Aprender nova língua muda divisão de trabalho do cérebro

Descoberta pode explicar por que, para adultos, aprender a falar uma nova língua é mais difícil do que entendê-la

Cérebro: na fase adulta, o hemisfério direito contribui mais no aprendizado de um idioma. Crédito: Pixabay

Aprender uma língua mais tarde na vida muda a forma como as duas metades do cérebro contribuem. Conforme as habilidades melhoram, a compreensão da linguagem muda a especialização do hemisfério, mas a produção não, de acordo com uma nova pesquisa publicada no periódico “JNeurosci”.

Os dois lados do cérebro não dividem uniformemente o trabalho para cada função. Na maioria das pessoas, a linguagem depende do hemisfério esquerdo, mas o hemisfério direito pode assumir o controle após uma lesão no esquerdo. O hemisfério direito também pode contribuir no aprendizado de um novo idioma, tornando incerto se o hemisfério esquerdo é realmente especializado para o idioma.

No estudo, Kshipra Gurunandan e colegas do Centro Basco de Cognição, Cérebro e Linguagem (BCBL, da Espanha) usaram imagem por ressonância magnética funcional (fMRI, na sigla em inglês) para comparar a atividade neural entre os hemisférios em alunos adultos de línguas enquanto leem, ouvem e falam em seus idiomas nativos e novos. Nos estágios iniciais da aprendizagem de línguas, as línguas nativas e novas pareciam nas imagens bastante semelhantes no cérebro. Em alunos avançados, porém, as duas línguas eram mais distintas. As línguas nativas e novas conseguiram recrutar hemisférios opostos para a compreensão, mas falar qualquer uma das línguas permaneceu dependente do hemisfério esquerdo.

LEIA TAMBÉM: 

Esses resultados sugerem que a produção está ligada ao hemisfério esquerdo, enquanto a compreensão é mais flexível. Isso pode explicar por que é mais difícil aprender a falar uma nova língua na idade adulta, embora seja possível aprender a entendê-la muito bem.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança