As cores (aprimoradas) de uma galáxia

A Nasa homenageia os 16 anos do Telescópio Espacial Spitzer com uma imagem especial da galáxia Messier 81, uma das primeiras fotografadas pela sonda

Messier 81: diferentes comprimentos de onda em infravermelho compõem a imagem divulgada pela Nasa. Foto: Nasa/JPL-Caltech

A galáxia Messier 81 foi um dos primeiros objetos astronômicos retratados pelas lentes do Telescópio Espacial Spitzer, lançado pela Nasa em agosto de 2003. Para comemorar o 16º aniversário do lançamento, a Nasa divulgou uma dessas imagens em infravermelho, com novos detalhes em observação e processamento.

A Messier 81 foi descoberta em 31 de dezembro de 1774 pelo astrônomo alemão Johann Elert Bode. Também conhecida como M81, LEDA 28630 ou NGC 3031, essa galáxia está a 11,6 milhões de anos-luz da Terra. Seu diâmetro é de 90 mil anos-luz, cerca da metade do tamanho da Via Láctea. É a maior galáxia do grupo M81, um conjunto de 34 galáxias localizadas na constelação da Ursa Maior.

LEIA TAMBÉM: Nasa anuncia aposentadoria do telescópio espacial Spitzer

O belo resultado apresentado pelo Spitzer combina dados da IRAC (Infrared Array Camera) a comprimentos de onda de 3,6/4,5 mícrons (azul/ciano) e 8 mícrons (verde) com dados do Multiband Imaging Photometer (MIPS) em 24 mícrons (vermelho).

Os comprimentos de onda mais curtos captam a distribuição das estrelas. Sem ser atrapalhada pela poeira, a imagem mostra uma distribuição de massa estelar suave e discretos braços espirais.

Braços espirais

Já os comprimentos mais altos expõem melhor os braços espirais externos. A emissão de oito mícrons (verde) é dominada pela luz infravermelha irradiada por poeira aquecida por estrelas luminosas próximas. A luz ultravioleta e visível das estrelas próximas ilumina a poeira.

Os braços espirais da galáxia, que serpenteiam até o núcleo, são formados por estrelas jovens, azuladas e quentes, formadas nos últimos milhões de anos. Eles hospedam uma população de estrelas formada em um episódio de formação estelar iniciado cerca de 600 milhões de anos atrás.

A protuberância central da galáxia contém estrelas muito mais antigas e vermelhas. É significativamente maior que a protuberância da Via Láctea.

Há um buraco negro supermassivo de 70 milhões de massas solares no centro da Messier 81. Ele tem cerca de 15 vezes a massa do buraco negro central da Via Láctea.

A agência espacial americana anunciou em junho que aposentará o Spitzer em janeiro de 2020. Apesar de seu líquido de refrigeração ter acabado em 2009, ele segue produzindo dados científicos relevantes. Mas a Nasa quer que o Spitzer se despeça ainda em alta.