Aquecimento global pode eliminar 50% das praias do mundo até 2100

Problema representa um grande risco para as populações que vivem nessas regiões costeiras

Ipanema, Rio de Janeiro: aumento do nível do mar representa uma ameaça real a essa e muitas outras praias de areia ao redor do mundo. Crédito: Mike Vondran/flickr

Até metade das praias arenosas do mundo corre o risco de desaparecer até o final deste século, se nenhuma ação for tomada para limitar as emissões de gases de efeito estufa. Isso está de acordo com um novo estudo, publicado na revista “Nature Climate Change”. Mesmo assumindo um resultado melhor para a ação de mudança climática, em que as emissões globais atingem o pico por volta de 2040, mais de um terço (37%) das praias do mundo seriam perdidas até 2100.

Os pesquisadores já haviam analisado imagens de satélite que mostravam mudanças na linha costeira de 1984 a 2016. Eles descobriram que um quarto das praias do mundo já havia erodido a uma taxa de mais de 0,5 metro por ano, cedendo mais de 28 mil quilômetros quadrados de terra para o mar.

A taxa em que o nível do mar está subindo está se acelerando em cerca de 0,1 milímetro por ano a cada ano. Mas a elevação do nível do mar não será uniforme em todo o mundo. O termo “nível do mar” pode ser enganador – a superfície do mar não é plana. Muito parecida com a atmosfera, ela possui áreas de alta e baixa pressão que criam montes e vales. Algumas delas são criadas por grandes correntes, portanto, as mudanças que ocorrerão à medida que os oceanos se aquecem mudarão a topografia da superfície do mar. Algumas áreas receberão menos do que o aumento médio previsto do nível do mar, mas muitas verão mais.

LEIA TAMBÉM: Groenlândia está perdendo gelo bem mais rapidamente que o previsto

Nenhum lugar para ir

Mais de 60% das praias arenosas de Gâmbia e Guiné-Bissau podem ser perdidas para a erosão devido ao aumento do mar, enquanto a Austrália deverá perder quase 12 mil quilômetros de costa arenosa. Para pequenos estados insulares como Kiribati, Ilhas Marshall e Tuvalu, a perda de 300 metros de terras – como previsto para alguns – seria catastrófica.

As praias arenosas ocupam mais de um terço da costa global e, de todos os diferentes tipos de praias, as arenosas são as mais usadas pelas pessoas. Muitas áreas costeiras receberam construções para a indústria, habitação e resorts turísticos.

Essas partes “suaves” da costa sempre estiveram à mercê das tempestades oceânicas e das marés. Mas o aumento previsto do nível do mar, além dessas inundações diárias, empurra a fronteira entre a costa e o interior do mar, um processo conhecido como retração costeira.

O acúmulo de pessoas e concreto na orla das praias arenosas criou uma barreira abrupta à retração costeira, impedindo que as praias se movam para o interior à medida que o nível do mar aumenta. Em vez disso, trechos arenosos da costa correm o risco de serem erodidos e removidos completamente.

Migrações forçadas

O aquecimento do mar também promete tempestades mais intensas e frequentes, capazes de mover praias inteiras da noite para o dia. Durante uma tempestade em janeiro de 2015, a praia de Porthleven, na Cornualha (Reino Unido), perdeu toda a sua areia, devolvida pela maré alguns dias depois.

Praias de areia macia são movidas continuamente por ondas e correntes – esgotando-as em determinadas áreas e depositando-as em outras. Esse transporte de areia é normal, mas a força combinada de níveis mais altos do mar e tempestades mais fortes pode significar extinção para muitas praias.

Vista aérea de Tuvalu, na Oceania: uma perda de 300 metros de praia seria catastrófica. Crédito: Lily-Anne Homasi/DFAT/Wikimedia

Tudo isso é muito preocupante para milhões de pessoas que chamam essas regiões de lar. As costas arenosas do mundo tendem a ser densamente povoadas, e estão se tornando cada vez mais com o tempo. Em outra pesquisa, verificou-se que o aumento do nível do mar em 0,8 metro pode apagar 17.000 km2 de terra e forçar até 5,3 milhões de pessoas a migrar, com um custo associado de US$ 300 milhões a US$ 1 bilhão em todo o mundo. Somente na África, até 40 mil pessoas podem ser forçadas a migrar por ano devido à perda de terra pela erosão costeira, se nenhuma medida adaptativa estiver em vigor até 2100.

Ação humana

Mas não são apenas as mudanças climáticas. Os seres humanos estão acelerando ativamente a erosão costeira, removendo a areia das praias em quantidades enormes e a taxas muito mais rápidas do que podem ser renovadas naturalmente. O cascalho e a areia são extraídos dos rios e das praias para uso na construção – e a uma taxa mais rápida do que a extração de combustíveis fósseis em algumas áreas.

Os ecossistemas costeiros que ligam e prendem sedimentos, como manguezais, também estão sendo destruídos. O mundo perdeu quase 10 mil quilômetros quadrados desses habitats entre 1996 e 2016. Enquanto isso, o suprimento de sedimentos para a costa também é afetado pela construção de barragens e sistemas de irrigação a montante.

A elevação do nível do mar é inevitável, mas ainda não é certo o quão ruim será. Reabastecer as praias mais ameaçadas bombeando areia sobre elas – um processo chamado “alimento costeiro” – pode custar de US$ 65 bilhões a US$ 220 bilhões no total, mas ainda é menos de um quinto do custo econômico de não tomar nenhuma ação quanto à subida do nível do mar. Isso poderia reduzir a perda de terras em até 14%, diminuir o número de pessoas que podem ser forçadas a migrar em até 68% e diminuir o custo da migração forçada em até 85% até 2100.

Recursos ao alcance

Mesmo a “política moderada de mitigação de emissões”, como o novo estudo a chama, em que as emissões globais atingem o pico por volta de 2040, poderia impedir 40% da retração terrestre de linhas costeiras até 2100. Em média, isso economizaria mais de 40 metros de largura de praia ao redor do mundo, com uma perda média de cerca de 250 metros.

A nutrição costeira pode ter seus próprios problemas ecológicos, por isso ela teria de ser feita com muita atenção ao meio ambiente local. Mas muito do que precisa ser feito para salvar as praias arenosas do mundo já está ao nosso alcance – se pudermos reduzir a taxa em que estamos consumindo areia e queimando combustíveis fósseis. Fazendo isso – e expandindo e protegendo os habitats costeiros –, as terríveis previsões dessa nova pesquisa podem nunca acontecer.

 

* Simon Boxall é professor sênior em Ciências do Oceano e da Terra da Universidade de Southampton (Reino Unido); Abiy S. Kebede é professor de Engenharia de Inundação e Costeira, Brunel University London (Reino Unido)

 

** Este artigo foi republicado do site The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original aqui.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança