Avós de baleia assassina aumentam a chance de sobrevivência de filhotes

Depois de entrarem na menopausa, as avós orcas podem concentrar mais tempo e recursos na geração mais nova

J8, de 72 anos, nada na costa oeste da América do Norte. A orca é uma das poucas espécies nas quais a fêmea passa pela menopausa. Crédito: Kenneth Balcomb, Center for Whale Research

As avós de orcas (as chamadas “baleias assassinas”) que estão na pós-menopausa melhoram as chances de sobrevivência de seus netos, segundo uma nova pesquisa internacional publicada na revista “Proceedings of the National Academy of Sciences”. O estudo constatou que as avós já incapazes de gerar filhotes tiveram o maior impacto benéfico nas chances de sobrevivência de seus netos. Isso pode acontecer porque as avós sem filhotes são livres para concentrar tempo e recursos na geração mais nova, sugerem os pesquisadores.

A equipe de pesquisa, que reuniu cientistas das universidades de York e Exeter (Reino Unido), do Center for Whale Research (EUA) e do Fisheries and Oceans Canada, também descobriu que as avós tinham um papel particularmente importante em tempos de escassez de alimentos, já que o impacto em um filhote de perder uma avó pós-menopausa era mais alto nos anos em que o salmão era escasso. Pesquisas anteriores mostraram que as orcas em fase pós-reprodutiva são as mais instruídas e fornecem um importante papel de liderança para o grupo quando se alimentam em áreas de salmão.

Esses benefícios para o grupo podem ajudar a resolver o antigo mistério de por que a menopausa evoluiu em algumas espécies de baleias e em seres humanos, segundo os pesquisadores.

LEIA TAMBÉM: Baleias são vistas na Grande Mancha de Lixo do Pacífico pela primeira vez

Nível de apoio diferente

“O estudo sugere que as avós reprodutoras não são capazes de fornecer o mesmo nível de apoio que as avós que não reproduzem mais. Isso significa que a evolução da menopausa aumentou a capacidade da avó de ajudar seus netos”, disse o autor sênior do estudo, Dan Franks, do Departamento de Biologia da Universidade de York (Reino Unido). “A morte de uma avó pós-menopausa pode ter repercussões importantes para o seu grupo familiar, e isso pode ser uma consideração importante ao avaliar o futuro dessas populações. Como as populações de salmão continuam a declinar, é provável que as avós se tornem ainda mais importantes. nessas populações de baleias assassinas.”

Os cientistas analisaram 36 anos de dados coletados pelo Center for Whale Research e pelo Fisheries and Oceans Canada em duas populações de baleias assassinas. As populações (compostas por vários grupos familiares ) vivem na costa noroeste do Pacífico do Canadá e dos EUA e se alimentam de salmão-rei.

Nas baleias assassinas que vivem na natureza, filhotes dos dois sexos ficam com a mãe por toda a vida, mas se acasalam com indivíduos de um grupo familiar diferente. Orcas machos geralmente têm uma vida útil mais curta do que as fêmeas, e muitos não sobrevivem além de 30 anos. As fêmeas geralmente param de se reproduzir entre 30 e 40 anos, mas, assim como os seres humanos, podem viver muitas décadas após a menopausa.

Stuart Nattrass, da Universidade de York e principal autor do estudo, observou: “As descobertas ajudam a explicar fatores que estão impulsionando a sobrevivência e o sucesso reprodutivo das baleias, que são informações essenciais, uma vez que as baleias assassinas que vivem no sul – uma das populações em estudo – está listada como ameaçada e em risco de extinção.”

Investimento menor

“Suspeitamos que quando as avós reprodutoras apoiam seus próprios filhotes, seus padrões de movimento e atividade são limitados e elas não são capazes de fornecer apoio e liderança da mesma maneira que as fêmeas na pós-menopausa”, acrescentou Nattrass. “Além disso, as avós com seus filhotes estarão ocupadas cuidando da prole e poderão investir menos em seus netos, em comparação com as avós na pós-menopausa.”

Darren Croft, da Universidade de Exeter e coautor do estudo, lembrou que “a menopausa evoluiu apenas em seres humanos, baleias assassinas e três outras espécies de baleias dentadas, e entender por que as fêmeas dessas espécies interrompem a reprodução bem antes do fim da vida”. é um quebra-cabeça evolutivo de longa data”.

“Nossas novas descobertas mostram que, assim como nos seres humanos, as avós que passaram pela menopausa são mais capazes de ajudar seus netos e esses benefícios para o grupo familiar podem ajudar a explicar por que a menopausa evoluiu nas baleias assassinas, assim como nos seres humanos”, complementou Croft.