• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Assine
Revista Planeta
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Astronomia
  • Arqueologia
  • Ciência
  • Viagem
  • Espiritualidade
  • Siga-nos:Facebook
Ciência23/03/2022

App que monitora tubarões por drone revela comportamentos surpreendentes da vida marinha

App que monitora tubarões por drone revela comportamentos surpreendentes da vida marinha

App que monitora tubarões por drone revela comportamentos surpreendentes da vida marinha (Foto: Reprodução/Instagram)

23/03/22 - 13h25min - Atualizado em 23/03/22 - 13h25min

Um aplicativo que foi criado para alertar surfistas e nadadores quando havia tubarões perto de praias australianas possibilitou pesquisas científicas sobre interações entre humanos e a vida marinha.

O aplicativo DroneSharkApp, criado em 2017 por Jason Iggleden, se tornou muito popular na internet. Atualmente, o aplicativo tem 359 mil seguidores no TikTok. Com ele, os usuários podem optar por receber notificações sobre qualquer coisa, desde os tubarões para os quais se destina, até a qualidade da água, rasgos ou as chances de pegar um peixe.

Uma opção do aplicativo é a detecção de vida marinha. O site do aplicativo se refere a "baleias, golfinhos, focas, arraias e muito mais", e é esse aspecto que levou a um artigo na revista Drones. Com a funcionalidade do app, a Dra. Vanessa Pirotta, da Universidade Macquarie, viu uma oportunidade para mais do que apenas um documentário sobre a natureza ao vivo.

Ela e seus coautores estudaram 678 vídeos postados do aplicativo no Instagram ao longo de 432 dias de observação. A partir deles, os autores conseguiram encontrar 94 eventos de alimentação dos principais predadores marinhos e 101 interações entre tubarões e humanos. Felizmente, não houve nenhum caso de tubarões se alimentando de humanos.

O DroneSharkApp também foi usado pela equipe de pesquisadores para revelar muitos exemplos de baleias jubarte e anãs viajando para o norte com seus filhotes. Este talvez seja o aspecto mais significativo do artigo. Tradicionalmente, essas baleias dão à luz ao norte de Queensland, na Austrália. O fato de que agora estão dando à luz milhares de quilômetros ao sul indica que algo importante mudou no ambiente marinho.

Como observa o artigo, os drones são cada vez mais populares entre os biólogos marinhos, sendo usados ​​para estudar a distribuição de espécies, densidade de medusas e infecções do trato respiratório superior das baleias jubarte, entre muitos outros tópicos.

No entanto, registrar os dados mais valiosos pode levar tempo, e os cientistas nem sempre têm o suficiente para obter o que precisam. Quando aqueles que pilotam os drones por outros motivos filtram suas imagens e as oferecem ao mundo gratuitamente, os resultados podem ser surpreendentes.

Saiba mais
+ Carolina Dieckmann pede R$ 9 milhões por mansão no Rio
+ IPVA 2022 SP: veja como consultar e pagar o imposto
+ Um gêmeo se tornou vegano, o outro comeu carne. Confira o resultado
+ Reencarnação na história: uma crença antiquíssima
+ O que se sabe sobre a flurona?
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua

aplicativo