Aves escolhem rotas a partir de vento e correntes térmicas para migrar

Pássaros migratórios ajustam suas rotas de voo para se beneficiar das melhores condições de vento e correntes térmicas ascendentes quando voam sobre o mar

Condições atmosféricas são importantes na escolha das rotas das aves migratórias, e as mudanças climáticas provavelmente interferirão nesse processo. Crédito: Pikrepo

Pesquisadores do Instituto Max Planck de Comportamento Animal e da Universidade de Konstanz, na Alemanha, identificaram como grandes pássaros terrestres voam sem parar por centenas de quilômetros sobre o oceano aberto, sem fazer pausa para comer ou descansar. Eles publicaram seu estudo na revista Proceedings of the Royal Society B.

Usando a tecnologia de rastreamento GPS, a equipe monitorou a migração global de cinco espécies de grandes pássaros terrestres que completam longas travessias no mar. Eles descobriram que todos os pássaros exploravam o vento e a elevação para reduzir os custos de energia durante o voo – até mesmo ajustando suas rotas migratórias para se beneficiar das melhores condições atmosféricas.

Este é o estudo mais abrangente do comportamento de travessia do mar até o momento. Ele revela o importante papel da atmosfera em facilitar a migração sobre o mar aberto para muitas aves migratórias.

Voos sem escalas

Voar sobre o mar aberto pode ser perigoso para os pássaros terrestres. Ao contrário das aves marinhas, as terrestres não conseguem descansar ou se alimentar na água e, portanto, as travessias marítimas devem ser realizadas como voos sem escalas. Durante séculos, os observadores presumiram que os grandes pássaros terrestres só conseguiam travessias marítimas de menos de 100 quilômetros e evitavam completamente voar sobre o oceano.

No entanto, avanços recentes na tecnologia de rastreamento por GPS derrubaram essa suposição. Dados obtidos anexando pequenos dispositivos de rastreamento em pássaros selvagens mostraram que muitos pássaros terrestres voam centenas ou mesmo milhares de quilômetros em mares e oceanos abertos como parte regular de sua migração.

Mas os cientistas ainda estão descobrindo como os pássaros terrestres conseguem fazer isso. Bater asas é uma atividade energeticamente dispendiosa, e tentar sustentar o voo contínuo por centenas de quilômetros não seria possível para pássaros terrestres grandes e pesados. Alguns estudos sugeriram que os pássaros sustentam essas viagens usando o vento de cauda, ​​um vento horizontal que sopra na direção do voo do pássaro, o que os ajuda a economizar energia. Mais recentemente, um estudo revelou que uma única espécie – a águia-pesqueira – usou as correntes térmicas ascendentes conhecidas como uplift para voar sobre o mar aberto.

Comportamento examinado

O novo estudo examinou o comportamento de travessia marítima de 65 pássaros de cinco espécies para obter a visão mais abrangente de como as aves terrestres sobrevivem a voos longos sobre o mar aberto. Os pesquisadores analisaram 112 trilhas de travessia marítima, coletadas ao longo de nove anos, com informações atmosféricas globais para apontar os critérios usados pelas aves para selecionar suas rotas de migração em mar aberto. Uma grande colaboração internacional de cientistas compartilhou seus dados de rastreamento para tornar o estudo possível.

As descobertas não apenas confirmam o papel do vento de cauda em facilitar o comportamento de travessia do mar, mas também revelam o uso generalizado do uplift para economizar energia durante esses voos sem escalas. O uplift adequado significa menos arrasto, tornando a travessia marítima menos exigente energeticamente.

“Até recentemente, o uplift era considerado fraco ou ausente na superfície do mar. Mostramos que não é o caso”, disse a primeira autora Elham Nourani, pesquisadora de pós-doutorado no Departamento de Biologia da Universidade de Konstanz, que fez o trabalho quando estava no Instituto Max Planck de Comportamento Animal. “Em vez disso, descobrimos que as aves migratórias ajustam suas rotas de voo para se beneficiar das melhores condições de vento e elevação quando voam sobre o mar. Isso as ajuda a manter o voo por centenas de quilômetros”, disse Nourani.

Os pássaros terrestres conseguem voar por centenas de quilômetros em mar aberto. Em seu estudo, Nourani et al. mostram que as trajetórias de migração no outono de algumas dessas aves correspondem às correntes térmicas ascendentes (uplift) sobre a superfície do mar. O uplift adequado significa menos arrasto, tornando a travessia marítima menos exigente energeticamente. Além disso, um forte uplift pode permitir que os pássaros se elevem. O mapa apresenta rotas migratórias de cinco aves diferentes, identificadas na penúltima linha, a partir da esquerda: urubu-oriental; urubu-de-face-cinza; falcão-de-amur; falcão-da-rainha; falcão-peregrino; água-pescadora. Crédito: Elham Nourani/Instituto Max Planck de Comportamento Animal
Impacto das mudanças climáticas

O urubu-oriental (Pernis ptilorhynchus), por exemplo, voa 700 quilômetros sobre o Mar da China Oriental durante sua migração anual do Japão para o sudeste da Ásia. A travessia marítima ininterrupta de aproximadamente 18 horas é realizada no outono, quando as condições de movimento do ar são ideais. “Fazendo uso do uplift , essas aves podem voar até um quilômetro acima da superfície do mar”, disse Nourani.

O estudo também levanta a questão de como a migração será afetada por uma mudança climática. “Nossas descobertas mostram que muitas aves terrestres dependem do suporte atmosférico para completar suas migrações sobre o mar aberto, indicando sua vulnerabilidade a quaisquer mudanças nos padrões de circulação atmosférica da Terra”, afirmou Nourani.

“Estudos colaborativos como este são importantes para desvendar padrões gerais sobre como as aves migratórias dependem dos padrões climáticos”, ela acrescentou. “Isso permite que estudos futuros façam previsões robustas sobre como essas aves serão impactadas pelas mudanças climáticas.”

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago