Aquecimento do manto de gelo da Groenlândia já não tem retorno

Mesmo se o clima esfriar, as geleiras da grande ilha do Atlântico Norte continuarão a encolher, constata estudo americano

Os icebergs próximos à Groenlândia se formam a partir do gelo que se formou (ou se partiu) das geleiras da ilha. O novo estudo mostra que as geleiras estão perdendo gelo com rapidez suficiente para que, mesmo se o aquecimento global parasse, as geleiras da ilha continuariam a encolher. Crédito: foto cedida por Michalea King

A reunião de 40 anos de dados de satélite da Groenlândia mostram que as geleiras da ilha diminuíram tanto que, mesmo se o aquecimento global parasse hoje, o manto de gelo continuaria diminuindo. O estudo a esse respeito foi publicado na revista “Nature Communications Earth and Environment”.

A descoberta significa que as geleiras groenlandesas passaram por uma espécie de ponto crítico, no qual a queda de neve que repõe o manto de gelo a cada ano não consegue acompanhar o gelo que está fluindo das geleiras para o oceano.

“Temos olhado essas observações de sensoriamento remoto para estudar como a descarga e o acúmulo de gelo variam”, disse Michalea King, principal autora do estudo e pesquisadora do Byrd Polar and Climate Research Center da Universidade Estadual de Ohio (EUA). “E o que descobrimos é que o gelo que está sendo despejado no oceano ultrapassa em muito a neve que se acumula na superfície do manto de gelo.”

LEIA TAMBÉM: Água derretida do manto de gelo da Groenlândia também flui no inverno

King e outros pesquisadores analisaram dados mensais de satélite de mais de 200 grandes geleiras drenando para o oceano ao redor da Groenlândia. Suas observações mostram quanto gelo se quebra em icebergs ou derrete das geleiras no oceano. Mostram também a quantidade de neve que cai a cada ano – a forma como essas geleiras são reabastecidas.

Estabilidade rompida

Os pesquisadores descobriram que, ao longo das décadas de 1980 e 1990, a neve acumulada e o gelo derretido ou partido das geleiras estavam em equilíbrio. Isso manteve a camada de gelo intacta. Ao longo dessas décadas, descobriram os pesquisadores, os mantos de gelo geralmente perdem cerca de 450 gigatoneladas (cerca de 450 bilhões de toneladas) de gelo a cada ano nas geleiras que fluem, substituídas por neve.

“Estamos medindo o pulso da camada de gelo – quanto as geleiras drenam nas bordas do manto de gelo – que aumenta no verão. E o que vemos é que ele era relativamente estável até um grande aumento na descarga de gelo para o oceano durante um curto período de cinco a seis anos”, disse King.

A análise dos pesquisadores descobriu que a linha de base desse pulso – a quantidade de gelo perdida a cada ano – começou a aumentar continuamente por volta do ano 2000, de modo que as geleiras perderam cerca de 500 gigatoneladas por ano. A queda de neve não aumentou ao mesmo tempo e, na última década, a taxa de perda de gelo das geleiras permaneceu a mesma – o que significa que o manto de gelo tem perdido gelo mais rapidamente do que está sendo reposto.

“As geleiras têm sido sensíveis ao derretimento sazonal desde que pudemos observá-lo, com picos de descarga de gelo no verão”, disse ela. “Mas a partir de 2000, você começa a sobrepor esse derretimento sazonal em uma linha de base mais alta – então, vai ter ainda mais perdas.”

Antes de 2000, o manto de gelo teria aproximadamente a mesma chance de ganhar ou perder massa a cada ano. No clima atual, o manto ganhará massa em apenas um em cada 100 anos.

Perda no geral

King disse que grandes geleiras em toda a Groenlândia recuaram cerca de 3 quilômetros em média desde 1985. “Isso é muita distância”, disse ela. As geleiras encolheram o suficiente para que muitas delas fiquem em águas mais profundas, o que significa que mais gelo está em contato com a água. A água quente do oceano derrete o gelo das geleiras e também torna difícil para as geleiras voltarem às suas posições anteriores.

Isso significa que, mesmo se os humanos fossem de alguma forma milagrosamente capazes de parar a mudança climática em seus rastros, o gelo perdido das geleiras que drenam gelo para o oceano provavelmente ainda ultrapassaria o ganho com o acúmulo de neve. Com isso, o manto de gelo continuaria a encolher por algum tempo.

“O recuo das geleiras levou a dinâmica de todo o manto de gelo a um estado de constante perda”, disse Ian Howat, coautor do artigo, professor de ciências da terra da Universidade Estadual de Ohio. “Mesmo se o clima permanecesse o mesmo ou até esfriasse um pouco, a camada de gelo ainda estaria perdendo massa.”

Problema para o planeta

O encolhimento das geleiras na Groenlândia é um problema para todo o planeta. O gelo que derrete ou se desprende do manto de gelo da ilha acaba no Oceano Atlântico – e, posteriormente, em todos os oceanos do mundo. O gelo da Groenlândia é um dos principais contribuintes para o aumento do nível do mar. No ano passado, o gelo que derreteu ou se desprendeu da camada de gelo da Groenlândia foi suficiente para fazer com que os oceanos subissem 2,2 milímetros em apenas dois meses.

As novas descobertas são desanimadoras, mas King disse que há esperança.

“É sempre positivo aprender mais sobre ambientes glaciais, porque só podemos melhorar nossas previsões sobre a rapidez com que as coisas mudarão no futuro”, disse ela. “E isso só pode nos ajudar com estratégias de adaptação e mitigação. Quanto mais sabemos, melhor podemos nos preparar.”

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança