Arqueólogos descobrem restos de 250 crianças e 40 guerreiros sacrificados no Peru

Pesquisadores acreditam que essas pessoas foram sacrificadas em um ritual do povo Chimu feito para agradar aos deuses e aplacar a "fúria" da natureza

Arqueólogos descobrem restos de 250 crianças e 40 guerreiros sacrificados no Peru / Foto: Luis Puell / Agência Andina

Uma equipe de arqueólogos peruanos descobriram um cemitério com restos mortais de 250 crianças e 40 guerreiros que foram sacrificados entre os séculos 13 e 15. O sítio arqueológico fica no distrito de Huanchaco, cerca de 550 quilômetros de Lima.

Arqueólogos descobrem restos de 250 crianças e 40 guerreiros sacrificados no Peru / Foto: Luis Puell / Agência Andina

Segundo Feren Castillo, diretor do projeto de escavação, os pesquisadores acreditam que essas pessoas foram sacrificadas em um ritual do povo Chimu feito para agradar aos deuses e aplacar a “fúria” da natureza, algo relacionado a catástrofes naturais.

Os arqueólogos encontraram marcas nos corpos e cortes em ambos os lados do tórax, e isso indicaria que as mortes foram sacrifícios.

Luis Puell / Agência Andina
Arqueólogos descobrem restos de 250 crianças sacrificadas no Peru / Foto: Luis Puell / Agência Andina

Segundo Castillo, os ossos foram levados para a Universidade Nacional de Trujillo, e a análise dos restos mortais determinaram que as crianças tinham entre 4 e 12 anos.

Pesquisas já revelaram que a sociedade Chimu realizou entre três e quatro rituais de sacrifício entre os anos de 1200 e 1450, sendo que os três primeiros foram de crianças, e o último de lhamas.

A sociedade Chimu se desenvolveu entre os anos de 1000 e 1200, na costa norte do Peru.