Bairro oculto na cidade maia de Tikal sugere ocupação por Teotihuacán

Construções achadas com tecnologia lidar contêm características muito parecidas com as da grande metrópole mesoamericana e indicariam uma área erguida para os conquistadores

Análise recente feita com lidar revelou que uma área que já foi considerada colinas naturais (centro), perto do complexo do Mundo Perdido de Tikal (direita), é na verdade uma cidadela em ruínas de 1.800 anos de idade. Crédito: Thomas Garrison/Pacunam

Desde os anos 1950, cientistas têm escavado as ruínas de Tikal, uma antiga cidade maia na atual Guatemala. Graças a essas muitas décadas de documentação de detalhes de cada estrutura e catalogação de cada item escavado, Tikal se tornou um das mais estudados e bem compreendidas sítios arqueológicos do mundo.

Mas uma descoberta recente surpreendente pelo consórcio de pesquisa Pacunam Lidar Initiative fez com que antigos estudiosos da Mesoamérica em todo o mundo se perguntassem se conhecem Tikal tão bem quanto pensam.

Usando software de detecção e alcance de luz, ou lidar, Stephen Houston, professor de antropologia da Universidade Brown, e Thomas Garrison, professor assistente de geografia da Universidade do Texas em Austin (ambas nos EUA), descobriram que o que há muito se supunha ser uma área de colinas naturais a uma curta caminhada do centro de Tikal era na verdade um bairro de prédios em ruínas projetados para se parecerem com os de Teotihuacán, a maior e mais poderosa cidade das Américas antigas.

Nível de interação diferente

Segundo Houston, sua análise lidar, juntamente com uma escavação subsequente por uma equipe de arqueólogos guatemaltecos liderados por Edwin Román Ramírez, gerou novos conhecimentos e grandes questões sobre a influência de Teotihuacán na civilização maia.

“O que consideramos ser colinas naturais, na verdade foram prédios modificados e adaptados ao formato da cidadela – a área que possivelmente era o palácio imperial – em Teotihuacán”, disse Houston. “Independentemente de quem construiu essa réplica em menor escala e por que o fez, isso mostra sem dúvida que havia um nível diferente de interação entre Tikal e Teotihuacán do que se acreditava anteriormente.”

Os resultados, incluindo imagens lidar e um resumo das descobertas da escavação, foram publicados na revista Antiquity.

Tikal e Teotihuacán eram cidades radicalmente diferentes, disse Houston. Tikal, uma cidade maia, era bastante populosa, mas relativamente pequena em escala – “você poderia ter caminhado de uma ponta a outra do reino em um dia, talvez dois”. Enquanto isso, Teotihuacán tinha todas as marcas de um império. Embora pouco se saiba sobre as pessoas que fundaram e governaram Teotihuacán, está claro que, como os romanos, sua influência se estendeu muito além de seu centro metropolitano: as evidências mostram que eles moldaram e colonizaram comunidades incontáveis ​​a centenas de quilômetros de distância.

Ocupação ou vigilância

Houston disse que os antropólogos sabem há décadas que os habitantes das duas cidades estiveram em contato e muitas vezes fizeram comércio por séculos antes de Teotihuacán conquistar Tikal, por volta do ano 378 d.C. Há também amplas evidências sugerindo que, entre os séculos 2 d.C. e 6 d.C., as elites e os escribas maias viveram em Teotihuacán, alguns trazendo elementos da cultura e materiais do império – incluindo seus rituais funerários únicos, estilo arquitetônico de encostas e painéis e obsidiana verde – de volta para casa em Tikal. Outro especialista maia, David Stuart, da Universidade do Texas em Austin, traduziu inscrições que descrevem a época em que generais de Teotihuacán, incluindo um chamado “Nascido do Fogo”, viajaram para Tikal e destituíram o rei maia local.

Mas as últimas descobertas e escavações lidar do consórcio de pesquisa provam que o poder imperial no México fez mais do que apenas comercializar e influenciar culturalmente a pequena cidade de Tikal antes de conquistá-la.

“O complexo arquitetônico que encontramos parece ter sido construído para pessoas de Teotihuacán ou sob seu controle”, disse Houston. “Talvez fosse algo como um complexo de embaixadas, mas quando combinamos pesquisas anteriores com nossas últimas descobertas, sugere algo mais pesado, como ocupação ou vigilância. No mínimo, mostra uma tentativa de implantar parte do plano de uma cidade estrangeira em Tikal.”

Tecnologia não local

Houston disse que as escavações após o trabalho com lidar, lideradas por Román Ramírez, confirmaram que alguns edifícios foram construídos com gesso de lama em vez do tradicional calcário maia. As estruturas foram projetadas para serem réplicas menores dos edifícios que compõem a cidadela de Teotihuacán – até as cornijas e os terraços intrincados e a orientação leste-norte específica de 15,5 graus das plataformas do complexo.

“Isso quase sugere que os construtores locais foram instruídos a usar uma tecnologia de construção inteiramente não local ao construir esse novo complexo de edifícios”, disse Houston. “Raramente vimos evidências de algo além da interação de mão dupla entre as duas civilizações, mas aqui, parece que estamos olhando para estrangeiros que estão se movendo agressivamente para a área.”

Em um complexo adjacente de edifícios residenciais recém-descoberto, os arqueólogos encontraram pontas de projéteis feitas com pederneira, um material comumente usado pelos maias, e obsidiana verde, um material usado pelos residentes de Teotihuacán – fornecendo evidências aparentes de conflito.

Perto da réplica da cidadela, os arqueólogos também recuperaram os restos de um corpo cercado por vasos cuidadosamente colocados, fragmentos de cerâmica, ossos de animais e pontas de projéteis. O local estava pontilhado de carvão, sugerindo que tinha sido incendiado. Houston disse que a cena tem pouca semelhança com outros enterros ou sacrifícios em Tikal, mas é muito semelhante aos restos mortais de guerreiros encontrados anos atrás no centro de Teotihuacán.

“Escavações no meio da cidadela em Teotihuacán encontraram os sepultamentos de muitos indivíduos vestidos como guerreiros, e eles parecem ter sido sacrificados e colocados em valas comuns”, disse Houston. “Possivelmente encontramos vestígios de um daqueles cemitérios em Tikal.”

Influência a ser mais conhecida

Houston e seus colegas internacionais ainda têm muito mais a descobrir e analisar. Andrew Scherer, professor associado de antropologia na Universidade Brown e especialista em ossos, estudará os restos mortais humanos para determinar suas origens, potencialmente revelando mais sobre a relação de Teotihuacán com Tikal. No último verão no hemisfério norte, quando as restrições de viagens relacionadas à covid-19 começaram a diminuir, Houston se juntou a Garrison, Román Ramírez e Morgan Clark (graduando em antropologia na Universidade Brown), na Guatemala para descobrir edifícios, fortificações e tanques de armazenamento em fortalezas próximas. As escavações serão retomadas neste outono em Tikal, sob a liderança de Román Ramírez.

Quanto mais eles descobrem, disse Houston, mais ele espera que entendam sobre a presença de Teotihuacán em Tikal – e, de forma mais ampla, como seu poder imperial mudou o diversificado cenário cultural e político da Mesoamérica.

“Neste momento, as pessoas estão bastante interessadas no processo de colonização e suas consequências, e em como nossas visões do mundo são informadas ou distorcidas pela expansão dos sistemas econômicos e políticos ao redor do globo”, disse Houston. “Antes da colonização europeia das Américas, havia impérios e reinos de influência e força desproporcionais interagindo com civilizações menores de uma forma que causou um grande impacto. Explorar a influência de Teotihuacán na Mesoamérica pode ser uma forma de explorar os primórdios do colonialismo e suas opressões e conluios locais.”

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago