• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Assine
Revista Planeta
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Astronomia
  • Arqueologia
  • Ciência
  • Viagem
  • Espiritualidade
  • Siga-nos:Facebook
Ciência15/12/2021

Ave da época dos dinossauros podia pôr a língua para fora

Concepção artística do pássaro Brevirostruavis macrohyoideus com a boca aberta para mostrar sua longa língua, usada para pegar insetos ou obter néctar de plantas com cones. Crédito: IVPP

15/12/21 - 10h58min

Um novo esqueleto fóssil de uma espécie extinta de ave do nordeste da China que viveu ao lado de dinossauros há 120 milhões de anos preserva inesperadamente uma língua óssea que tem quase o comprimento de sua cabeça. O crânio, muito bem preservado, mostra que o pássaro tinha focinho relativamente curto e dentes pequenos, com ossos extremamente longos e curvos para a língua (denominado aparelho hioide).

Cientistas do Instituto de Paleontologia e Paleoantropologia de Vertebrados (IVPP) da Academia Chinesa de Ciências e da Universidade do Texas em Austin (EUA) chamaram esse pássaro de Brevirostruavis macrohyoideus. O nome significa “pássaro com focinho curto e língua grande”. A descoberta foi publicada na revista Journal of Anatomy.

Precursor

Aprendemos rapidamente, quando crianças, a mostrar a língua, mas a maioria dos répteis e pássaros não tem línguas grandes e musculosas como os humanos. Em vez disso, os pássaros têm um conjunto de elementos em forma de bastão feitos de osso e cartilagem que constituem o aparelho hioide, localizado no assoalho da boca.

Aves com línguas maiores, como patos e papagaios, usam a língua para mover o alimento pela boca, colocar o alimento na boca e ajudar a engoli-lo. Alguns pássaros atuais, como colibris e pica-paus, têm uma língua ossuda tão longa ou mais longa que o crânio.

O Brevirostruavis macrohyoideus é o exemplo mais antigo de um pássaro capaz de colocar a língua para fora. É claro que essa característica nos faz pensar por que esse pássaro conseguiria fazer isso. Os cientistas levantaram a hipótese de que ele pode ter usado esse recurso para capturar insetos da mesma forma que os pica-paus vivos usam a língua para tirar insetos de buracos na casca, madeira e galhos de árvores. Alternativamente, a ave pode ter se alimentado de pólen ou líquidos semelhantes a néctar de plantas da floresta onde vivia. Nenhum conteúdo estomacal foi encontrado com esse esqueleto.

Esse pássaro de focinho curto e língua grande faz parte de um grupo extinto de pássaros chamados Enantiornithines, ou “opostos às aves”. Eles foram o grupo de pássaros de maior sucesso durante o período Cretáceo (entre 66 e 145 milhões de anos atrás), com fósseis encontrados em todo o mundo.

Variações em crânios e línguas

“Vemos muitas variações no tamanho e na forma dos crânios de pássaros enantiornitinos e isso provavelmente reflete a grande diversidade dos alimentos que eles comiam e como pegavam sua comida. Agora, com este fóssil, vemos que não são apenas seus crânios, mas suas línguas também variam”, disse o dr. Min Wang, coautor do estudo.

Os pesquisadores mostraram anteriormente que esses primeiros pássaros tinham crânios bastante rígidos como seus parentes dinossauros. Tal recurso definiu algumas restrições evolutivas e funcionais para os primeiros pássaros. “Talvez a única maneira de eles mudarem fundamentalmente através da evolução como pegavam seus alimentos e que alimentos eles comiam foi encurtar seu crânio, nesse caso, e tornar os ossos da língua muito mais longos”, disse o dr. Zhiheng Li, autor principal do estudo.

O longo e curvo aparelho hioide da ave fóssil é feito de ossos chamados ceratobranquiais. Aves vivas também têm esses ossos em seu hioide, mas são os ossos epibranquiais, ausentes nas primeiras aves, que são muito longos em pássaros como os pica-paus.

“Animais experimentam evolutivamente com o que têm disponível. Esse pássaro desenvolveu uma língua longa usando os ossos que herdou de seus ancestrais dinossauros, e pássaros vivos desenvolveram línguas mais longas com os ossos que possuem. Essa situação demonstra o poder da evolução, com pássaros usando dois caminhos evolutivos diferentes para resolver o mesmo problema de fazer uma língua longa sair da boca”, disse o coautor dr. Thomas Stidham, da Academia Chinesa de Ciências.

Saiba mais
+ Carolina Dieckmann pede R$ 9 milhões por mansão no Rio
+ IPVA 2022 SP: veja como consultar e pagar o imposto
+ Um gêmeo se tornou vegano, o outro comeu carne. Confira o resultado
+ Reencarnação na história: uma crença antiquíssima
+ O que se sabe sobre a flurona?
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua

aparelho