Baleias comem muito mais do que se pensava

Consumo entre baleias de barbatana, como a jubarte e a baleia-azul, é três vezes maior do que o estimado antes. Mas esses animais também ajudam a reciclar nutrientes e aumentam a produtividade do oceano

Jubarte: consumo de alimentos é o triplo do que se calculava antes. Crédito: © Projeto Baleia Jubarte/Petrobras

As baleias de barbatanas consomem três vezes mais presas do que o estimado anteriormente, sugere um artigo publicado na revista Nature. A comparação do consumo de presas antes e depois do início da caça às baleias no século 20 fornece conhecimentos sobre como o declínio das populações de baleias pode ter mudado significativamente os ecossistemas oceânicos.

As baleias de barbatanas incluem espécies como a jubarte e a baleia-azul – os maiores animais que vivem na Terra. Elas consomem grandes quantidades de presas e contribuem para a reciclagem de nutrientes por meio da excreção de alimentos não digeridos.

Estimativas de consumo de presas podem fornecer informações sobre seu papel nos ecossistemas, tanto no passado quanto no presente. No entanto, essas estimativas – feitas anteriormente por meio de modelos metabólicos ou pela análise do conteúdo estomacal de baleias mortas – costumam ser baseadas em dados extrapolados não validados experimentalmente.

Consumo três vezes maior

Matthew Savoca, da Universidade Stanford (EUA), e seus colegas mediram as taxas de alimentação de 321 baleias de sete espécies nos oceanos Atlântico, Pacífico e Antártico. O comportamento diário de forrageamento e o consumo de presas foram calculados rastreando a localização das baleias por meio de etiquetas e combinando esses dados com medições acústicas de densidade de presas, estimativas específicas de espécies de taxas de alimentação e presas consumidas por alimento.

No geral, constatou-se que as baleias de barbatanas consomem três vezes mais presas do que o estimado anteriormente, o que equivale a um consumo médio diário de presas entre 5% e 30% de sua massa corporal, em todas as espécies e regiões estudadas. Por exemplo, as populações de baleias-azuis, baleias-comuns e jubartes no ecossistema atual da Califórnia requerem, cada uma, mais de 2 milhões de toneladas de krill todos os anos. Somente no Oceano Antártico, os autores estimam que essas baleias consumiram 430 milhões de toneladas de krill antártico (Euphausia superba) por ano antes do início da caça às baleias no século 20 – o dobro da biomassa total estimada dessa espécie de krill hoje.

Os autores também sugerem que populações maiores de baleias antes da caça a esses animais no século 20 poderiam ter sustentado uma maior produtividade do oceano por meio da reciclagem aprimorada de nutrientes. De fato, suas descobertas sugerem que no Oceano Antártico, por exemplo, as baleias de barbatanas reciclaram 12 mil toneladas de ferro por ano antes da caça às baleias, em comparação com 1.200 toneladas por ano hoje.

Os autores concluem que, se a recuperação das populações de baleias for encorajada, a função do ecossistema que foi perdida no século 20 pode ser restaurada e a produtividade do oceano, aumentada.

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago