Arqueólogos descobrem sexo de restos humanos por esmalte do dente

Novo método se mostrou mais preciso que os outros que o antecederam, inclusive o de DNA

Novo método é muito mais preciso que seus antecessores e abre novas possibilidades para os arqueólogos. Crédito: U.S. Air Force/Tech. Sgt. Tracy L. DeMarco

Um novo método para estimar o sexo biológico de restos humanos baseado na leitura de sequências de proteínas em vez de DNA foi usado para estudar um sítio arqueológico no norte da Califórnia. A técnica baseada em proteínas deu resultados superiores à análise de DNA no estudo de 55 conjuntos de restos humanos entre 300 e 2.300 anos. O trabalho foi publicado na revista “Scientific Reports”.

O método tem como alvo a amelogenina, uma proteína encontrada no esmalte dos dentes, disse a primeira autora Tammy Buonasera, pesquisadora de pós-doutorado que trabalha com Glendon Parker, professor associado adjunto do Departamento de Toxicologia Ambiental da Universidade da Califórnia em Davis. A técnica foi desenvolvida no laboratório de Parker.

Buonasera, Parker, o professor de antropologia Jelmer Eerkens e colegas da UC Davis e de outras instituições americanas compararam três métodos para determinação de sexo: o novo método proteômico; análise de DNA; e osteologia, ou análise do tamanho, forma e composição dos próprios ossos. Eles aplicaram esses métodos a restos de duas aldeias ancestrais de indígenas ohlones, perto de Sunol, Califórnia. O local está sendo escavado pelo Far West Anthropological Research Group de Davis, em colaboração com a tribo muwekma ohlone.

LEIA TAMBÉM: Arqueólogos encontram rato de brinquedo de couro com 1.900 anos

A amelogenina é uma proteína encontrada no esmalte dos dentes, a substância mais dura e mais durável do corpo humano. O gene da amelogenina está localizado nos cromossomos sexuais X e Y, e a proteína amelogenina-Y é um pouco diferente da amelogenina-X.

Técnica mais sensível

O método funciona recuperando uma pequena quantidade de proteína de um dente. Todas as proteínas são constituídas por uma cadeia de aminoácidos, de modo que a proteína é analisada para fornecer a sequência de aminoácidos, que depois define a proteína. Cada um dos 20 aminoácidos que ocorrem naturalmente é especificado por um código de três letras no DNA. Portanto, é possível trabalhar para trás a partir da sequência de aminoácidos e descobrir o provável código de DNA.

Os pesquisadores conseguiram determinar o sexo de todos os restos mortais usando o novo método de proteínas e todos, exceto cinco, usando métodos de DNA. Os resultados da osteologia e proteômica concordaram em quase todos os casos, embora o exame dos ossos em si tenha sido eficaz apenas em cerca de metade dos esqueletos.

O método proteico permitiu estimar o sexo das crianças, o que não é possível pela osteologia. Ele foi confiável mesmo quando o sinal do DNA era fraco.

“Esta é uma técnica mais sensível para esqueletos mais velhos, onde esperaríamos mais degradação do DNA”, disse Parker.

Personalidade

Ser capaz de determinar o sexo biológico dos restos humanos fornece uma janela maior para a personalidade de cada indivíduo. Os antropólogos estão interessados ​​em determinar o sexo biológico porque o sexo interage com a saúde e pode ter um grande impacto em como as pessoas formam uma identidade e são tratadas dentro de uma sociedade, disse Eerkens.

“Quase toda sociedade humana ao redor do mundo incorpora sexo e gênero como uma maneira de classificar as pessoas, e isso pode afetar seu status e com quem você se associa na sociedade”, afirmou Eerkens. Embora gênero e sexo biológico não sejam a mesma coisa, eles estão ligados; portanto, a capacidade de estimar o sexo fornece aos arqueólogos informações importantes ao tentar entender os aspectos culturais do gênero, que não são tão facilmente preservados.

Por exemplo, em uma sociedade baseada em pequenas aldeias, as pessoas geralmente precisam encontrar parceiros fora de sua aldeia. Dependendo das regras culturais, homens ou mulheres deixarão a vila para se casar.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança