Asteroide passa a quase 3 mil km da Terra, um recorde de proximidade

É a primeira vez que se consegue flagrar uma rocha espacial pequena passando tão perto do nosso planeta

Nunca um asteroide pequeno, do tamanho de um SUV, havia sido detectado passando tão perto da Terra. Crédito: Christian Bodhi/Pixabay

Asteroides passam pelo nosso planeta o tempo todo. Mas um asteroide do tamanho de um veículo utilitário esportivo (SUV) estabeleceu o recorde no fim de semana passado por se aproximar da Terra do que qualquer outro NEA conhecido: passou 2.950 quilômetros acima do sul do Oceano Índico no domingo, 16 de agosto, à 1h08 da madrugada, no horário de Greenwich (UTC).

Com cerca de 3 a 6 metros de diâmetro, o asteroide 2020 QG é muito pequeno para os padrões de asteroides. Se estivesse de fato em uma trajetória de impacto, provavelmente teria se tornado uma bola de fogo ao se fragmentar na atmosfera terrestre, o que acontece várias vezes por ano.

Segundo algumas estimativas, existem centenas de milhões de pequenos asteroides do tamanho do 2020 QG, mas eles são extremamente difíceis de descobrir até chegarem muito perto da Terra. A grande maioria desses corpos passa com segurança a distâncias muito maiores – geralmente, muito mais longe do que a Lua.

LEIA TAMBÉM: Terra e Lua enfrentaram chuva de asteroides há 800 milhões de anos

“É muito legal ver um pequeno asteroide chegar tão perto, porque podemos ver a gravidade da Terra drasticamente dobrar sua trajetória”, disse Paul Chodas, diretor do Centro de Estudos de Objetos Próximos da Terra (CNEOS) do Laboratório de Propulsão a Jato (JPL) da Nasa, no sul da Califórnia. “Nossos cálculos mostram que este asteroide girou cerca de 45 graus ao passar pelo nosso planeta.”

Ilustração que mostra o asteroide 2020 QG passando pela Terra. Crédito: Nasa/JPL-Caltech
Ameaça

Viajando a quase 12,3 quilômetros por segundo – um pouco mais lento do que a média, observou Chodas –, o 2020 QG foi registrado pela primeira vez como apenas uma longa sequência em uma imagem de câmera de campo amplo tirada pelo telescópio Zwicky Transient Facility. A imagem foi obtida seis horas após o ponto de aproximação mais próximo, quando o asteroide estava se afastando da Terra. Um telescópio de levantamento do céu financiado pela National Science Foundation e pela Nasa, o Zwicky Transient Facility está baseado no Observatório do Monte Palomar, da Caltech, no condado de San Diego. O programa de observações de objetos próximos à Terra da Nasa financia o processamento de dados para detecções desses corpos.

O 2020 QG entra nos livros de registros como o asteroide não impactante conhecido mais próximo. Muitos asteroides muito pequenos impactam nosso planeta todos os anos, mas apenas alguns foram realmente detectados no espaço algumas horas antes de atingir a Terra. Em média, um asteroide do tamanho do 2020 QG passa tão perto apenas algumas vezes por ano.

Em 2005, o Congresso americano atribuiu à Nasa a meta de encontrar 90% dos asteroides próximos à Terra com cerca de 140 metros ou mais. Esses asteroides maiores representam uma ameaça muito maior se tiverem impacto e podem ser detectados muito mais longe da Terra, porque sua taxa de movimento no céu é normalmente muito menor nessa distância.

“É uma grande conquista encontrar esses asteroides minúsculos próximos, em primeiro lugar, porque eles passam muito rápido”, disse Chodas. “Normalmente, existe apenas uma pequena janela de alguns dias antes ou depois da aproximação, quando esse pequeno asteroide está perto o suficiente da Terra para ser suficientemente brilhante, mas não tão perto que se mova rápido demais no céu para ser detectado por um telescópio.”

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança