípcios eram realmente muito pragmáticos. Eles levariam um ‘recibo’ para o túmulo para garantir que o pagamento por sua passagem para a vida após a morte fosse tranquilo ou seria prova de que seus servos foram pagos por seu trabalho duro. Esse ‘recibo’ não era escrito em um pedaço de papiro, mas era permanentemente esculpido em uma das paredes da câmara funerária”, explicou ela.

Conexão dos mortos aos vivos

Esses tipos de representações permitem que os pesquisadores modernos mapeiem como era o funeral dessas pessoas. “A maioria dos falecidos tem uma representação de uma procissão de bens funerários entrando na tumba, por exemplo”, afirmou Weiss, “mas você pode ver a maioria das diferenças em que tipo de detalhes foram escolhidos para retratar. Um retrata apenas pessoas anônimas, enquanto o outro mostra sua esposa ou servos. A escolha de quem é representado diz algo sobre a pessoa que fez essa escolha (ou seja, o dono do túmulo), mas também sobre suas redes e ambiente social.”

Weiss traduziu essas descobertas em um tour de áudio para o Rijksmuseum van Oudheden. “Um projeto VIDI e um tour de áudio obviamente têm públicos-alvo muito diferentes”, disse ela. “Um tour de áudio requer muito mais informações básicas do que uma publicação acadêmica, e fiz um esforço para apresentar um ponto de vista diferente do habitual sobre a coleção do Antigo Egito do museu.”

É por isso que o passeio não para na frente das múmias. Em vez disso, o ouvinte é obrigado a parar diante de peças que conectam os mortos aos vivos, como uma carta aos mortos e um pássaro Ba, que simboliza a alma do falecido. O Ba pode sair do túmulo durante o dia e visitar seus parentes, por exemplo.

“Um tour de áudio é uma maneira maravilhosa de desafiar os visitantes a olhar para os pequenos detalhes dos objetos. Quem você vê? O que eles estão fazendo? Qual é a relação deles? Não posso apresentar todas as pesquisas que fiz no museu, mas espero que as pessoas percebam que os falecidos fizeram escolhas que são únicas para cada indivíduo. Na época em que tal tumba estava sendo construída, você ainda teria cerca de dez, vinte anos de vida. Você poderia fazer mais e mais bonito, semelhante à forma como as pessoas compram e decoram suas casas hoje. É uma forma de expressão da vida e identidade de uma pessoa, e às vezes talvez também uma forma de competir com seus vizinhos”, concluiu Weiss.

Saiba mais

+ CPF do remetente deverá constar nas encomendas enviadas pelos Correios
+ Por que Saturno é tão temido?
+ Astrônomos chegam a consenso sobre a idade do universo
+ Fã ‘faz diagnóstico’ de hérnia em Rafa Kalimann, que confirma
+ Corpo de responsável por câmeras de clube onde petista foi assassinado é encontrado no Paraná
+ Por que Saturno é tão temido?
+ Veja objetos, símbolos e amuletos que atraem riqueza
+ Anitta conta o que a levou a fazer tatuagem no ânus
+ Ancestral humano desconhecido deixou pegadas estranhas na África


cidade