• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Assine
Revista Planeta
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Astronomia
  • Arqueologia
  • Ciência
  • Viagem
  • Espiritualidade
  • Siga-nos:Facebook
Ciência25/01/2022

Após três anos em queda, casos de mordidas de tubarão voltam a subir

Tubarão-branco: uma das espécies que podem causar a morte de humanos em seus ataques. Crédito: Terry Goss/Wikimedia Commons

25/01/22 - 07h46min - Atualizado em 25/01/22 - 07h48min

Após três anos consecutivos de declínio em todo o mundo, o número de mordidas de tubarão em humanos aumentou em 2021, com um total de 73 incidentes não provocados. Os dados, publicados esta semana pelo Arquivo Internacional de Ataques de Tubarões (Isaf) do Museu de História Natural da Flórida, nos EUA, também incluem 39 mordidas de tubarão provocadas e nove mortes que ocorreram ao longo do ano.

O número de mordidas não provocadas em 2021 está alinhado com a média global de cinco anos de 72 por ano, mas contrasta fortemente com as 52 mordidas confirmadas registradas em 2020, que foi o número mais baixo documentado em mais de uma década. Embora a causa exata da reversão não seja clara, o gerente do Isaf, Tyler Bowling, atribui uma parte da tendência ao fechamento de praias associado às restrições da covid-19.

Impacto da pandemia

“As mordidas de tubarão caíram drasticamente em 2020 devido à pandemia. O ano passado foi muito mais típico, com números médios de mordidas de uma variedade de espécies e mortes causadas por tubarões-brancos, tubarões-touro e tubarões-tigre”, disse Bowling.

O número de encontros fatais não provocados com tubarões também permaneceu alto em 2021, com a maioria ocorrendo no Pacífico Sul. Houve seis mortes confirmadas na Austrália, Nova Caledônia e Nova Zelândia, enquanto incidentes únicos ocorreram na África do Sul, Brasil e Estados Unidos. Os grandes tubarões-brancos (Carcharodon carcharias) foram caracteristicamente os principais culpados por mortes não provocadas.

Enquanto o Isaf investiga todas as mordidas de tubarão relatadas, ele enfatiza aquelas que não foram provocadas, que são definidas como incidentes que ocorreram no habitat natural do tubarão sem provocação humana. Isso ajuda os pesquisadores a entender o comportamento natural dos animais, o que pode colaborar no desenvolvimento de medidas de mitigação.

Números num piscar de olhos

Os Estados Unidos continuam a liderar o mundo no número anual de mordidas de tubarão, com um total de 47 em 2021, representando 64% dos casos globais. Destes, todos, exceto cinco, ocorreram ao longo da costa atlântica.

Como nos anos anteriores, a Austrália teve o segundo maior número de mordidas globalmente, com 12 no total, representando uma queda em relação à média global de cinco anos de 16 mordidas. A Austrália também teve três mortes, que, embora abaixo das seis do ano passado, ainda foram a contagem mais alta de qualquer país em 2021. Brasil e Nova Zelândia tiveram três mordidas cada, enquanto Canadá, Equador e São Cristóvão e Nevis seguiram com um único incidente.

As mordidas de tubarão foram retomadas na África do Sul em 2021, após zero incidente relatado no ano anterior. Acredita-se que os grandes tubarões-brancos sejam comuns na costa da Cidade do Cabo, mas depois que um grupo de orcas (Orcinus orca), conhecido por atacar tubarões, migrou para a região em 2017, os avistamentos de tubarões-brancos tornaram-se raros ali.

Relatos irregulares

“Não sabemos com que frequência as orcas matam tubarões-brancos, mas quando o fazem, parecem ter preferência pelo fígado oleoso e deixam o resto. A partir de 2021, no entanto, os tubarões-brancos parecem ter migrado para o leste, e são agora mais vistos ao longo da Costa Selvagem da África do Sul”, disse Bowling. Como resultado, três mordidas de tubarão foram relatadas no país em 2021, uma das quais foi fatal.

Apesar da flexibilização das restrições de viagens e recreação da covid-19, os relatos de mordidas de tubarão permanecem irregulares, pois os socorristas e legistas continuam lidando com um alto número de mortes devido ao vírus. Como resultado, o número de mordidas de tubarão não confirmadas em 2021 foi alto pelo segundo ano consecutivo, com 14 supostos incidentes ainda sendo investigados e uma ocorrência em que uma designação não pôde ser feita.

Padrões em perspectiva

Embora no ano passado tenha havido um aumento dramático nas mordidas de tubarão e um alto número de mortalidades, ambos permanecem bem dentro das médias de longo prazo. À medida que mais pessoas se aglomeram em praias quentes, os encontros com tubarões se tornam mais comuns, especialmente na Flórida, que tem a segunda maior taxa de crescimento populacional dos Estados Unidos. No entanto, as mortes, em longo prazo, estão se tornando menos frequentes.

“O declínio geral na mortalidade por mordidas de tubarão é provavelmente devido a uma combinação de protocolos de segurança de praia aprimorados em todo o mundo e uma diminuição no número de tubarões de várias espécies em águas costeiras”, disse Gavin Naylor, diretor do programa de pesquisa de pesquisa de tubarões do Museu da Flórida. “O aumento em 2020 e 2021 é quase certamente devido ao número crescente de tubarões-brancos, que vêm aumentando em várias localidades, provavelmente em resposta a um boom nas populações de focas das quais se alimentam.”

A maioria dos indivíduos (51%) mordidos por tubarões eram surfistas ou praticantes de outras atividades com pranchas, que passam uma quantidade significativa de tempo na água dentro e ao redor das zonas de surfe. Essa estreita faixa de água, onde as ondas que podem ter viajado por centenas de quilômetros finalmente se prendem no fundo do mar costeiro e tombam, cria o ambiente perfeito para surfistas e tubarões.

Costas e estuários marinhos são o local de alimentação favorito de uma variedade de peixes, que aproveitam as marés para encontrar novos alimentos e vasculhar perto do fundo do mar raso por plantas e invertebrados. Esses peixes menores, por sua vez, atraem tubarões, que às vezes confundem humanos com presas.

Sugestões para evitar incidentes

“Para os tubarões-galhas-pretas na Flórida, é mais frequentemente um caso de identidade equivocada”, disse Bowling.

Os tubarões-galhas-pretas (Carcharhinus limbatus) são provavelmente responsáveis ​​pela maioria das mordidas na Flórida, que tem consistentemente a maior contagem de mordidas de qualquer área geográfica nas últimas décadas. Esses tubarões relativamente pequenos caçam em águas quentes perto das costas, onde usam as águas rasas para evitar predadores próprios, incluindo grandes tubarões-martelo (Sphyrna mokarran) e tubarões-touro (Carcharhinus leucas).

As águas rasas e as ondas turbulentas nas zonas de surfe levantam sedimentos que dificultam a visão de suas presas pelos tubarões, explicou Naylor. “Cerca de 60% de todas as mordidas que registramos são em água de baixa visibilidade.”

O Isaf fornece uma ampla gama de sugestões sobre como diminuir suas chances de ser mordido por um tubarão, como evitar respingos em águas abertas, que os tubarões podem confundir com peixes em dificuldades. Joias refletivas também devem ser evitadas, pois podem brilhar à luz do sol, lembrando escamas de peixe iridescentes.

O Isaf coloca à disposição dos interessados um resumo (em inglês) sobre as mordidas de tubarão em 2021.

Saiba mais
+ Carolina Dieckmann pede R$ 9 milhões por mansão no Rio
+ IPVA 2022 SP: veja como consultar e pagar o imposto
+ Um gêmeo se tornou vegano, o outro comeu carne. Confira o resultado
+ Reencarnação na história: uma crença antiquíssima
+ O que se sabe sobre a flurona?
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua

África do Sul