Betelgeuse: o que há de verdade sobre a morte iminente da estrela

Escurecimento substancial não é necessariamente um sinal de que a estrela mais brilhante da constelação de Órion está morrendo

Comparação do brilho de Betelgeuse entre dezembro de 2019 (direita) e janeiro de 2020: a redução incomum despertou especulações de que a estrela estaria morrendo. Crédito: ESO/M. Montargès et al.

Toda estação tem suas constelações características de estrelas no céu noturno. Órion – uma das mais reconhecíveis – é claramente visível em noites de inverno nítidas e claras no hemisfério norte. A constelação é fácil de detectar, mesmo em cidades poluídas pela luz, com suas estrelas brilhantes representando a forma de uma pessoa.

Marcando o ombro esquerdo superior de Órion, Betelgeuse costuma ser sua estrela mais brilhante. De cor vermelha, essa estrela é geralmente a 12ª mais brilhante em todo o céu. Mas recentemente diminuiu drasticamente para a 21ª estrela mais brilhante do céu. Como resultado, muitos começaram a especular sobre a possibilidade de explodir. Mas poderia? E como isso seria?

Betelgeuse é o que os astrônomos chamam de supergigante vermelha, até 20 vezes mais massiva que o nosso Sol. Estrelas supergigantes vermelhas chegaram ao fim de sua vida e se expandiram substancialmente. Betelgeuse tem um raio de aproximadamente 900 vezes o do nosso Sol. Se o Sol tivesse esse tamanho, sua superfície chegaria a Júpiter.

LEIA TAMBÉM: Telescópio capta belo (e intrigante) resultado de luta entre estrelas

Variação de brilho

A 640 anos-luz de distância, Betelgeuse é a única estrela que não a nossa cuja superfície podemos imaginar diretamente em detalhes. Felizmente, isso pode nos ajudar a entender por que o brilho varia tanto. Nesse tamanho, as estrelas transportam sua energia ou calor gerado em seu núcleo para a superfície por convecção – um método de transporte que experimentamos quando cozemos ovos. À medida que a água ferve, ela sobe, enquanto a água fria desce para ser aquecida. Essas correntes ascendentes e descendentes são conhecidas como células de convecção.

Cada uma dessas células tem apenas alguns centímetros de diâmetro nesse exemplo, mas em Betelgeuse elas são gigantescas e se movem muito mais lentamente enquanto interagem com o substancial campo magnético da estrela. Como o calor da superfície da estrela determina seu brilho, Betelgeuse mostra uma variação bastante grande de manchas mais escuras e mais brilhantes em sua superfície. À medida que a estrela borbulha e gira, veremos um brilho lentamente variável.

Outra característica interessante é que a superfície de Betelgeuse é bastante fria, daí sua cor vermelha. Por ter um raio enorme, a estrela também possui uma aderência gravitacional diminuída em suas superfícies externas. Isso significa que ela perde parte de seu material – criando nuvens empoeiradas ao seu redor que podem causar escurecimento à medida que se movem na frente da estrela.

É possível monitorar a mudança de brilho de Betelgeuse usando apenas os olhos e nenhum telescópio. No hemisfério norte, Órion é observável durante a primeira metade da noite até fevereiro. Compare Betelgeuse com outras estrelas de brilho diferente para determinar o quão brilhante é. Atualmente, Pólux, em Gêmeos, tem brilho semelhante, e Bellatrix, em Órion, é um pouco mais fraca.

Supernova iminente?

Enquanto assiste a essa estrela, você pode se perguntar se essa supergigante está prestes a se tornar uma supernova (uma explosão estelar) e terminar sua vida em um espetacular espetáculo de luz. De fato, essa estrela é o candidato mais próximo a se tornar supernova em escalas astronômicas – a qualquer momento nos próximos 100 mil anos.

Mas esse escurecimento substancial atual não é necessariamente um sinal de sua morte iminente. Isso ocorre porque, nesta fase, não sabemos o suficiente sobre como o brilho de uma estrela se desenvolve antes desse evento. Dito isto, o escurecimento torna Betelgeuse bastante interessante para os astrônomos.

Se isso acontecesse, seria a supernova mais brilhante já observada. Em questão de dias, ela se tornaria tão brilhante quanto a lua cheia, visível durante o dia e brilhante o suficiente à noite para projetar sombras na Terra.

Variabilidade mais impressionante

Betelgeuse começaria então uma fase de escurecimento final rápido e alcançaria novamente seu nível de brilho atual após possivelmente três anos. Depois de seis anos, seria muito fraca para ver a olho nu. Isso alteraria para sempre a aparência visual de Órion e talvez precisássemos pensar em outro objeto que a constelação restante possa representar.

Há muitas estrelas incríveis por aí que mostram uma variabilidade que pode ser muito mais impressionante do que a de Betelgeuse, mas elas não são tão fáceis de detectar. Um exemplo é a estrela variável Mira, que varia seu brilho em um fator de 630, em comparação com meras três vezes para Betelgeuse. Mas Mira está localizada na constelação bastante difícil de localizar de Cetus (a baleia), abaixo de Peixes (os peixes), e nunca aparece tão brilhante quanto Betelgeuse.

Portanto, Betelgeuse é um ponto de partida fácil para explorar as maravilhas do nosso universo por si mesmo. E, ao fazer isso, reflita sobre o fato de que os humanos têm feito exatamente a mesma coisa há tempos imemoriais – há, de fato, evidências de que os aborígines australianos observavam estrelas e avistavam sua variabilidade há milhares de anos.

 

* Daniel Brown é professor de Astronomia da Nottingham Trent University

 

Este artigo foi republicado do site The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original aqui.