Atração por líderes autoritários está ligada a famílias disfuncionais

Conflitos familiares vividos na parte inicial da vida podem desempenhar um papel relevante nos tipos de líderes que as pessoas seguem quando chegam à fase adulta

Benito Mussolini e Adolf Hitler, exemplos clássicos de líderes tirânicos, em foto de 1940 tirada em Munique: parcela importante do apoio obtido por esses governantes pode ter raízes em famílias disfuncionais. Crédito: Marion Doss/Flickr/CC BY-SA 2.0

Como alguns líderes nos negócios ou na política que parecem egoístas, manipuladores e dominadores ainda conseguem acumular seguidores? Um estudo americano recente publicado no periódico “Journal of Leadership & Organizational Studies” e liderado por Dayna Herbert Walker, professora assistente de administração da Universidade Estadual de San Francisco, encontrou uma conexão entre o ambiente familiar infantil de uma pessoa e os tipos de líderes por quem ela é atraída quando adulta.

Usando dados do Fullerton Longitudinal Study, um estudo de longo prazo que começou a rastrear famílias em 1979, Herbert Walker e três outros pesquisadores notaram uma correlação entre adolescentes que relataram um alto nível de conflito em casa e aqueles que mais tarde identificaram traços socialmente indesejáveis ​​como qualidades de liderança ideais.

“Vemos isso o tempo todo – onde o líder detestável sobe ao topo, mas não sabemos muito sobre o porquê”, disse Herbert Walker. “Os tiranos, estejam eles na sala de reuniões ou na política, não teriam o poder que teriam se os seguidores não os apoiassem. Frequentemente, procuramos líderes para explicar a liderança, mas também deveríamos procurar seguidores.”

LEIA TAMBÉM: Yuval Noah Harari: “Toda crise também é uma oportunidade”

A pesquisa, que acompanhou 130 indivíduos em vários momentos da vida, deu aos pesquisadores detalhes sobre a vida doméstica dos participantes e as características de liderança que eles mais valorizavam. Os pesquisadores estudaram os dados coletados em 1996, quando os participantes tinham 17 anos. Duas décadas depois, como parte de outra rodada de coleta de dados para o Fullerton Longitudinal Study, os pesquisadores fizeram às mesmas pessoas perguntas sobre as qualidades ideais de liderança.

Imagem do líder ideal

A pesquisa de 1996 perguntou aos participantes sobre a dinâmica de suas famílias, tais como se as pessoas em casa levantavam a voz, criticavam umas às outras ou eram violentas fisicamente. Vinte anos depois, solicitou-se a esses entrevistados que avaliassem em uma escala se dez qualidades que os pesquisadores definiram como tirânicas (pessoas dominadoras, agressivas, controladoras, manipuladoras, sedentas de poder, presunçosas, barulhentas, egoístas, antipáticas e exigentes) eram características presentes em sua imagem de um líder ideal.

“É fundamental que perguntemos sobre liderança ideal e não apenas sobre liderança em geral”, disse Herbert Walker, “porque realmente queríamos obter a imagem de liderança preferida de uma pessoa, as características que ela idealmente deseja ver em seus líderes”.

Herbert Walker e os outros autores do estudo compararam os dados de 2016 e 1996 e encontraram uma forte conexão positiva entre aqueles que relataram viver com um alto nível de conflito em casa e aqueles cuja imagem ideal de um líder possuía esses traços negativos. Uma pessoa que experimenta alto conflito na adolescência tem uma probabilidade 20% maior que a chance de preferir um modelo tirânico de liderança, controlando outros fatores conhecidos que moldam as preferências de liderança, como sexo e personalidade. Quando os ambientes familiares dos adolescentes contêm uma grande quantidade de conflitos disfuncionais, é provável que exista algum comportamento tirânico e que a modelagem de papéis possa moldar a maneira como uma pessoa vê a liderança, explicou Herbert Walker.

Comportamento copiado

As descobertas lançam uma nova luz sobre como pode ser a liderança ideal para alguns seguidores, esclarecendo por que alguns de nós são atraídos por tiranos, apesar de sua abordagem dura.

Herbert Walker diz que outro grupo também pode aprender lições importantes das descobertas: maus chefes. Por exemplo, um gerente que acredita que os líderes devam ser autoritários ou manipuladores pode acabar representando esses traços.

“O primeiro passo é levá-los a questionar suas suposições sobre por que eles fazem o que fazem”, disse ela. “Talvez eles percebam que acreditam nisso, porque foi assim que o pai deles se comportou e ele teve sucesso nos negócios. E então eles acreditam que é assim que devem agir.”

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança