‘Birra’ de estrela bebê explica fenômeno raro no céu

Fluxos de matéria ejetados por protoestrela que viajam a velocidades fabulosas produzem os belos objetos multicoloridos Herbig-Haro

Dois objetos Herbig-Haro na constelação da Vela: espetáculo celeste. Crédito: ESA/Hubble & Nasa, B. Nisini

Os objetos Herbig-Haro são algumas das imagens mais raras observadas no céu noturno. Eles assumem a forma de finos jatos finos de matéria flutuando entre o gás e as estrelas circundantes.

Os dois objetos Herbig-Haro vistos nesta imagem tirada com o telescópio espacial Hubble, da Nasa/ESA, catalogados como HH46 e HH47, foram avistados na constelação da Vela, a mais de 1.400 anos-luz da Terra. Antes de sua descoberta em 1977, pelo astrônomo americano R. D. Schwartz, o mecanismo exato pelo qual esses objetos multicoloridos se formam era desconhecido.

Antes de 1997, Schwartz e outros propunham que os objetos poderiam ser um tipo de nebulosa de reflexão, ou um tipo de onda de choque formada a partir do gás emitido por uma estrela interagindo com a matéria circundante. O mistério foi finalmente resolvido quando uma protoestrela, invisível na imagem acima, foi descoberta no centro dos longos jatos de matéria. Os fluxos de matéria, com cerca de 10 anos-luz de diâmetro, foram ejetados da estrela recém-nascida e violentamente impulsionados para fora a velocidades de mais de 150 quilômetros por segundo. Ao atingir o gás circundante, a colisão criou as ondas de choque brilhantes vistas aqui.

Saiba mais

+ CPF do remetente deverá constar nas encomendas enviadas pelos Correios
+ Por que Saturno é tão temido?
+ Astrônomos chegam a consenso sobre a idade do universo
+ Fã ‘faz diagnóstico’ de hérnia em Rafa Kalimann, que confirma
+ Corpo de responsável por câmeras de clube onde petista foi assassinado é encontrado no Paraná
+ Por que Saturno é tão temido?
+ Veja objetos, símbolos e amuletos que atraem riqueza
+ Anitta conta o que a levou a fazer tatuagem no ânus
+ Ancestral humano desconhecido deixou pegadas estranhas na África