“Produtos devem ser duráveis, reutilizáveis e recicláveis”

Economia circular combate a obsolescência de produtos que, muitas vezes, geram resíduos não reaproveitáveis em uma larga e rápida escala

Cris Baluta é conselheira e coordenadora do Grupo de Intercâmbio de Experiências em Meio Ambiente da Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha (AHK Paraná) e CEO da Roadimex Ambiental Ltda. (Foto: Divulgação)

Cada vez mais, o tema economia circular tem chamado a atenção da humanidade. Afinal, não podemos mais continuar esgotando os nossos recursos naturais e produzindo da mesma forma. Com esse pensamento, precisaríamos de quase “dois planetas Terra” para satisfazer as nossas necessidades.

O fato é que, no quesito utilização de recursos naturais, já estamos utilizando o cheque especial. Diante dessa lastimável situação, nos deparamos com a economia circular, na qual os produtos devem ter sua durabilidade pensada, devem ser reutilizáveis e, obviamente, recicláveis.

Precisamos repensar a produção de novos itens. A lição de casa é imensa, mas ao fazer essa reflexão atuaremos de maneira holística e sistêmica, pois os benefícios serão gigantescos. Trata-se de um novo fluxo da economia, um formato diferente do que conhecemos e estamos acostumados. É o equilíbrio entre consumo e forma de produção.

Com a colocação em prática da economia circular, estaremos combatendo a obsolescência de produtos que, muitas vezes, geram resíduos não reaproveitáveis em uma larga e rápida escala. Os consumidores possuem grande papel nesse contexto, uma vez que, ao se tornarem mais preocupados com a questão ambiental, poderão impulsionar rapidamente a economia circular.

As empresas devem urgentemente refletir sobre esse conceito, pois catalisar e perceber a evolução da economia circular dentro do seu planejamento estratégico fará com que o negócio se torne cada vez mais atraente ao mercado.

No ensino superior, observa-se a incorporação dos princípios da economia circular à formação acadêmica. O desenvolvimento do conceito torna forçoso preparar profissionais que viabilizem rapidamente as mudanças necessárias.

Devemos estar atentos ao consumidor. Ele observa e analisa com cautela a questão de produtos que tenham como premissa a eliminação dos desperdícios, a menor poluição, a reutilização de materiais, a inovação nos processos e o bem-estar e o engajamento dos colaboradores.

O fortalecimento da imagem de uma empresa frente ao mercado passará com toda certeza pela aplicação da economia circular. Estamos em uma época de valorização do capital natural.

Cabe à companhia definir isso como prioridade, investir e cumprir as devidas etapas. O empresário deve fazer com que seus produtos, colaboradores, stakeholders e todos os envolvidos entendam, se orgulhem e participem dessa visão. As empresas precisam acreditar e investir na economia circular.