• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Assine
Revista Planeta
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Astronomia
  • Arqueologia
  • Ciência
  • Viagem
  • Espiritualidade
  • Siga-nos:Facebook
Ciência01/07/2022

Aves alertadas sobre escassez de comida por vizinhas mudam fisiologia e comportamento

Cruza-bico vermelho. Crédito: Jamie Cornelius, Universidade Estadual do Oregon

01/07/22 - 11h04min

Aves canoras que aprendem com pássaros próximos que os suprimentos de comida podem estar diminuindo respondem a essa informação mudando sua fisiologia e seu comportamento, mostra uma pesquisa da Faculdade de Ciências da Universidade Estadual do Oregon (EUA).

Depois de receberem informações sociais de vizinhos com restrição alimentar por três dias, os bichinhos vermelhos do estudo aumentaram seu ritmo de consumo, aumentaram sua massa intestinal e mantiveram o tamanho do músculo responsável pelo voo quando suas próprias oportunidades alimentares foram posteriormente limitadas a dois períodos de alimentação curtos por dia.

Os resultados do estudo de Jamie Cornelius, professora assistente de biologia integrativa da Universidade Estadual do Oregon, publicado na revista Proceedings of the Royal Society B, sugerem que as aves podem usar informações sociais sobre a escassez de alimentos para obter uma vantagem adaptativa para a sobrevivência.

Plasticidade fisiológica

“Esta é uma forma totalmente nova de plasticidade fisiológica em pássaros e se baseia em trabalhos anteriores que mostram que as pistas sociais durante o estresse podem realmente mudar a forma como o cérebro processa os estressores”, disse Cornelius.

Ecofisiologista, Cornelius analisa os mecanismos que os animais selvagens, particularmente os pássaros canoros, usam para lidar com eventos imprevisíveis e extremos em seu ambiente, incluindo flutuações na disponibilidade de alimentos. Sua pesquisa combina história natural, endocrinologia e biotelemetria para investigar melhor o que limita a aptidão de um animal em condições difíceis.

“Os animais têm todos os tipos de estratégias para lidar com ambientes desafiadores, desde estratégias de prevenção sazonal, como hibernação ou migração, até comportamentos como armazenamento em cache ou atividade de forrageamento alterada”, disse ela. “Ajustes fisiológicos na taxa metabólica , capacidade digestiva e reservas de energia podem às vezes acompanhar mudanças comportamentais , mas essas coisas podem levar tempo para serem executadas. Isso significa que condições ambientais imprevisíveis são particularmente desafiadoras para muitos animais”.

Sistema interessante

Cornelius mostrou em pesquisas anteriores que um cruza-bico vermelho que tem um vizinho com restrição alimentar secreta níveis mais altos do que o normal do hormônio do estresse corticosterona durante seus próprios períodos de estresse alimentar e também sofre alterações na atividade cerebral que preparam o pássaro para responder mais fortemente ao desafio.

O cruza-bico, conhecido cientificamente como Loxia curvirostra, é uma espécie nômade que migra com base na disponibilidade de alimentos e incorpora o canto ou o comportamento de outras aves em sua tomada de decisão sobre como responder à privação de alimento.

Encontrado em toda a Europa e América do Norte, o cruza-bico é membro da família dos tentilhões. É conhecido, como o próprio nome sugere, pelas pontas do bico superior e inferior que se cruzam, característica que o ajuda a puxar sementes de cones de coníferas e outras frutas.

“Cruza-bicos são um sistema de estudo interessante por causa de sua dependência de sementes de coníferas”, disse Cornelius. “Culturas de sementes de coníferas são um tanto imprevisíveis em relação tanto a onde as culturas de sementes se desenvolvem a cada ano quanto a em quanto tempo uma cultura de sementes pode sustentar as aves. Usamos os cruza-bicos como um sistema de estudo para tentar entender quais estratégias os pássaros poderiam ter disponíveis quando a comida declina de repente porque essas aves podem ter de lidar com isso com mais frequência do que outras espécies.”

Informações preditivas

Nesta pesquisa, que envolveu cruza-bicos em cativeiro, algumas das aves receberam três dias de informação social de pássaros privados de comida antes de suas próprias limitações alimentares; outras aves receberam três dias de informação social de pássaros privados de alimento ao mesmo tempo que sua própria privação de comida ocorria.

Cornelius refere-se à primeira coleção de pássaros como o grupo focal preditivo social e ao último como o grupo focal paralelo social.

“As aves se saíram melhor na manutenção da massa corporal durante a restrição alimentar se as informações sociais fossem preditivas do declínio nos recursos alimentares”, disse ela. “A informação social é importante para os animais em muitos contextos diferentes, e este estudo demonstra um novo benefício: o aviso prévio sobre o declínio de alimentos pode levar a melhores resultados em tempos de escassez.”

Saiba mais

+ CPF do remetente deverá constar nas encomendas enviadas pelos Correios
+ Por que Saturno é tão temido?
+ Astrônomos chegam a consenso sobre a idade do universo
+ Fã ‘faz diagnóstico’ de hérnia em Rafa Kalimann, que confirma
+ Corpo de responsável por câmeras de clube onde petista foi assassinado é encontrado no Paraná
+ Por que Saturno é tão temido?
+ Veja objetos, símbolos e amuletos que atraem riqueza
+ Anitta conta o que a levou a fazer tatuagem no ânus
+ Ancestral humano desconhecido deixou pegadas estranhas na África


alimento