• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Assine
Revista Planeta
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Astronomia
  • Arqueologia
  • Ciência
  • Viagem
  • Espiritualidade
  • Siga-nos:Facebook
Ciência13/12/2021

Asteroide que dizimou dinossauros caiu no Yucatán na primavera

Concepção artística da queda do Chicxulub: o evento ocorreu numa primavera, confirmaram cientistas. Crédito: geralt/Pixabay

13/12/21 - 10h14min - Atualizado em 13/12/21 - 10h15min

Um estudo inovador conduzido por uma equipe internacional de cientistas confirmou de forma conclusiva a época do ano em que caiu o catastrófico asteroide Chicxulub, responsável pela extinção de dinossauros e de 75% da vida na Terra há 66 milhões de anos. A primavera, a estação de novos começos, encerrou o reinado dos dinossauros de 165 milhões de anos e mudou o curso da evolução na Terra.

Os resultados do estudo, publicados na revista Scientific Reports, aumentam muito a capacidade de rastrear os primeiros estágios dos danos à vida na Terra. O trabalho foi liderado por Robert DePalma, autor sênior, professor adjunto do Departamento de Geociências do Colégio de Ciências Charles E. Schmidt da Universidade Atlântica da Flórida (EUA) e doutorando da Universidade de Manchester (Reino Unido), e pelo dr. Anton Oleinik, segundo autor e professor associado do Departamento de Geociências da Universidade Atlântica da Flórida.

“A época do ano desempenha um papel importante em muitas funções biológicas, como reprodução, estratégias de alimentação, interações parasita-hospedeiro, dormência sazonal e padrões de reprodução”, disse DePalma. “Portanto, não é nenhuma surpresa que a época do ano para um perigo em escala global pode desempenhar um grande papel em quão duramente ele afeta a vida. O momento sazonal do impacto de Chicxulub foi, portanto, uma questão crítica para a história da extinção do Cretáceo. Até agora, a resposta a essa pergunta permanecia obscura.”

Esforço de longo prazo

Por décadas, sabe-se que o impacto cataclísmico do asteroide Chicxulub atingiu a Península de Yucatán há 66 milhões de anos. O impacto desencadeou a terceira maior extinção na história da Terra, mudando drasticamente os biomas globais de formas que se relacionam diretamente com a atual crise ecológica global. No entanto, os detalhes mais sutis do que aconteceu após o impacto e como esses eventos levaram à terceira pior extinção em massa na história da Terra permanecem muito nebulosos.

O novo estudo foi um esforço de longo prazo que começou em 2014 e aplicou uma combinação de técnicas tradicionais e de ponta para reunir uma trilha de pistas que permitem a identificação da época do ano para o evento de impacto do Chicxulub. DePalma examinou a localidade de pesquisa de Tanis, no sudoeste da Dakota do Norte (norte dos EUA), um dos locais de fronteira do Cretáceo-Paleógeno (KPg) mais detalhados do mundo, para entender o funcionamento interno do evento de extinção. A pesquisa fornece novos dados importantes ao construir novas pontes acadêmicas.

“Este sítio único na Dakota do Norte rendeu uma grande quantidade de informações novas e interessantes. Os dados de campo coletados no local, após um trabalho árduo para analisá-los, nos forneceram uma visão incrivelmente detalhada não apenas do que aconteceu no limite Cretáceo-Paleógeno, mas também exatamente quando aconteceu”, disse Oleinik. “Não é nada menos que surpreendente como várias linhas de evidências independentes sugeriram tão claramente em que época do ano era 66 milhões de anos atrás quando o asteroide atingiu o planeta. Uma das grandes coisas sobre a ciência é que ela nos permite olhar aparentemente fatos e eventos bem conhecidos em ângulos diferentes e com precisão diferente, portanto, fazendo avançar nosso conhecimento e compreensão do mundo natural. Também prova que a geologia e a paleontologia ainda são uma ciência da descoberta, mesmo no século 21.”

Onda enorme

Usando datação radiométrica, estratigrafia, pólen fóssil, fósseis de índice e uma camada de cobertura de argila rica em irídio, a equipe de pesquisa laboriosamente determinou em um estudo anterior liderado por DePalma em 2019 que o local de Tanis datava precisamente da época do final do Cretáceo em que Chicxulub colidiu com a Terra.

O mesmo estudo documentou que uma enorme onda de água, desencadeada pelo impacto, foi a causa para a camada de sedimento rapidamente depositada que bloqueou o evento no tempo e preservou a única assembleia (grupo de fósseis animais associados encontrados juntos em um determinado estrato) de morte em massa de vertebrados causada por impacto conhecida no limite do evento KPg. O denso emaranhado de plantas, animais, árvores e material ejetado do asteroide possibilitou uma oportunidade única de descobrir os detalhes do evento KPg, a biota que sucumbiu a ele e o ambiente em que esses animais viviam.

“O registro fóssil é a chave para a compreensão da resposta biótica aos perigos em escala global, sem os quais estaríamos mal equipados para responder ou reagir adequadamente aos eventos modernos”, disse DePalma. “Esta utilidade moderna do registro fóssil é destacada pelo fato de que atualmente parecemos estar empoleirados no limiar de outro episódio de estresse biótico global.”

A estrutura e o padrão únicos das linhas de crescimento em ossos de peixes fósseis do local, semelhantes a um código de barras, mostraram que todos os peixes examinados morreram durante a fase de crescimento primavera-verão. A análise isotópica de alta tecnologia das linhas de crescimento forneceu uma confirmação independente disso, mostrando uma oscilação anual que também terminou durante o crescimento primavera-verão.

Comparações

A equipe apoiou ainda mais suas descobertas sobrepondo várias linhas adicionais de evidência. O exame de fósseis de peixes jovens foi apoiado em parte por Fluorescência de Raios X de Varredura Rápida de Síncrotron (SRS-XRF) realizada no Stanford Synchrotron Radiation Lightsource (SSRL), fornecendo uma nova maneira de datar sazonalmente o depósito.

Comparar os tamanhos dos peixes mais jovens com as taxas de crescimento modernas permitiu à equipe prever quanto tempo após a eclosão os peixes permaneceriam enterrados. Comparar isso com as estações de desova modernas conhecidas permitiu-lhes deduzir que variação sazonal era representada pelo depósito em Tanis – da primavera ao verão, exatamente como indicado pelos ossos.

“A beleza de qualquer grande descoberta como esta é que é uma chance de retribuir à comunidade científica e ao mundo”, disse DePalma. “Ele não apenas responde a perguntas importantes, mas também desperta novas mentes para avançar e realizar.”

A pesquisa no sítio está longe de ser concluída, e outros projetos futuros procurarão descobrir mais detalhes sobre esse intervalo de tempo interessante e significativo. Vários pesquisadores de outras instituições, que não fazem parte do estudo principal, examinaram o sítio, além da equipe de pesquisa principal, e esse rico processo colaborativo deverá se prolongar por um bom tempo.

Saiba mais

+ CPF do remetente deverá constar nas encomendas enviadas pelos Correios
+ Por que Saturno é tão temido?
+ Astrônomos chegam a consenso sobre a idade do universo
+ Fã ‘faz diagnóstico’ de hérnia em Rafa Kalimann, que confirma
+ Corpo de responsável por câmeras de clube onde petista foi assassinado é encontrado no Paraná
+ Por que Saturno é tão temido?
+ Veja objetos, símbolos e amuletos que atraem riqueza
+ Anitta conta o que a levou a fazer tatuagem no ânus
+ Ancestral humano desconhecido deixou pegadas estranhas na África


66 milhões de anos