• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Assine
Revista Planeta
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Astronomia
  • Arqueologia
  • Ciência
  • Viagem
  • Espiritualidade
  • Siga-nos:Facebook
Arqueologia14/01/2022

Arqueólogos descobrem estradas de 4.500 anos na Arábia

Tumbas em forma de fechadura flanqueando uma avenida funerária no oásis de al Há’it. Crédito: Universidade da Austrália Ocidental

14/01/22 - 15h59min

Arqueólogos da Universidade da Austrália Ocidental (UWA) descobriram que pessoas que viviam no noroeste da Arábia no início da Idade do Bronze Média construíram “avenidas funerárias” – corredores de longa distância ligando oásis e pastagens, cercados por milhares de monumentos funerários elaborados.

O dr. Matthew Dalton, da Escola de Humanidades da UWA, é o principal autor das descobertas publicadas na revista The Holocene.

“As avenidas funerárias eram as principais redes rodoviárias da época e mostram que as populações que viviam na Península Arábica há 4.500 anos estavam muito mais conectadas social e economicamente umas às outras do que pensávamos anteriormente”, disse Dalton.

A equipe da UWA, trabalhando sob a Royal Commission for AlUla (AIUla é um sítio arqueológico a 1.100 km de Riad, a capital saudita), usou imagens de satélite, fotografia aérea baseada em helicóptero, levantamento de solo e escavação para localizar e analisar as avenidas funerárias.

Proximidade de água

A equipe localizou avenidas em uma área de 160 mil quilômetros quadrados, com mais de 17.800 túmulos “pendentes” registrados em suas principais áreas de estudo dos condados de AlUla e Khaybar na Arábia Saudita, dos quais cerca de 11 mil faziam parte de avenidas funerárias.

Eles descobriram que as maiores concentrações de monumentos funerários nessas avenidas estavam localizadas perto de fontes de água permanentes, com a direção das avenidas indicando que as populações as usavam para viajar entre os principais oásis, incluindo os de Khaybar, AlUla e Tayma.

Avenidas menores desaparecem nas paisagens ao redor dos oásis, sugerindo que as rotas também eram usadas para mover rebanhos de animais domésticos para pastagens próximas durante períodos de chuva.

“Esses oásis, especialmente Khaybar, exibem algumas das concentrações mais densas de monumentos funerários conhecidos em todo o mundo”, disse Dalton. “O grande número de túmulos da Idade do Bronze construídos em torno deles sugere que as populações já começavam a se estabelecer de forma mais permanente nesses locais favoráveis ​​​​nesse momento.”

O diretor do projeto, dr. Hugh Thomas, também da Escola de Humanidades da UWA, disse que a pesquisa encerra um ano tremendo para o projeto. “Os artigos publicados em 2021 ajudaram a demonstrar que, nos tempos antigos, AlUla e Khaybar eram caracterizados por uma paisagem ocupacional rica e dinâmica”, disse Thomas. “Os achados arqueológicos que saem dessas regiões têm o potencial de mudar profundamente nossa compreensão do início da história do Oriente Médio.”

Saiba mais

+ CPF do remetente deverá constar nas encomendas enviadas pelos Correios
+ Por que Saturno é tão temido?
+ Astrônomos chegam a consenso sobre a idade do universo
+ Fã ‘faz diagnóstico’ de hérnia em Rafa Kalimann, que confirma
+ Corpo de responsável por câmeras de clube onde petista foi assassinado é encontrado no Paraná
+ Por que Saturno é tão temido?
+ Veja objetos, símbolos e amuletos que atraem riqueza
+ Anitta conta o que a levou a fazer tatuagem no ânus
+ Ancestral humano desconhecido deixou pegadas estranhas na África


AlUla