As intrigantes dunas escuras em cratera de Marte

O efeito dos ventos nas dunas da cratera Moreux e um pico com cerca de dois mil metros de altura no seu centro estão entre os aspectos únicos desse acidente geográfico marciano

Cratera Moreux: dunas escuras e um pico de dois metros de altura no centro. Crédito: ESA/DLR/FU Berlin

Conhecida pelas suas vastas dunas onduladas, texturizadas e levemente inclinadas, a região de Terra Sabaea, em Marte, abriga muitas características geológicas fascinantes. Uma delas é a proeminente cratera Moreux, destaque de uma nova imagem da sonda Mars Express, da Agência Espacial Europeia (ESA).

A cratera Moreux apresenta inúmeros processos e características geológicas intrigantes. Ela está localizada na extremidade norte da Terra Sabaea, uma grande área do Planeta Vermelho repleta de crateras de impacto e coberta de fluxos glaciais, dunas, terrenos acidentados e intrincadas redes de cordilheiras.

Quando comparada a outras crateras de impacto em Marte e na Terra, a cratera Moreux parece um pouco deformada e confusa – o resultado da erosão contínua sobre a história marciana. Sua borda em forma de ovo é quebrada, suas paredes escuras são estriadas, onduladas e manchadas, e seu centro apresenta um “pico” proeminente, criado à medida que o material do chão da cratera se recuperou e subiu após o impacto inicial.

LEIA TAMBÉM: Sonda detecta ondas gravitacionais e redemoinhos de poeira em Marte

É difícil obter uma noção de escala ao visualizar esse pico em órbita, mas o pico central da cratera Moreux é considerável, atingindo cerca de dois quilômetros de altura. A cratera em si tem aproximadamente três quilômetros de profundidade e mede 135 quilômetros de ponta a ponta.

Perspectiva do pico localizado no centro da cratera. Crédito: ESA/DLR/FU Berlin
Diferenças nítidas

A gama de cores apresentadas em imagens como estas, tiradas pela câmera estéreo de alta resolução na Mars Express, revela muito sobre a composição de uma região, material ou recurso em particular.

No caso da cratera Moreux, as diferenças de cor são nítidas: enquanto o material circundante é visível em tons de caramelo, as paredes da cratera são escuras, parecendo um anel borrado de cinza ou carvão. Dunas em marrom-escuro cobrem o chão da cratera, enquanto o pico permanece amarelo-laranja pálido. Partículas escuras e proeminentes, compreendendo material arremessado para fora durante a colisão que forma crateras, se espalham para fora da borda da cratera, descolorindo e invadindo o terreno mais claro ao redor.

Essa paleta de cores variada reflete uma composição geológica igualmente variada. Pensa-se que as dunas dentro e ao redor da cratera contêm material arenoso rico em piroxeno e olivina, minerais formadores de rochas que são máficos (contêm magnésio e ferro) e caracterizados por sua aparência tipicamente escura.

Pensa-se também que os ventos marcianos varreram e juntaram areia e cinzas finas, basálticas e vulcânicas dentro e ao redor da cratera. A rocha basáltica é comum em Marte e em outros corpos celestes. É um componente-chave de maria, ou mares, na Lua, por exemplo, e faz com que elas pareçam visivelmente e notavelmente mais escuras do que as montanhas lunares.

As dunas no interior da cratera provavelmente contêm material arenoso rico em piroxeno e olivina. Crédito: ESA/DLR/FU Berlin
Sistema de ventos complexo

Muitas das características, como dunas e fluxos, ao redor do pico central e da região sul da cratera de Moreux , parecem ter sido formadas por gelo. Pensa-se que isso ocorreu na forma de episódios substanciais de atividade glacial nos últimos milhões de anos.

Várias outras características mostram sinais de erosão eólica, ou que foram formadas através de processos relacionados ao vento – principalmente as dunas que cobrem o fundo da cratera. Essas dunas têm forma de foice (barcanoide) e revelam muito sobre a direção do vento dentro e através da cratera.

Pela orientação das dunas, os cientistas inferiram um sistema complexo de ventos predominantes, provavelmente influenciado pela topografia da própria cratera. As dunas ao norte e leste do pico central são amplamente influenciadas pelos ventos vindos do nordeste, enquanto as dunas situadas a oeste do parque são controladas pelos ventos do noroeste. Esses ventos transversais criam uma morfologia interessante e única das dunas na cratera Moreux.