Ártico pode perder totalmente o gelo no verão se temperatura aumentar 2 graus

Quanto menos gelo marinho no verão o Ártico tiver, pior para espécies como focas e ursos polares, que dependem do gelo para criar filhotes e caçar

Ursos polares no Refúgio Nacional da Vida Selvagem do Ártico / Foto: Michael Miller

Uma pesquisa demonstrou que o gelo do mar Ártico pode desaparecer completamente durante o mês de setembro, no verão do hemisfério Norte, se a temperatura média global aumentar em menos de 2 graus. Historicamente, setembro é o mês em que se observa a menor cobertura de gelo do Oceano Ártico durante o ano após o curto verão polar.

Segundo Won Chang, co-autor do estudo e professor assistente de matemática da Universidade da Califórnia, uma das instituições envolvidas no estudo, o objetivo da pesquisa era responder qual é a mudança mínima de temperatura global que elimina todo o gelo marinho do Ártico no verão, ou seja, qual é o ponto de inflexão.

O estudo previu que o Oceano Ártico poderia estar completamente livre de gelo em setembro com apenas 2 graus Celsius de variação de temperatura. Limitar o aquecimento a 2 graus é o objetivo declarado do Acordo de Paris de 2009, o esforço internacional para reduzir as emissões de carbono para lidar com o aquecimento.

Segundo o estudo, muito provavelmente o gelo do mar Ártico de setembro irá efetivamente desaparecer entre aproximadamente 2 e 2,5 graus de aquecimento global. “No entanto, limitar o aquecimento a 2 graus, como proposto pelo Acordo de Paris, pode não ser suficiente para impedir um oceano ártico sem gelo”, afirmam os pesquisadores.

O mês de setembro foi usado como medida porque é o período de transição entre o verão e o inverno no Ártico. “O gelo recua de junho a setembro e depois em setembro começa a crescer novamente, em um ciclo sazonal. E estamos dizendo que poderíamos não ter gelo em setembro”, afirmou Chang em comunicado da Universidade.

Quanto menos gelo marinho no verão o Ártico tiver, mais tempo levará para o Oceano Ártico voltar a gelar para o inverno polar. Isso pode significar más notícias para a vida selvagem do Ártico, como focas e ursos polares, que dependem do gelo marinho para criar filhotes e caçar.

Os pesquisadores usaram modelos climáticos e encontraram uma probabilidade de pelo menos 6% de que o gelo marinho do verão no Oceano Ártico irá desaparecer com o aquecimento de 1,5 graus acima dos níveis pré-industriais. A 2 graus, a probabilidade aumenta para 28%.

“Nosso trabalho fornece uma nova estrutura estatística e matemática para calcular as mudanças climáticas e as probabilidades de impacto”, disse Jason Evans, um professor da Universidade de New South Wales e de seu Centro de Pesquisa de Mudanças Climáticas.

“Enquanto testamos uma nova abordagem dos modelos climáticos, estamos ansiosos para ver se a técnica pode ser aplicada a outros campos, como previsões do mercado de ações, investigações de acidentes de avião ou em pesquisas médicas”, diz Roman Olson, principal autor do estudo e pesquisador do Instituto de Ciência Básica da Coréia do Sul.

Chang, que é da Coreia do Sul, a maioria de seus conterrâneos não questiona a mudança climática, não porque eles são mais científicos, mas porque eles podem ver os efeitos em primeira mão.

“Minha cidade natal é uma cidade do sul chamada Daegu. Ela era famosa por cultivar uma deliciosa maçã. Mas agora eles não podem cultivar as maçãs lá. Os pomares se foram. Está quente demais. Agora eles faça-os crescer mais ao norte.”, disse.

A pesquisa foi publicada na revista científica “Nature Communications”.

COMPARTILHAR
blog comments powered by Disqus