Aquecimento global em ação: plantas crescem ao redor do Everest

Dados de satélite mostram que vegetais aumentaram substancialmente sua presença em áreas de até 6 mil metros de altitude no Himalaia

Himalaia: constatação da presença de vegetais em áreas antes inacessíveis a eles foi obtida por dados de satélite. Crédito: Karen Anderson/Universidade de Exeter

A vida vegetal está se expandindo em toda a região da cordilheira do Himalaia, revelam novos estudos. Pesquisadores da Universidade de Exeter (Reino Unido) constataram aumentos pequenos, mas significativos, na vegetação subnival (plantas que crescem entre a linha das árvores e a linha da neve) na região himalaiana, incluindo o Monte Everest, o mais alto do mundo. Um artigo a esse respeito foi publicado na revista “Global Change Biology”.

Usando dados de 1993 a 2018 dos satélites Landsat, da Nasa, os cientistas verificaram as alterações em quatro suportes de altura de 4.150-6.000 metros acima do nível do mar. Os resultados variaram em diferentes alturas e locais, com a tendência mais forte no aumento da cobertura vegetal no suporte 5.000-5.500 metros.

Pouco se sabe sobre esses ecossistemas remotos e de difícil alcance, compostos de plantas de baixa estatura (predominantemente gramíneas e arbustos) e neve sazonal, mas o estudo revela que eles cobrem entre 5 e 15 vezes a área de geleiras e neve permanente.

Ao redor do Monte Everest, a equipe encontrou um aumento significativo na vegetação nos quatro suportes de altura. As condições no topo dessa faixa de altura geralmente são consideradas próximas do limite de onde as plantas podem crescer.

LEIA TAMBÉM: Mudança climática vai prejudicar economia de quase todos os países

Embora o estudo não examine as causas da mudança, os resultados são consistentes com a modelagem que mostra um declínio nas “áreas com temperatura limitada” (onde as temperaturas são muito baixas para que as plantas cresçam) na região do Himalaia devido ao aquecimento global.

Trilha na área do Everest: vegetação rasteira presente. Crédito: Karen Anderson/Universidade de Exeter
Vulnerabilidade

Outra pesquisa sugeriu que os ecossistemas do Himalaia são altamente vulneráveis ​​a mudanças de vegetação induzidas pelo clima.

A região do Hindu Kush Himalaia se estende, integral ou parcialmente, por oito países asiáticos, do Afeganistão, a oeste, a Mianmar, a leste. Mais de 1,4 bilhão de pessoas dependem da água das bacias originárias das montanhas himalaianas.

“Muita pesquisa foi feita sobre o derretimento do gelo na região do Himalaia, incluindo um estudo que mostrou como a taxa de perda de gelo dobrou entre 2000 e 2016”, disse Karen Anderson, do Instituto de Meio Ambiente e Sustentabilidade da Universidade de Exeter. “É importante monitorar e entender a perda de gelo nos principais sistemas montanhosos, mas os ecossistemas subnivais cobrem uma área muito maior que a neve e o gelo permanentes e sabemos muito pouco sobre eles e como eles moderam o suprimento de água.”

“A neve cai e derrete aqui sazonalmente, e não sabemos que impacto a mudança da vegetação subnival terá sobre esse aspecto do ciclo da água – o que é vital porque essa região (conhecida como ‘caixas d’água da Ásia’) alimenta os dez maiores rios da Ásia”, acrescentou ela.

Segundo Anderson, “alguns trabalhos de campo realmente detalhados” e uma validação adicional dessas descobertas são necessários agora para entender como as plantas interagem com o solo e a neve nessa zona de grande altitude.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança