Australianos mapeiam resposta imunológica bem-sucedida ao Covid-19

Pesquisadores mapearam as respostas imunes de um dos primeiros pacientes com coronavírus na Austrália, mostrando a capacidade do organismo de combater o vírus e chegar à cura

Coronavírus: resposta imunológica mapeada facilita pesquisas em busca da cura. Crédito: Gerd Altmann/Pixabay

Cientistas australianos mapearam as respostas imunológicas de um dos primeiros pacientes novos com o novo coronavírus (Covid-19) da Austrália, mostrando a capacidade do organismo de combater o vírus e se recuperar da infecção.

Pesquisadores do Instituto Peter Doherty para Infecção e Imunidade (Doherty Institute) – uma joint venture entre a Universidade de Melbourne e o Royal Melbourne Hospital – testaram amostras de sangue em quatro momentos diferentes em uma mulher saudável de 40 anos, que tinha o Covid-19 e apresentou sintomas leves a moderados que exigiram internação hospitalar.

O relatório detalhado de como o sistema imunológico da paciente respondeu ao vírus foi publicado na revista “Nature Medicine”. Segundo um dos autores do artigo, a pesquisadora Oanh Nguyen, essa foi a primeira vez que foram relatadas amplas respostas imunes ao Covid-19.

LEIA TAMBÉM: Covid-19: o que é essencial saber sobre o novo coronavírus

“Analisamos toda a amplitude da resposta imune nessa paciente usando o conhecimento que construímos ao longo de muitos anos analisando as respostas imunes em pacientes hospitalizados com influenza”, disse Nguyen. “Três dias após a internação da paciente, vimos grandes populações de várias células imunológicas, que geralmente são um sinal revelador de recuperação durante a infecção sazonal por influenza, por isso previmos que a paciente se recuperaria em três dias. Foi o que aconteceu.”

Resposta dissecada

A equipe de pesquisa conseguiu fazer essa pesquisa tão rapidamente graças ao SETREP-ID (Sentinel Travellers and Research Preparedness for Emerging Infectious Disease), liderado por Irani Thevarajan, médica do Royal Melbourne Hospital, no Doherty Institute. O SETREP-ID é uma plataforma que permite a coleta de uma grande variedade de amostras biológicas em viajantes que retornam no caso de um novo e inesperado surto de doença infecciosa, que foi exatamente como o Covid-19 começou na Austrália.

“Quando o Covid-19 surgiu, já tínhamos ética e protocolos em vigor, para que pudéssemos começar a analisar rapidamente o vírus e o sistema imunológico com mais detalhes”, disse Thevarajan. “(O SETREP-ID) já está estabelecido em vários hospitais de Melbourne, e agora planejamos lançá-lo como um estudo nacional.”

Trabalhando em conjunto com a professora Katherine Kedzierska, da Universidade de Melbourne, chefe de laboratório do Doherty Institute e pesquisadora líder mundial em imunologia contra gripe (influenza), a equipe conseguiu dissecar a resposta imune, levando à recuperação bem-sucedida do Covid-19, que pode ser o segredo para encontrar uma vacina eficaz.

“Mostramos que, embora o Covid-19 seja causado por um novo vírus, em uma pessoa saudável, uma resposta imune robusta em diferentes tipos de células estava associada à recuperação clínica, semelhante à que vemos na gripe”, disse Kedzierska. “Este é um incrível passo à frente no entendimento do que impulsiona a recuperação do Covid-19. As pessoas podem usar nossos métodos para entender as respostas imunes em grupos maiores de Covid-19 e também entender o que está faltando naqueles que têm resultados fatais.”

Segundo Thevarajan, as estimativas atuais mostram que mais de 80% dos casos de Covid-19 são leves a moderados, e entender a resposta imune nesses casos leves é uma pesquisa muito importante. “Esperamos agora expandir nosso trabalho nacional e internacionalmente para entender por que algumas pessoas morrem de Covid-19 e desenvolver mais conhecimento para ajudar na resposta rápida do Covid-19 e de futuros vírus emergentes”, disse ela.