Baleia morre por engolir 40 kg de materiais plásticos

Biólogos marinhos e voluntários do museu D' Bone Collector que fizeram a autópsia ficaram chocados ao tirar tanto lixo de dentro do animal

Um dos tantos sacos plásticos retirados do estômago da baleia-bicuda-de-cuvier morte por "choque gástrico" nas Filipinas. (Crédito: Museu D'Bone Collector)

Uma jovem baleia-bicuda-de-cuvier macho que apareceu morta nas Filipinas, neste fim de semana, sofreu um “choque gástrico” por ingerir 40 kg de sacos plásticos. Os biólogos marinhos e voluntários do museu D’ Bone Collector, na cidade de Davao, ilha de Mindanao, que fizeram a autópsia ficaram chocados ao tirar tanto lixo de dentro do animal, entre tudo puderam contar 16 sacos de arroz e várias sacolas de compras.

Em uma publicação no Facebook, o D’ Bone Collector Museum afirmou que dessa baleia tiraram a maior quantidade de material plástico que já tinham visto. “A ação deve ser tomada pelo governo contra aqueles que continuam a tratar os cursos de água e o oceano como lixeiras”, defende o post.

O uso descontrolado de plástico descartável e sua destinação incorreta têm se tornado uma marca do sudeste asiático. Um relatório de 2017 da Ocean Conservancy informou que a China, a Indonésia, as Filipinas, a Tailândia e o Vietnã têm despejado mais plástico no oceano do que todos os outros países do mundo somados.

Biólogo marinho e dono do museu D’ Bone Collector, Darrell Blatchley, ao lado da baleia (Crédito: Museu D’Bone Collector)

O biólogo marinho Darrell Blatchley, que também é dono do museu, disse que nos últimos 10 anos eles examinaram baleias e golfinhos mortos, 57 deles morreram devido ao lixo acumulado e ao plástico em seus estômagos.

Em junho do ano passado, uma baleia morreu no sul da Tailândia depois de engolir mais de 80 sacos plásticos, que pesavam cerca de 8 quilos no estômago da criatura. Biólogos estimam que cerca de 300 animais marinhos, incluindo baleias, tartarugas e golfinhos morrem a cada ano em águas tailandesas depois de ingerir plástico.

COMPARTILHAR
blog comments powered by Disqus