Auschwitz: as estratégias das mulheres judias diante do horror nazista

Mais da metade dos judeus mortos no campo de Auschwitz, na Polônia, eram mulheres, e elas desenvolveram métodos diferentes dos homens para enfrentar a terrível realidade do lugar

Mulheres judias em Auschwitz, por volta de 1940. Crédito: S Holocaust Memorial Museum

De 1,3 milhão de pessoas enviadas para Auschwitz, o campo de extermínio nazista na Polônia ocupada, quase todas elas foram assassinadas – foram enviadas para as câmaras de gás ou trabalharam até a morte. A expectativa de vida em muitos desses campos era de seis semanas a três meses.

Mais de um milhão dos mortos em Auschwitz eram judeus, e os estudiosos concluíram que mais da metade deles eram mulheres.

Enquanto trabalhadores escravos em Auschwitz enfrentavam o mesmo destino final, minha pesquisa sobre gênero e o Holocausto descobriu que alguns de seus comportamentos e respostas ao cativeiro eram diferentes.

LEIA TAMBÉM: Nazismo: livro traz novas atrocidades cometidas por Josef Mengele

Métodos de sabotagem

O gênero tem sido esquecido por muito tempo na pesquisa do Holocausto. Escrevendo no final dos anos 1970 e início dos anos 1980, os primeiros estudiosos, como Joan Ringelheim e Sybil Milton, tiveram de lutar por sua legitimidade em um campo que insistia que separar histórias de homens e mulheres judeus sob o regime nazista era um golpe para seu destino conjunto ou para a Solidariedade judaica.

Hoje, porém, o tema está sendo explorado em profundidade, permitindo-nos compreender melhor não só como os judeus morreram durante o Holocausto, mas também como viveram.

Durante o final da década de 1980, conduzi um estudo com homens e mulheres judeus que fizeram parte do “Comando do Canadá” de Auschwitz, a turma de trabalho forçado responsável por separar as posses que os presos trouxeram com eles para o campo e preparar esses itens para reenvio à Alemanha para uso civil.

Como o quartel era o único lugar no campo onde se podia encontrar comida e roupas quase ilimitadas, essa tropa de trabalhos forçados recebeu o nome de Canadá – um país visto como um símbolo de riqueza.

Examinando o comportamento dos homens e mulheres do Comando do Canadá, notei uma diferença interessante. Entre as peças de roupa selecionadas, havia casacos de pele. Embora os prisioneiros dos sexos masculino e feminino do Comando do Canadá tentassem sabotar esse trabalho, cometendo atos puníveis com a morte, seus métodos eram diferentes.

Os prisioneiros homens geralmente rasgavam o forro e as costuras do casaco em pedaços, mantendo apenas a parte externa intacta. No primeiro uso, o casaco se desfazia, deixando o alemão que o usava sem casaco no inverno.

As poucas mulheres sobreviventes do comando que entrevistei não usaram essa tática. Em vez disso, me disseram, elas decidiram juntas inserir notas manuscritas nos bolsos do casaco que diziam algo como: “Mulheres alemãs, saibam que vocês estão usando um casaco que pertenceu a uma mulher que foi morta a gás em Auschwitz”.

Em outras palavras, as mulheres escolheram a sabotagem psicológica. Os homens, a física.

O antigo campo de extermínio nazista de Auschwitz foi convertido em um museu público. Crédito: Peter Toth/Pixabay, CC BY-SA
Lidando com a fome

Uma das experiências mais importantes de todos os prisioneiros do campo durante o Holocausto foi a fome. Embora homens e mulheres passassem fome durante o encarceramento, os prisioneiros de cada sexo usaram métodos de enfrentamento díspares.

Enquanto os homens se divertiam com contos das refeições fantásticas que saboreariam depois de libertados, as mulheres frequentemente discutiam como haviam preparado os vários pratos que amavam antes da guerra, desde assar bolos macios até preparar blintzes judaicos tradicionais. O livro de Cara de Silva de 1996, In Memory’s Kitchen, documenta de forma comovente como esse fenômeno se desenrolou entre as mulheres presas no campo de Terezin.

As diferenças entre os métodos de enfrentamento de homens e mulheres podem ter derivado do comportamento de gênero em suas vidas antes da guerra, em que os homens comiam e as mulheres cozinhavam – pelo menos nas classes média e baixa.

No caso das mulheres, isso também pode ter sido um processo de socialização feminina para resolver dois dilemas simultaneamente: a necessidade psicológica de se envolver – pelo menos verbalmente – com a comida e a necessidade educacional de preparar as meninas do acampamento para a culinária e tarefas domésticas após a guerra.

Em circunstâncias normais, as mães teriam ensinado suas filhas pelo exemplo – não por histórias.

Desenho de Nina Jirsíková retratando mulheres judias em Auschwitz, 1941 Crédito: Remembrance and Memorial Ravensbrück/SBG, V780 E1
Maternidade sob o domínio nazista

Vários estudos históricos mencionam os sacrifícios maternos durante o Holocausto, como as mulheres que optaram por acompanhar os filhos até a morte para que não ficassem sozinhas nos seus últimos momentos na Terra.

Algumas mães, no entanto, agiram de outra forma, conforme documentado pelo sobrevivente polonês não judeu de Auschwitz Tadeusz Borowsky, em seu livro This Way to the Gas Ladies and Gentlemen.

Durante as “seleções” em Auschwitz – quando os prisioneiros eram enviados para viver ou morrer –, os prisioneiros que chegavam eram geralmente divididos por sexo, com idosos, mães e filhos pequenos separados dos homens e meninos mais velhos. As mães com filhos pequenos, junto com os idosos, foram automaticamente enviadas à morte.

Borowsky escreve sobre uma série de jovens mães que se esconderam de seus filhos durante a seleção, na tentativa de ganhar alguns dias a mais ou possíveis horas de vida.

Se um soldado alemão encontrasse uma criança pequena sozinha em uma “seleção”, escreve Borowsky, ele a levaria para cima e para baixo nas fileiras de prisioneiros enquanto gritava: “É assim que uma mãe abandona seu filho?” até rastrear a infeliz mulher e condenar os dois às câmaras de gás.

No início, as sobreviventes de Auschwitz que entrevistei disseram que nunca tinham ouvido falar de tal coisa. Posteriormente, porém, depois que voltei à questão várias vezes por meio de tópicos diferentes, algumas mulheres admitiram ter ouvido que um punhado de mães que chegaram a Auschwitz com filhos pequenos realmente tentaram se esconder para salvar suas próprias vidas.

Os historiadores não são juízes. Não menciono as ações feitas com medo mortal para condenar essas mulheres, mas sim para contribuir, 75 anos depois, para nossa compreensão da vida e morte judaicas sob o terror nazista. Fazer isso requer abandonar noções preconcebidas sobre homens e mulheres, mapeando uma tela mais ampla da dura realidade em Auschwitz.

 

* Judy Baumel-Schwartz é diretora do Instituto Finkler de Pesquisa do Holocausto da Universidade Bar-Ilan (Israel).

** Este artigo foi republicado do site The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original aqui.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança