Árvore mais alta da Amazônia é 50% mais alta do que recordista anterior

Pesquisadores descrevem como foi a dura jornada para encontrar a árvore mais alta da Amazônia, medindo 88 metros de altura

A árvore mais alta da Amazônia ficou 50% mais alta - e os cientistas não sabem como / Foto: Tobias Jackson

Às vezes, mesmo as maiores maravilhas naturais podem permanecer escondidas da visão humana por séculos. A Amazônia é um lugar denso, cheio de vida, com novas espécies de flora e fauna sendo descobertas quase todos os dias. Agora, usando a mesma tecnologia de carros sem motorista nós – liderados por Eric Gorgens e Diego Armando da Silva, e juntamente com colegas do Brasil, Swansea, Oxford e Cambridge – descobrimos a árvore mais alta da floresta tropical.

Com 88 metros de altura, supera os recordes anteriores em quase 30 metros. E a árvore não está sozinha também. O Escudo das Guiana do nordeste da Amazônia, responsável por quase 9% das florestas tropicais remanescentes do mundo, pode conter muitas dessas árvores gigantescas. Com cada uma sendo capaz de armazenar tanto carbono quanto um hectare médio de floresta tropical, nossa descoberta significa que a vasta selva pode ser um sumidouro de carbono maior do que se pensava anteriormente.

Nós não tropeçamos por acaso nessas árvores enquanto passeávamos na floresta. Entre 2016 e 2018, o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais do Brasil (INPE) coordenou um projeto para escanear a laser grandes áreas da Amazônia. Este projeto digitalizou 850 áreas de floresta distribuídas aleatoriamente, cada uma com 12 km de comprimento e 300 m de largura. Sete desses trechos continham evidências de árvores com mais de 80 metros de altura. A maioria deles estava localizada na área ao redor do rio Jari, um afluente norte da Amazônia.

Ficamos surpresos com as alturas das árvores gigantescas relatadas pelas varreduras, então partimos em uma jornada para confirmar as descobertas com nossos próprios olhos, determinar suas espécies e, é claro, escalá-las.

A jornada
Partimos de barco de Laranjal do Jari, no nordeste do Brasil, em um calor úmido de 35 ℃. A primeira etapa de nossa jornada nos levou à vila de São Francisco do Iratapuru, uma comunidade que produz castanha do brasil sustentável. A comunidade forneceu quatro barcos e 12 pessoas para nos guiarem pelo rio e pela floresta densa e implacável.

Sem a assistência de especialistas, não teríamos superado os obstáculos que se seguiram – o primeiro dos quais foi a cachoeira de Itacará. Levamos o segundo dia inteiro para transportar os pesados ​​barcos de madeira e todo o nosso equipamento por terra acarpetada por vegetação densa para evitar a cachoeira.

Além de Itacará, o rio variou de 300 metros de largura e sereno a 30 metros de rochas e corredeiras. Ficamos aliviados ao ver que alguém havia embalado muitas hélices sobressalentes para os motores de popa – no final da viagem, tínhamos usado cada uma delas. A certa altura, nossa hélice atingiu uma rocha submersa e quebrou, deixando-nos sem poder ou direção, exatamente quando estávamos tentando forçar o nosso caminho rio acima através de uma seção de corredeiras.

Atravessamos o equador no terceiro dia e percorremos 70 km, antes de passar a maior parte do dia seguinte dentro do rio, com água até a cintura, transportando os barcos por oito quilômetros de corredeiras e rochas com cordas e mãos.

Depois de percorrer 240 km no total, finalmente chegamos ao acampamento base no sexto dia. Muitas das árvores altas ficavam bem perto do rio, para que pudéssemos visitá-las facilmente do nosso acampamento – embora cortar a densa vegetação rasteira fosse um trabalho tão difícil que não tivemos tempo de visitar todos os locais-alvo revelados pelo dados do laser.

Passamos os próximos dias coletando amostras e medindo as árvores. O destaque foi o nosso alpinista, Fabiano, subindo diretamente nas árvores para medir sua altura à moda antiga – balançando uma corda do topo.

Encontramos pelo menos 15 árvores gigantes, todas com mais de 70 m de altura e algumas superando facilmente 80 m. Surpreendentemente, nessa diversa floresta tropical, todas essas árvores eram da mesma espécie – Angelim vermelho (Dinizia excelsa). Esta espécie é comum na Amazônia, frequentemente usada para madeira devido à sua madeira forte, embora fedorenta. Anteriormente, pensava-se que crescia para apenas 60 m.

Ainda não sabemos como essas árvores conseguiram crescer muito mais. Como espécies pioneiras – as primeiras a crescer em novas áreas ou lacunas na vegetação – é possível que tenham se aproveitado de alguma perturbação do passado que limpou parte da floresta, talvez causada por uma tempestade ou por habitação humana. O fato de terem sobrevivido por tanto tempo e crescido tão alto deve ser pelo menos em parte graças ao seu distanciamento absoluto das áreas urbanas e da indústria.

Colosso de carbono
A tecnologia de escaneamento a laser que permitiu essa e outras descobertas recentes de árvores gigantescas não é apenas um brinquedo para os amantes de árvores. Permite que os cientistas mapeiem a estrutura da floresta e o armazenamento de carbono com detalhes surpreendentes e em escalas sem precedentes, e assim avaliam melhor sua importância no ciclo global do carbono. Vários projetos também estão coletando dados repetidos, o que nos permitirá monitorar a mudança da saúde em florestas vitais como essas.

Nesse caso, nossa pesquisa sugere que o nordeste da Amazônia poderia armazenar muito mais carbono do que se pensava anteriormente. Cada angelim vermelho pode armazenar até 40 toneladas de carbono – isso é o equivalente a entre 300 e 500 árvores menores, ocupando o espaço equivalente a 20 delas. E, embora tenhamos visitado apenas 15 árvores, essa foi uma pequena proporção das árvores reveladas pelos dados da varredura a laser, que em si era coberto apenas por uma pequena proporção do Escudo da Guiana. Portanto, é provável que haja muito mais árvores gigantes por aí – e algumas podem ser ainda mais altas que a nossa recordista.

No atual clima político, há muitas razões para se preocupar com a Amazônia, mas ainda há espaço para admiração. O fato de que descobertas como essas ainda estão sendo feitas – mesmo enquanto partes da floresta estão sendo destruídas pela exploração madeireira, queima e expansão agrícola – demonstra o quanto ainda resta a aprender sobre esse incrível e misterioso ecossistema.

Infelizmente, é provável que muitas espécies desconhecidas na Amazônia sejam extintas antes mesmo de as descobrirmos. Devemos fazer todo o possível para proteger esta majestosa floresta tropical e os tesouros – conhecidos e desconhecidos – que ela contém.

* Tobias Jackson é pós-doutorando e pesquisa ecologia florestal e conservação na Universidade de Cambridge. Sami Rifai é pesquisador associado em modelam de ecossistemas e dados climáticos da Universidade de Oxford. 

Essa matéria é republicada do site “The Conversation”, sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original

 

COMPARTILHAR