Apoio essencial

Nos bastidores dos Jogos do Rio, 50 mil anônimos doarão seu tempo e trabalho em troca de fazer parte dessa ocasião

Divulgação
Parte dos voluntários que atuará nos Jogos também trabalhará nas Paraolimpíadas

13_PL514_OLIMPIADA6Além de cerca de 10 mil atletas que disputarão os Jogos, 50 mil voluntários estarão suando a camisa para fazer o evento acontecer. Sem esse exército, o público e a imprensa ficariam perdidos, as delegações não chegariam ao destino correto, as quadras não estariam sempre secas, as bolas não voltariam rapidamente às mãos dos esportistas nem as bandeiras seriam levantadas no momento do pódio.

“A importância dos voluntários para a Olimpíada é tanta quanto a dos atletas. E os atletas reconhecem essa contribuição”, afirma Flávia Fontes, gerente-geral do Programa de Voluntários. Os 50 mil selecionados saíram de uma lista de mais de 240 mil anônimos inscritos desde 2014. Até abril, eles receberão por e-mail as cartas-convite com a escala de trabalho. A partir daí, serão treinados nas oito áreas de atuação: atendimento ao público, transportes, protocolo e idiomas, apoio operacional, imprensa e comunicação, esportes, serviços de saúde e tecnologia.

10_PL517_Olimpiadas2

Parte dos que trabalharão nas Olimpíadas também atuará nas Paraolimpíadas. Só não entra na conta o elenco de performance das cerimônias de abertura e encerramento. As tarefas dos voluntários já foram executadas no passado por soldados, escoteiros e até membros da juventude nazista. A Olimpíada de Helsinque, em 1952, foi a primeira a contar com esse tipo de apoio: cerca de 2 mil civis. O formato, porém, só ganhou grandes proporções em Barcelona (1992), vindo a se tornar essencial para a realização dos Jogos. Em Londres 2012, 70 mil voluntários trabalharam.

No caso brasileiro, muitos voluntários precisam investir na hospedagem: o Comitê Olímpico Brasileiro (COB) não cobre despesas nessa área, mas oferece alimentação e transporte público nos dias trabalhados. Quem aceita essas condições recebe um kit completo de uniforme de trabalho e um curso de inglês online, estimado em R$ 2,5 mil. “Quem está envolvido nisso é porque ama esporte ou faz voluntariado por esporte”, avalia Flávia. Sem direito a conquistar medalha, o grande prêmio para eles é participar desse momento.10_PL517_Olimpiadas3

COMPARTILHAR